domingo, 9 de dezembro de 2012

Férias para o Unicom

Esta semana recebemos os exemplares lindos e com cheirinho de gráfica da primeira edição do Unicom. Qual é a cara da política começa, agora, a percorrer o curso de Comunicação Social e os outros cursos da Unisc. 
Leitura do Unicom é opção para as férias (Foto: Juliana Bencke)
Pensando bem, o atraso do jornal e a impressão dos dois quase juntos tem uma vantagem. Com o fim do ano e as férias de verão esperando logo ali, a galera vai ter tempo para ler os jornais. É legal pensar que os nossos jornais poderão acompanhar os acadêmicos nos tão esperados dias de folga, em uma leitura descompromissada no fim de tarde;  serem compartilhados pelas famílias nas reuniões de fim de ano (sempre tem aquele primo mala que fuxica nas coisas da gente), e, quem sabe, até pegaram uma carona na mala de viagem. Que o Unicom tenha boas férias!


Qual a cara da política

A primeira e tão esperada edição do Unicom já está nas bancas. Ops, coordenações. Ele aguarda lares e bons leitores desde a quinta-feira, 06/12, à tardinha. Quem ainda não retirou procure as coordenações dos cursos de Comunicação Social, Direito, Enfermagem, Odontologia, Administração, Biologia e Matemática. E ainda na biblioteca da Universidade e com os alunos da disciplina. A distribuição foi feita pelo núcleo de relações públicas do jornal.

Os elogios vão desde a capa até a escolha do tema. A equipe está trabalhando forte para manter a qualidade do impresso. Em breve a segunda edição estará finalizada.

                                                             O registro do nascimento

A produção


Escrever, apagar, reescrever. Ler. Apagar. Começar do zero. Mentalizar a matéria. Pedir sugestões. Escrever mais um pouco. Terminar de digitar e ficar por oras acordada.  Quarta-feira, matéria pronta. Porém havia um vácuo. Demétrio lê: - Josi Goetze está faltando algo aqui. O seu texto está gritando por liberdade.

Apagar, reescrever, escrever. Mentalizar novamente a matéria. Pensar nas fontes. Dar andamento na mesma forma como iniciou o texto. Fazer ligação entre os parágrafos. Um pouco de Eliane Brum. Mais um pouco. A "liga" está quase pronta.

Quinta-feira, chego em uma sala que supostamente teria aula. Sem pessoas, cadeiras e mesas vazias. Tiro a mochila das costas, o pequeno Billy - o notebook - e começo o que ainda não tinha terminado. O telefone toca. Atendo e recebo um convite tentador: comer batata frita em um dos barzinhos que nunca sei o nome. Justifico que estou terminando a matéria, e que iria em seguida. Escrever, escrever e colocar o ponto final.

Guardo tudo e saio correndo num calor infernal às 21h daquela noite. Chego e pedimos uma porção. Tiro o note da mochila, abro o arquivo. Elas olham com atenção. Sugerem, apagam, reescrevem. Vírgulas, pontos e dúvidas. Novas visões sobre um texto que parece sempre exigir mais. Algumas críticas e elogios. O relógio corre. Não dá tempo de ler os sete mil caracteres.

Terminamos a janta. Chego em casa e encaminho por email com as marcas das correções. Elas terminam a revisão. Recebo por email. Observo tudo. Percebo o benefício do novo olhar sobre o texto. E o resultado final. Agora sem grades.




Juliane Bencke, Cristiane Lautert e Josiane Goetze durante a revisão


Crédito: Cristiane Lautert


Crédito: Juliana Bencke

Diário de bordo

Estudar jornalismo proporciona a chance de conhecer outras realidades e pessoas. A cada nova matéria uma gama de conhecimento é absorvido. E dessa vez foi, novamente, enriquecedor.

A matéria que produzo para a segunda edição do Unicom é sobre teatro. E, descobri um mundo mágico. Pelo assunto, pelas pessoas e o amor carregado por elas.

Entrevistei pessoas ligadas ao teatro de Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires, com a curiosidade de saber o motivo delas fazerem artes cênicas. E, foi ali que percebi quantas pessoas arriscam-se na vida por fazer aquilo que elas realmente gostam.

E está tudo registrado. Linha por linha. A matéria está sendo diagramada. Os motores da gráfica já estão prontos. Em breve a segunda edição do Unicom chegará prontinha para a sua apreciação.



2ª edição do Unicom


Está tudo se encaminhando. O próximo Unicom não é temático e irá explorar histórias curiosas e que renderam, com certeza, boas leituras. Narrativas interessantes, com aspectos do jornalismo interpretativo e diversional.

A segunda edição teve produção rápida e sem deixar de lado a qualidade dos textos, diagramação e imagens. Nada como perceber a transformação de uma turma de disciplina, em uma equipe.
Unicom em produção
Créditos: Juliana Bencke





sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

O Campus esta contaminado pelo UNICOM!!!


Eis que hoje o famoso Jornal laboratório comecou a circular pelo Campus e nas coordenacoes de diversos cursos. Hoje a tarde dei seguimento as acoes propostas pelos RP na entrega do UNICOM. Passei pela Administracão e deixei 20 exemplares, no Direito encontrei a Bruna na minha peregrinacão e ela se encarregou de levá-los. Prosseguindo passei na Odonto e como a coordenacão me solicitou deixei para eles 40 exemplares para serem distribuidos aos professores, alunos e aos pacientes da clinica. Pediram que no próximo UNICOM entrassem em contato com a coordenacão para contribuir com o Jornal com uma matéria. Fui na Fisioterapia e entreguei para a secretária Larissa os 20 exemplares uqe ficou muito satisfeita de lembrarmos deles e elogiaram muito a capa do UNICOM. da mesma forma passei na Biologia e Matemática para disponibilizar 20 exemplares para cada curso. Na Biblioteca o Lucas vai colocar na secão de jornais/revistas e salas de espera. Pelo jeito vai faltar jornal para todo este povo. Ainda falta a distribuicão para os motoristas e passageiros dos onibus que entram e saem diariamente da UNISC. Segundo o Demetrio talvez tenhamos que deixar para distribuir o segundo jornal para esses leitores... Foi muito bom!!! A capa foi o elogio de todos que estão comentando o UNICOM. Parabéns pra toda a galera!!! Demorou mas bombou...

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Na mão

Gente, e o filho nasceu!

O parto não foi nada fácil e nem um pouco normal.
Mas o que importa é que o UNICOM está na Coordenação do Curso, para todos saborearem!

Boa leitura a todos!

 
A galera da disciplina de Prod. em Radiojornalismo II já garantiu os exemplares

Hora da (revisão e da) integração

A etapa da revisão do jornal é um dos momentos de maior integração da turma. Além de poder ler o texto dos colegas em primeira mão, essa é a hora de trocar ideias, recorrer ao manual de redação e ver o jornal pré-pronto. É hora de sentar ao lado dos diagramadores e incomodar, incomodar, incomodar, para que as correções sejam feitas e tudo saia da melhor forma. Confira alguns cliques meus do processo de revisão, ontem à noite. 
Jornal na parede para todo mundo dar "aquela" olhada


Josi e Berê concentradas na correção dos textos

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Capa da 2ª edição do semestre


O pessoal não mediu esforços para conseguir a melhor imagem para a capa de nossa segunda edição do semestre. Espia só a pose do Ismael Pádua.


sábado, 1 de dezembro de 2012

10º Programa do Unicom

A 10ª edição do Programa do Unicom desse semestre foi ao ar ontem, 30, pela Rádio A4, contando um pouco das pautas que vão rechear a próxima edição do jornal que está em plena produção. Perdeu? Sem problemas, confira abaixo:

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Instituição e significação do dia do Relações Públicas!

A criação do “Dia Nacional das Relações Públicas” nasceu dentro da Associação Brasileira de Relações Públicas por iniciativa do professor Cândido Teobaldo de Souza Andrade.
O tema, juntamente com a eleição do engenheiro Eduardo Pinheiro Lobo como Patrono das Relações Públicas, foi debatido no congresso da ABRP de 1976, realizado em Alagoas, nas cidades de Maceió e Penedo, terra natal de Pinheiro Lobo.
Eduardo Pinheiro Lobo, nasceu em 02/12/1914, por isso denominou-se o dia nacional das relações públicas, por ter sido um grande colaborador para a Associação Brasileira de Relações Públicas
O autor do Projeto de Lei da Câmara N. 75, de 1980, foi o deputado por Alagoas, e sócio da ABRP, Divaldo Suruagy. A tramitação do projeto ocorreu de 1983 a 1984, quando foi transformado em norma jurídica n. 7197 e promulgado seu texto integral no Diário Oficial da União, em 14 de junho de 1984, página 8601, Coluna 1, sob a denominação de Lei nº 7197, que Institui o “Dia Nacional das Relações Públicas”, assinado pelo Senador Lomanto Júnior, 1º Vice-Presidente, no exercício da Presidência.
Diz a lei:
Art. 1º - Fica instituído o dia dois de dezembro como o "Dia Nacional das Relações Públicas".
Art. 2º - Na data estabelecida no artigo anterior, as associações e entidades ligadas à atividade de relações públicas farão, em todo o País, promoções que de qualquer modo assinalem e festejem o transcurso da efeméride
Interessante observar que a iniciativa de se criar esse dia aconteceu no limiar da redemocratização do País, o que prova a perspicácia e a preocupação dos dirigentes da Associação Brasileira de Relações Públicas daquela época em revitalizar e legitimar a atividade, que foi, praticamente, sufocada durante 20 anos pelo regime militar.
A ABRP se preocupou em criar o Dia Nacional de Relações Públicas, convicta de que a comemoração desta data viria fortalecer a atividade, valorizá-la e dar-lhe a necessária visibilidade pública por meio de promoções oficiais que deveriam ser desenvolvidas pelas entidades a ela ligadas.
Viria ainda intensificar a união dos profissionais em torno de um objetivo comum – afirmar de maneira positiva a importância e o papel das relações públicas na construção de uma nova sociedade democrática.
O aceno ao retorno gradual, mas efetivo, do regime democrático deu novo ânimo às relações públicas, tanto pela expansão da atividade no meio acadêmico, como pela criação de consultorias e agências, que passaram a oferecer livremente às organizações os seus serviços.
Desde a sua instituição  a ABRP e os seus associados passaram a celebrar o dia dois de dezembro com orgulho e entusiasmo por meio de encontros,  seminários e outros eventos pertinentes a esta data.
A preocupação era somar forças, unir e não dispersar. Aproveitar a data para promover as relações públicas nas organizações e na sociedade como uma atividade capaz de contribuir, pela união e o trabalho de seus profissionais, para a consolidação da nova sociedade que surgia.
O espírito de união corporativa é o que deve estar presente nos profissionais para dar credibilidade e legitimidade ao exercício pleno da atividade.
O Dia Nacional das Relações Públicas é o dia dois de dezembro, conforme diz a lei. Seguindo a recomendação legal, hoje é também comemorado e apoiado pelo Sistema Conferp/Conrerps e pelo Sindicato da categoria.
Todas essas entidades querem que seus associados unam-se em prol de uma mesma causa, dos mesmos objetivos para que as relações públicas sejam cada vez mais reconhecidas e praticadas pelos empresários brasileiros.
Fonte: www.conrerp.org.br

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Cansados, mas felizes

Foto captou o clima de descontração e sintonia da turma.
Crédito: Luana Backes
Sabe aquela sensação de cansaço que é recompensada pela satisfação? Pois é. É mais ou menos assim que estamos nos sentindo. A correria do fim de semestre, aliada ao prazo megacurto que temos para acabar a segunda edição do Unicom assustou, de início. Sem dúvida, a última semana foi corrida para todos. Os repórteres se desdobraram para fazer as entrevistas, colocar tudo no papel e entregar a matéria "redondinha". O núcleo de RP também se puxou, planejando estratégias para divulgar o jornal. Os meninos de PP estão concentrados na produção da capa, dos anúncios, e na diagramação. Apesar do ritmo acelerado, a turma está em sintonia e clima de descontração - o que ajuda muito a produção de um material de qualidade. Está todo mundo "pegando junto". É nesse clima que esperamos ansiosos para ver as matérias nas páginas, na próxima aula. 

Bom humor sempre!

Nem a correria do fim do semestre afeta o bom humor da turma de Produção em Mídia Impressa. Durante a edição do 10º Programa do Unicom, que vai ao ar nesta sexta-feira, 30, pela Rádio A4, encontrei momentos de "pane no sistema" da galera de jornal. São 30 segundos de puro bom humor, ou seria uma forma humorada de encarar o desespero?! 

Confira, pois momentos de descontração também fazem parte do nosso trabalho!

Foto da turma para o segundo UNCOM do semestre!!!

Pessoal, vou postar as duas fotos que a Luana mandou da turma, curtam qual vocês acham melhor pra colocarmos no jornal e também para eu postar no blog:Galera... Ficou muito bom, pena que o Jardel não compareceu. Além das fotos foi apresentado as estratégias do núcleo de RP para a distribuição do UNICOM e da pesquisa realizada com 100 estudantes da Comunicação. Constatou-se que a pesquisa veio de encontro com as estratégias traçadas o que contribuirá muito com as próximas edições. Obrigado aos colegas que contribuíram para que o jornal venha se torna um sucesso!!! Agora é esperar sair do forno e arregaçar as mangas para que ele chegue aos públicos de interesse.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Barras laterais

Hoje decidimos pelo modelo das barras laterais que dividem a nossa nova edição do UNICOM. Abaixo seguem dois modelos, o escolhido foi o modelo azul marinho, a esquerda do monitor. A barra escolhida, como já foi explicado, segue um modelo mais modernos com traços mais retos e definidos, lembrando o logo da UNISC. O segundo modelo, descartado, segue uma linha com um pouco mais de curvas e com um espaço extra para o posicionamento do assunto da matéria no qual ele se refere.
Escolhido as barras, vamos a escolha de cores agora para separar as materias do UNICOM.

Conforme vai evoluindo, vamos postando aqui!

Abraço

Segundo UNICOM a caminho!

Com o primeiro unicom no "forno", já estamos criando o próximo, ideias a mil com a galera aqui no LAB!
Muitas ideias de diagramação, imagens e sugestões. GALERA SE PUXANDO!

Estratégias e ações a serem desenvolvidas para divulgar o Jornal UNICOM!!!!


Estratégias de RP para distribuição do UNICOM, dar visibilidade e mostrar o trabalho realizado nos Lab. do curso:

As ações que foram discutidas na aula passada são a distribuição para os diversos cursos que pleitearam a pesquisa inicial sobre o UNICOM:

Cursos de Administração – Contato com a secretaria do curso em deixar alguns exemplares a serem repassados aos alunos através da coordenação, no momento passar nas salas de aula seria inviável.

Direito: o coordenador do curso professor Leonardo autorizou disponibilizar exemplares na coordenação do curso e fez um convite para participar da reunião geral com os estudantes de Direito e explanar sobre o UNICOM no inicio do próximo semestre.

Odontologia: da mesma forma enviei e-mail para a coordenação solicitando colocar exemplares na coordenação e na sala de espera para os pacientes lerem enquanto aguardam atendimento. Aguardo retorno para entregar os jornais.

Fisioterapia: conforme a secretária me colocou é possível disponibilizar o UNICOM nas salas de bem estar e que se colocam a disposição para distribui-los entre os pacientes da clinica e os alunos do curso.

Biologia: A secretaria autorizou a deixar exemplares na coordenação para serem distribuídos aos alunos e professores.

Matemática: em contato com a secretaria do curso, elogiou a iniciativa de disponibilizar o jornal para os outros cursos e se colocou a disposição para fazer a distribuição entre alunos e professores.

Estratégia: Apresentar o (curso e cadeira- Jornalismo Impresso), o que efetivamente é o UNICOM (Jornal do Curso de Comunicação Social- feito pelos alunos) e a importância que o jornal tem para o curso e os prêmios que já recebeu (8).

Em outro momento fazer a distribuição entre os motoristas que frequentam o campus e que ficam principalmente durante a noite até o final das aulas. Isso seria só à noite o que daria mais tempo para conversar sobre o proposito desta ação e podendo assim fazer um link com a campanha "Ler faz Bem" e ainda indicar a biblioteca para eventuais leituras. Nessa ação estão incluídos passageiros e alunos que se deslocam diariamente a Universidade. A ação vai acontecer em três dias distintos assim que o jornal for impresso.

Na Biblioteca também foi feito contato e o coordenador mesmo se ofereceu para deixar os exemplares em pontos estratégicos onde transitam todos os estudantes da UNISC, entre familiares amigos e demais pessoas apaixonadas pela leitura de qualidade.

Segunda etapa: (inicio das aulas 2013)

Ações para o próximo ano em março... Para o segundo UNICOM... Distribuição para os calouros do curso de comunicação (na primeira semana de aula) e na aula inaugural (ver data).

Na biblioteca, colocar alguns jornais lá. Tem muita gente que fica circulando ali, ou sentado nos sofás e esperando para atendimento.

No próximo semestre que vem podemos fazer diferente (inclusive fazendo a divulgação – participar da reunião geral com os estudantes do Direito no início do semestre).

UNICOM – O que me diz?



A pesquisa é parte do pensamento estratégico, pois com ela, podemos analisar, a partir das respostas concedidas, a situação na qual se encontra o objetivo do trabalho como para direcionar ações que possam embasar um planejamento estratégico para o tema pesquisado.
Então, com essa ferramenta tão essencial nas áreas da comunicação, resolvemos realizar uma pesquisa para saber como os alunos de Comunicação Social da UNISC conheciam o jornal laboratório UNICOM e qual eram suas percepções em relação às matérias, distribuição, fotografias, diagramação e divulgação, e também suas sugestões para as futuras edições do jornal.
Tendo em vista que já havia sido realizada uma pesquisa em 2010, trabalhamos para atualizar as informações que são trazidas pela opinião dos leitores.
Eu como formanda em Relações Públicas, acredito que a pesquisa é sem dúvida a ferramenta base para qualquer trabalho que seja realizado, pois através dela, se constrói planejamentos, direcionamentos, sem falar que a chance de errar fica bem mais longe do resultado final, porque ela dá também credibilidade ao trabalho realizado.
Por isto, agradeço a Inês, secretária do curso de comunicação, que nos ajudou a divulgar a pesquisas e todos os alunos que gentilmente responderam o questionário on-line para que pudéssemos hoje mostrar o resultado pra vocês e também, melhor organizar as estratégias dos pontos que envolveram as questões da pesquisa. Então, confiram em:

E quem diz que repórter não corre?

O prazo aperta e o desespero bate. Até algumas horinhas atrás, eu ainda não havia conseguido ter retorno de uma das fontes - a mãe - para a matéria que estou fazendo - sobre uma família que participa de corridas de aventura.
Depois de muitos emails, muitos telefonemas, enfim consegui. E outro problema se criou: eu, que sempre sou lerda para escrever, teria que chegar na aula com a matéria pronta. Hoje. Sem falta. A pressão até pode ser positiva. Digo "até pode ser" porque ainda tenho "cá" minhas dúvidas, mas, hoje, foi ela quem fez a coisa toda render.

Família de Venâncio Aires participa de corridas de aventura

A família entrevistada é de Venâncio Aires. Eles integram a equipe Papaventuras e já viajaram por vários estados do Brasil, participando de provas, pedalando, suando muito. Para mais detalhes, é só ficar ligado na matéria da 2ª edição do Unicom!

A equipe tem site. Quem quiser conferir, clica aqui.


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

9º Programa do Unicom

Depois de alguns dias de pausa, o Programa do Unicom retornou a programação da Rádio A4 na última sexta-feira, 23. Perdeu a nona edição da produção? Confira abaixo:

domingo, 25 de novembro de 2012

Quando o repórter se sente pequeno

Pequeno. É assim que o repórter se sente, às vezes, durante uma entrevista. Ser repórter, permite que a gente conheça histórias diferentes, personagens da vida real, difícil de acreditar que existem mesmo. Desde quando propus a pauta para a segunda edição do Unicom, sabia que ia entrevistar gente nova com histórias bem grandes. Na hora do bate-papo com a fonte, me senti pequenininha, por ver o quão grande são os pequenos inventores que entrevistei. Uma gurizada nova, cheia de ideias e pronta para colaborar com a sociedade. Gente de 16, 17 anos, mexendo com robótica, tecnologia, invenções. E com vontade de solucionar problemas do dia a dia e melhor a vida da sociedade.


Ezequiel Conceição e Fábio Faleiro: inventores de uma
máquina colheitadeira de tabaco (Foto: Juliana Bencke)

Apesar de se sentir pequeno perto deles, na hora de colocar a história no papel, o repórter é grande. Não por deter um poder, ou algo assim. Mas, sim, por ter a possibilidade de usar a técnica do jornalismo para captar o que há de mais peculiar na história e transmiti-la, da melhor forma, para o leitor. E, claro, sempre há aquele gostinho especial quando se tem notícias de primeira mão. Nos próximos posts, mais um pouquinho do que promete a próxima edição do Unicom.


quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Mãos a obra

Depois de eu chamar o Unicom de "jornalzinho", hahahahahaha, vamos então galera para a segunda edição do "jornalzão" Unicom, onde estou escalado como sub-editor. Minha pauta fala dum cara que nos finais de semana se envolve em atividades, como rapel, cavalgada e trilhas de moto e gaiola. Vamos ver no que dá. Preciso saber onde quero chegar. Boa sorte pra nós.

Adriano Marcos Ellwanger

Corel + Illustrator + Indesign


Iniciamos ontem em aula o projeto gráfico da nossa segunda edição do UNICOM 2012/2. As coisas parecem estar fluindo mais facilmente agora com a turma se conhecendo e com a “experiência” de ter finalizado esses dias a nossa primeira edição. O primeiro modelo de marcadores de páginas fizemos em aula e o pessoal achou legal, algo bem atual e moderno e que de certa forma lembra o logo da UNISC.  Faremos mais alguns modelos para apresentar em aula para a turma, assim como a capa e anúncios. Como eu já falei acima, pela interação da turma, essa próxima edição do UNICOM vem ainda mais bonita do que a outra. Afinal é trabalhando que se aprende, portanto vou trabalhar agora em cima desses detalhes e assim que finalizados já posto por aqui pro todos poderem analisar!

Abraço e mão na massa!

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Experiência...








Fui editora de fotografia da primeira edição do Unicom do semestre. Pensar e dar dicas para as matérias em questão de visual, com certeza enriqueceu a minha trajetória universitária. E, é claro, trabalho em equipe sempre acrescenta e amplia as ideias. Além disso, fui repórter, contribui nas revisões e até mostrei meu lado criativo, digo, ilustrativo.

Agora, é só esperar que o Unicom chegue logo da gráfica!





Foi dada a largada!

Com a primeira edição do Unicom desse semestre enviada à gráfica, é hora de pensar a segunda e, nesse momento, o tempo é o nosso maior inimigo. Aliás, não é de hoje que os jornalistas não "simpatizam" muito com ele. Falo isso, pois o setor de jornalismo da disciplina terá o prazo de sete dias para finalizar as matérias, para que os meninos da PP entrem em ação e "se puxem" na diagramação/finalização. Detalhe, eles terão esse mesmo prazo para entregar as páginas diagramadas.

O semestre termina no dia 12, ou seja, em 14 dias a próxima edição do Unicom deverá estar indo para a gráfica. Se já é um desafio participar da produção de um jornal-laboratório referenciado como o Unicom, a provocação agora aumentou, ainda mais pra mim que assumi o cargo de editora. Creio que, priorizando o nosso trabalho individual, somaremos no coletivo, o que será a grande sacada para colhermos um jornal de qualidade, observando todos os detalhes que o seu processo exige.

Esta imagem foi retirada daqui!

Corrida para alcançar a linha de chegada

De todos os desafios que tivemos ao longo do semestre, com certeza, o de agora é um dos maiores. Especialmente, por que o fim do semestre espia logo ali. Digo, logo aqui. Temos três semanas para concluir a segunda edição do Unicom. Logo, as matérias precisam estar prontas, lindas e redondinhas na próxima aula. Já avistamos a linha de chegada, mas ainda há um bom trecho a percorrer, até porque temos um padrão de qualidade a seguir...

Enquanto alguns já estão no clima de férias, outros se
aquecem para a corrida maluca das próximas semanas

Depois da reflexão e do pavor, da aula/reunião de pauta de hoje, respiramos fundo e nos preparamos para encarar a pegada. O fim de semana, como todos sabem, vai ser de entrevistas, fotografias e digitação. E também de muitas trocas de e-mail entre os colegas e notícia, no blog, do que estamos preparando para o segundo Unicom. Bora para o aquecimento, que a corrida maluca vai começar!

Foto retirada daqui.

Participação Unicom





João Pedro Schimidt, pró-reitor de planejamento da Unisc e  cientista político, participou do painel "Qual a cara da política", no dia 03 de outubro, junto com o professor de sociologia Valter Freitas e o advogado Henrique Hermany.


Créditos fotos: Juliana Bencke


“Não há como escapar das decisões políticas. Quem não tem consciência é uma espécie de joguete das forças que disputam e exercem o poder”.




Henrique Hermany, Bruna Travi, João Pedro Schimdt e Valter Freitas



Entre postagens, tweets e compartilhamentos

Na primeira edição do Unicom - que está quase, quase saindo -, além de repórter fui editora-multimídia. Dentre as minhas atividades, estava verificar se a galera estava postando, divulgar as postagens, fazer umas correçõezinhas aqui a ali...

Para você, que sempre acessa o blog do Unicom, mas não conhece nossas outras redes sociais, segue a dica: também estamos no Twitter e no Facebook! Basta clicar nos ícones abaixo para ficar conectado a tudo o que está sendo produzido pela turma deste semestre (e dos outros, claro).




A criação do adesivo e da camiseta

Bom, antes de finalizarmos a nossa edição do UNICOM, trabalhamos com algumas ações de marketing para divulgação, atingir um público já consolidado e também um novo público, de acordo com o que nos foi proposto. Essas ações foram organizadas pelo pessoal da publicidade juntamente com o núcleo de RP do jornal. Para criação do adesivo e da camiseta dessa edição em que eu me envolvi mais diretamente, optamos por manter um padrão nas duas peças juntamente com alguns elementos ligados a capa, facilitando a compreensão do público alvo.
O motivo da utilização desse modelo de camisa foi a ideia de em que várias pessoas utilizariam a camisa, sendo as “várias caras da política”. A ideia da gravata e do modelo mais social veio para despertar assim certa curiosidade nas pessoas, chamando a atenção para as costas da camisa, onde estava nossa chamada principal. É uma pena que não conseguimos, mas fica aqui o registro. O adesivo segue no mesmo estilo da camiseta.

Ping-pong com João Pedro Schimdt, cientista político



“Não há como escapar das decisões políticas. Quem não tem consciência é uma espécie de joguete das forças que disputam e exercem o poder”.

Unicom entrevista João Pedro Schmidt, cientista-político, sobre o envolvimento da população com a política.


Como a sociedade se envolve com a política?

A política nunca foi e nunca será algo distante da sociedade. A política é uma dimensão em que os interesses de diferentes segmentos sociais se manifestam, prevalecendo, em geral, as vontades dos setores mais organizados e poderosos. Empresas, organizações sociais, a mídia e outros setores influentes, têm íntima relação com a política e os políticos. Quanto aos cidadãos, cerca de 5%, segundo autores, acompanham e participam frequentemente da política. A maior parte tem um interesse mediano e só se envolve politicamente de forma esporádica, como nas eleições. Há ainda uma parte razoável, média de 20% das pessoas, que não tem interesse, não conhece e não acompanha assuntos políticos.

As pessoas entendem e são ensinadas a entender política?

Só se entende aquilo que se busca conhecer. Se levarmos em conta o que dito acima, as pessoas que acompanham regularmente assuntos políticos acabam entendendo aspectos fundamentais da política, por exemplo, a ideologia dos governantes e dos principais partidos, a história das principais lideranças, as forças que disputam o poder, e a sua representação, e o que já fizeram no passado. A escola e a universidade são lugares importantes de aprendizado da política, mas a maioria dos estudantes acaba se formando com poucas noções de política e sem nenhuma vivência mais significativa, relacionada a esta dinâmica. Em termos amplos, o aprendizado da política é um processo que envolve as variadas instituições da sociedade (família, escolas, mídia, empresas, igrejas), os amigos e o ambiente social no seu conjunto.

Qual a importância da consciência da população sobre a política?

Na esfera política se decidem as grandes questões da vida social. Não há como escapar das decisões políticas. Quem não tem consciência é uma espécie de joguete das forças que disputam e exercem o poder. Quem tem consciência política tem muito mais condições de fazer escolhas que beneficiem a si e à comunidade à qual pertence.

Há participação da comunidade na política local?

Historicamente, Santa Cruz do Sul e municípios da região têm uma importante tradição de participação e organização comunitária, nas igrejas, escolas, associações e entidades. Na política, a participação não tem a mesma vitalidade e é semelhante a outros municípios do estado e do país. Os partidos estão organizados, possuem um razoável número de filiados segundo o padrão nacional, cerca de 90% dos eleitores comparecem para votar nas eleições, a participação em consultas populares, audiências e espaços de participação também é razoável. Podemos e devemos avançar mais.

21 de novembro: divisão das tarefas para o próximo UNICOM



Jornal:                                                                             
Editor: Berenice
Subeditor: Adriano
Editor de Foto: Cristiano
Multimídia: Adriane
Repórteres: Juliana, Josi, Cris, Bruna e Jardel.

RP
Coordenadora: Bia
Ações: Distribuição do UNICOM a outros cursos, para os motoristas e alunos que ficam no Campus aproveitando a Campanha que a UNISC esta lançando “Ler Faz Bem”!

PP
Divisão das tarefas:
Coordenador: Thales
Anúncios: Isma
Capa: Eduardo
Diagramação: Thales, Isma e Eduardo.

Suamos, mas finalmente terminamos!

Ao final desse primeiro Unicom, sinto que conseguimos produzir um bom jornal. O tema, complicadíssimo demais, aliado aos feriados seguidos, fez com que nós buscássemos o tempo perdido pra terminar o jornal. Foram dias cansativos, difíceis, trabalhosos, mas com o esforço de toda a turma terminamos. Já está na gráfica sendo impresso! Ficou demais! Aguardem que logo estará nas mãos de vocês!



Agora é buscar o tempo perdido e programar o nosso segundo Unicom do semestre, que já está com grandes ideias discutidas na aula!

Aguardem...

Unicom finalizado!

Depois de muitas noites, finais de semana e feriados de overdose de InDesign, enfim o jornal está no "forno". o//
Deu um certo trabalho, mas o resultado foi ótimo. Parabéns a todos alunos da disciplina!
Dáá-leee.

Parindo

Oi pessoal, tudo bem?

Apenas quero registrar a sensação de parir. Um parto coletivo.
Encaminhamos o PDF para gráfica nessa semana. Gente, é o nosso filho. Estou curiosa para ver a carinha dele!

Sobre o tema: acredite, política não é um assunto chato. De várias maneiras tentamos trazer algumas caras da política. Algumas mais óbvias e outras nem tanto.

Para dar mais um gostinho, o presidente do Senado José Sarney, falando sobre o seu início na política.

Apesar do sofrimento, o jornal aconteceu...

Parabéns a todos que de uma forma ou de outra contribuiram para que o primeiro UNICOM deste semestre ganhasse vida... Como relata o tema, a politica tem muitas caras e para que sejamos mais politizados temos que entender um pouco de cada conteudo como forma de conhecimento. O tema abordado cumpriu com o que foi proposto em aula e o Painel teve sua importância mesmo que o público não alcançou as nossas expectativas. Mais uma vez, parabéns a todos pelo empenho e de não terem em nenhum momento desistido do proposito de vê-lo impresso.

Criando uma capa da unicom

Capa mais famosa da National Geogr
Meu nome é Eduardo Mesquita, sou responsável pelas ilustrações feitas para o primeiro Jornal Unicom 2012/2. Confesso que política não é meu assunto preferido, na verdade é o último que escolheria para fazer um jornal, até pelo fato de que fazer ilustrações relacionadas a este tema é um tanto quanto chato. Mas vamos lá, sou o ilustrador, não cabe a mim escolher o tema, mas sim conseguir transmitir através de imagens o que os jornalistas querem dizer em seus textos. 

Neste post, eu comentarei como foi o processo para a criação da capa. A capa é a cara de um jornal, revista, catálogo ou qualquer outra coisa. Muitas pessoas compram um desses simplesmente porque gostaram da capa. Algumas capas são ruins, outras boas, algumas simples, outras misteriosas, umas penetrantes e históricas como a capa da National Geographic, que traz a foto da Sharbat Gula.

Primeiramente, defini que não queria uma capa poluída. Queria uma capa simples, sem muito escrito e que não fosse direta, mas sim uma capa para se pensar. Vos pergunto então, qual a cara da política? Pois então, este é o nosso tema e a partir dessa pergunta eu tinha que criar algo que fugisse do convencional, afinal um simples homem com um ponto de interrogação no lugar de sua face é o maior clichê quando se trata desse assunto.

Parei para pensar o que seria a política para mim. Um jogo de poder? Um teatro de marionetes? Uma festa de máscaras? Esses foram meus primeiros conceitos para criar a capa. Confesso que o primeiro deles ficou um tanto quanto difícil de demonstrar em uma ilustração que jogasse com uma mensagem subliminar, que não fosse direta. O mesmo valeu para o teatro das marionetes, afinal muitos veem os políticos como simples marionetes e uma capa com esse argumento seria explicito demais ao meu ver. Optei, então, pelo teatro, as cortinas.


Gosto de pensar que a política, na verdad,e não passa de um grande teatro, onde nós escolhemos os personagens que atuarão na história, afinal, as pessoas que nos são apresentadas como candidatos não estão sendo elas mesmas, são atuações de pessoas reais, que muitas vezes usam, inclusive, pseudônimos. 

Partindo disso criei o palco do teatro. Mas o que colocar no centro? A ideia do homem com um ponto de interrogação foi tentadora, mas, definitivamente, não gosto de clichês. Como deixar o consumidor curioso em uma imagem? Foi aí que pensei: como já estou trabalhando com o tema "teatro" na capa, o que é mais misterioso do que uma pessoa com máscara? Foi quando me dei conta que tudo, sem querer, fechou um contexto perfeito. Surgiu, assim, a capa do primeiro Unicom 2012/2.


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A minha vez de fazer o Unicom

O Unicom apareceu lá em casa pela primeira vez quando realizei a matrícula para o curso de Comunicação Social – Jornalismo. Na época em que eu nem suspeitava quais eram os critérios de noticiabilidade e o que era lead. Isso foi no fim de 2008 ou início de 2009. Desde lá, todo semestre, dois exemplares se acrescentam à coleção. Lá em casa, o Unicom tem uma leitora assídua, além de mim: a minha mãe. Na maioria das vezes, ela lê o jornal antes que eu e já aponta as matérias mais interessantes, com histórias e personagens diferentes.

Edição "Qual a cara da política" vai se somar, em breve,
à coleção de jornais Unicom
Neste semestre, minha mãe acompanhou todo o processo de produção do jornal-laboratório: me viu planejar a pauta, sair para as entrevistas, narrar o que as fontes me disseram, colocar tudo no papel, revisar o jornal. Dia desses, até perguntou: “Vocês já tiraram aquela foto da turma que sai no jornal?”.

É por isso que este Unicom também é para ela. Para ela e tantos outros leitores. Enquanto ela acompanhou minha produção toda de perto, outros tanto viram os bastidores aqui pelo blog. É para os leitores que dedicamos dias inteiros de entrevista, ficamos acordados até a madrugada para revisar o jornal e trocamos milhares de e-mails. A boa notícia é que o jornal está quase chegando!


Breaking news

Sim, estamos atrasados. Sobraram dificuldades que fizeram com que a primeira edição do Unicom quase não saísse. Horas e horas de revisão no feriado, a hifenização que não fecha - Thales que o diga -, os ajustes, pequeninos, que tomam uma proporção absurda quando se fala em 28 páginas; quando se fala nas páginas de um jornal-laboratório premiado.
Vin-te e oi-to pá-gi-nas! Treze estudantes. Oito repórteres. Nada fácil, mas está saindo!
O arquivo está fechado, o jornal está orçado. Em breve, estará por aí, roubando a atenção de olhares curiosos, que tentarão entender "por que raios essa gente resolver falar de po-lí-ti-ca?"


Outra coisa bacana:
Os adesivos, confeccionados pelo Isma Pádua, já estão prontos e podem ser encontrados na coordenação do curso, ok? Confere, que lindo!

Foto: Cristiane

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

O painel



Uma das melhores coisas a se fazer na vida é ter uma boa conversa. Com essa ideia, resolvemos elaborar um painel sobre o tema “Qual é a cara da política?” Para isto, pensamos em convidar pessoas com diferentes percepções e posições dentro do meio social e político. Para equilibrar a mesa, convidamos o Pró-Reitor da UNISC, prof. Dr. João Pedro Schimit, e o advogado Henrique Hermany .Para falar da percepção da sociedade, convidamos o prof. Sociólogo Valter Freitas. A noite nos ofertou um alto nível de conhecimento das áreas, que nos instigou a dialogar com os convidados. Inquietos, saímos, para produzir um jornal desafiante, frisando ainda mais a pergunta: Qual é a cara da política? Confira no UNICOM que está saindo logo mais.