Pular para o conteúdo principal

Destaques

Lançamento do Unicom Conflitos reúne profissionais para debate com alunos

A nova edição do Jornal Unicom, produzida em cima do tema “Conflitos que transformam”, teve o lançamento oficial na noite dessa segunda-feira, 27, em um evento onde o assunto central da publicação foi debatido. Mediado pelo professor Demétrio de Azeredo Sóster, o debate iniciou após as 19h30, no auditório do Memorial da Unisc, e teve como convidados à mesa o jornalista Rodrigo Lopes, a psicóloga e socióloga Gabriela Maia e o sociólogo e professor Luiz Augusto Campis.
No primeiro momento, os três convidados tiveram a oportunidade de falar sobre conflitos que transformam – para o bem ou para o mal – a partir das perspectivas profissionais e pessoais de cada um. Quem deu início a essa fase foi Gabriela, que tratou majoritariamente sobre questões de gênero e a violência acerca disso. Dando sequência, com uma perspectiva mais sociológica, Campis falou sobre a Teoria do Conflito Social, de Karl Marx, relacionando-a com a realidade. Para finalizar, Lopes fez uma breve apresentação sobre a …

Uma vida dedicada à dublagem

O nome Daniella Piquet pode dizer nada para muitos, mas diz muito para alguns. Aliás, para esses alguns (nem tão poucos) é um nome a se reverenciar. Esses alguns são os fãs de desenhos japoneses, como Sakura, Sailor Moon, Samurai-X e Pokémon. Daniella é dubladora e interpretou em todas essas séries. Para quem gosta, é ídolo.

Mas mesmo para quem não gosta, ela tem uma história interessante a contar. Embora jovem, carrega a experiência de quase duas décadas e meia de estúdios.



Ela foi uma de minhas entrevistadas para a reportagem sobre dublagem que deve sair no próximo Unicom. Foi quem me explicou como funciona todo o processo. Confira alguns trechos da conversa, em que ela me conta como começou a carreira e fala sobre alguns aspectos do trabalho:


Comentários

  1. Desses desenhos, eu só via Pokémon. E assim que ela começou a falar no áudio que tu publicou, Pedro, eu a reconheci. Este momento de "reconhecimento" é mágico. Porque eu (talvez pouco curiosa) lembro que existe um ser real por de trás do personagem, ainda mais em se tratando de animação.

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante, a proposta da matéria. Fiquei curioso pra ler o resto!

    \o/

    ResponderExcluir
  3. Quem diria que as heroínas japonesas tinham esse rosto na vida real...

    ResponderExcluir
  4. Pois sempre achei legal essa área da dublagem...Quem sabe quando seja adulta queira me dedicar a isso RSRSRS.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas