sexta-feira, 29 de abril de 2011

Bizarrices sexuais da história

Sexo, sexo e mais sexo. Nas ultimas semanas esse é o tema das minhas leituras. E com tanto conteúdo legal, vou , novamente, dividir algumas coisas interessantes que encontrei sobre sexo ao longo da história.

"Fotografar bumbuns era com Hitler, que tinha uma coleção dessas fotos."
Dizem também que ele tinha fetiches com botas, livros e filmes pornográficos. Consta que, apesar de ter se casado, morreu virgem. Viu o que acontece na cabeça de pessoas que não fazem sexo normalmente?

"Charles Chaplin, além de só querer (e conseguir) ninfetas, tinha uma quedinha por ménage à trois e às vezes se entusiasmava tanto que o trois virava quatre, cinque, six..."

"Napoleão Bonaparte gostava de sexo rápido, furioso e barulhento (daqueles de quebrar a cama e acordar todo o palácio), o que aconteceu várias vezes. Aos 40 e poucos anos, porém, a festa acabou: uma disfunção das glândulas endócrinas reduziu seu pênis a pouco mais de 2 cm."

"Consta que o grande conquistador Casanova usava metade da casca de um limão como anticoncepcional: além de funcionar como barreira, fornecia a acidez necessária para matar os espermatozóides."

"Hipócrates, o pai da Medicina, não era lá grande fã do sexo. Chegava a considerar o gozo sexual como 'uma pequena epilepsia'."

George Bernard Shaw (My Fair Lady) foi seduzido aos 29 anos por uma viúva bem mais velha, detestou a experiência a tal ponto que passou os 15 anos seguintes em total abstinência e nunca escreveu em suas obras as palavras 'pênis' e 'vulva'. "Nem similares."

Isaac Newton e Emmanuel Kant nunca transaram. Nem entre eles nem com ninguém. Goethe tinha ejaculação precoce (mas como é que descobriram essas coisas?)

E para encerrar, você sabia que existia peruca púbica? Pois é, já no século 17. Coisa das inglesas. As peruquinha se chamavam bowser. Tinha umas até com fitinhas...

*Informações retiradas da crônica “Sexo,sexo e mais sexo", do Estado de São Paulo em 01/05/2002.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Trilha sonora Sete Pecados

Quem não gosta de ouvir música? Todos nós gostamos, e cada momento da vida requer uma música diferente.

Conheça a trilha sonora da novela Sete Pecados, exibida pela Rede Globo, e embale seus momentos!




1. Lulu Santos - Deixa Isso Pra Lá
2. Marina Elali - Eu Vou Seguir
3. Ivete Sangalo - Deixo
4. Beyoncé & Shakira- Beautiful Liar
5. Lenine - Não Faz Mal A Ninguém
6. Beyoncé & Shakira - Beautiful Liar
7. Erasmo Carlos com MArisa Monte - Tema De Não Quero Ver Você Triste
8. The Fray - Over My Head (cable Car)
9. Zélia Duncan - Carne E Osso (abertura)
10. Colbie Caillat - Bubbly
11. Isabella Taviane- Luxúria
12. Música
13. Deborah Blando - Contrato Assinado
14. Zélia Duncan - Carne E Osso (cifrada)
15. Colbie Cailatt - Bubbly

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Os 5 maiores heróis de guerra

A Ira é a responsável por muitas guerras. Ok, é inevitável. Ao menos essas batalhas servem para criar grandes heróis. Mas vocês sabem quem são os grandes heróis de guerra de todos os tempos? Abaixo, segue uma lista dos 5 soldados mais irados da história:

5º - Simo Hayha

Simo Hayha foi um agricultor finlandês que vivia tranquilamente em seu país natal. Até o dia em que a União Soviética invadiu seu país. Ele decidiu que precisava lutar. Como a maioria dos combates ocorriam nas florestas, ele pegou sua espingarda SMG, algumas latas de comida e passou dias inteiros escondido numa árvore atirando nos Russos. O finlandês tornou-se uma lenda e passou a ser chamado de "A Morte Branca". Durante 100 dias ele matou 542 pessoas com sua espingarda e tirou mais de 150 de combate. O terror tomou conta dos russos. No dia 6 de março de 1940 ele levou um tiro na cabeça com munição explosiva. Os soldados russos o encontraram e o levaram para a base. Metade de sua cabeça estava faltando. Hayha estava finalmente morto. Ou esteve, por cerca de uma semana. Apesar de faltar uma parte de sua cabeça, ele ainda estava vivo e recuperou a consciência no dia 13 de março, dia em que a guerra terminou.


4 - Yogendra Singh Yadav

O indiano Yogendra Singh Yadav pertencia a um batalhão Granadeiro durante um conflito contra o Paquistão em 1999. Sua missão era escalar um penhasco de 100 pés (aproximadamente 30,50 metros) de altura coberto de gelo sólido para neutralizar os três bunkers (tipo de casamata militar) inimigos lá em cima. Como grande parte do pelotão não queria subir, decidiram enviar um voluntário. Na metade do caminho, Yadav recebeu um spray de balas de um grupo inimigo posicionado na montanha ao lado. Foi baleado três vezes, mas não parou de escalar. Chegando ao topo, um dos bunkers disparou em sua direção. Correndo rumo à chuva de balas, atirou uma granada dentro da casamata e matou todos lá dentro. No segundo bunker encarou uma nova chuva de balas. Entrou no forte e matou os quatro homens que estavam lá usando apenas suas mãos. O resto do seu batalhão o ajudou a matar os inimigos da terceira casamata. Por sua bravura, foi condecorado com o prêmio "Param Vir Chakra", maior premiação militar da Índia. A condecoração foi concedida apenas 21 vezes durante toda a história, sendo que 2 terços dos premiados morreram em batalha. Yadav sobreviveu com uma perna quebrada, braços estilhaçados e algo em torno de 10 a 15 tiros pelo corpo.


3 - Jack Churchill

Comandante aliado durante a Segunda Guerra Mundial, o Capitão Jack Malcolm Thorpe Fleming Churchill era conhecido como "Jack Churchill de briga". Foi voluntário para liderar uma missão apenas por saber que seria perigosa, e portanto, divertida. Para ele "qualquer oficial que entrar em ação sem sua espada está incorretamente vestido". Isso mesmo! Um comandante da Segunda Guerra Mundial fazia seu batalhão levar espadas para o campo de batalha! Um de seus feitos foi capturar 42 alemães e um esquadrão no meio da noite usando apenas sua espada. Foi incumbido de liderar uma equipe para capturar uma fortificação chamada "Ponto 622". Tomou a frente através da escuridão encarando minas, granadas e arame farpado. Todos da sua unidade foram mortos pelos alemães no caminho. Reza a lenda de que quando os alemães o encontraram, ele estava com sua flauta (sim, ele sempre carregava uma flauta junto com a espada) tocando Will Ye No Come Back Again? (algo como "Não queres voltar novamente?"). Enviado para um campo de concentração, ficou entediado e saiu. Simplesmente caminhou até sair. Recapturado, foi enviado para um novo acampamento do qual saiu novamente. Após caminhar por cerca de 150 milhas (aproximadamente 240 quilômetros), foi resgatado pelos americanos e reenviado para a Grã-Bretanha, sua terra natal. Ao chegar, decepcionou-se ao descobrir que a guerra havia acabado.

2 - Alvin York

Filho de agricultores do Tenessee, Alvin York passou sua juventude bebendo e arrumando brigas em bares. Até o dia em que seu melhor amigo morreu numa dessas brigas. Alvin tornou-se um pacifista. Quando recebeu sua notificação militar, em 1917, apresentou-se como não voluntário, mas teve o pedido negado. Obrigado a servir, fez o treinamento básico por um ano, até ser enviado, com outros 17 homens, para invadir uma base que protegia uma ferrovia alemã. Ao se aproximarem, 9 de seus companheiros foram derrubados pelos atiradores inimigos. Os poucos sobreviventes fugiram, deixando York sozinho contra 32 metralhadoras. Sem tempo para fugir, resolveu dar o melhor de si. Derrubava tudo que se mexia. Com uma posição privilegiada - deitado, numa posição parecida com a que treinava nas montanhas do Tenessee e com aproximadamente a mesma distância - sabia que não podia errar um alemão daquela distância. E não errou. Depois de matar os 20 primeiros, um tenente alemão enviou 5 soldados para abatê-lo pelas laterais. O soldado americano sacou sua Colt 45, com apenas 8 balas, e matou todos eles. De dentro do forte o tenente perguntou se York era inglês. Durante a 1ª Guerra Mundial os americanos não eram levados a sério por ainda serem "novatos" em guerras. Quando York disse ser americano, o tenente alemão lhe respondeu: "Jesus! Se você não atirar mais, vou fazer todos se renderem." Assim, 10 minutos mais tarde, 133 homens ajoelharam-se ao que restou do batalhão de York. Seu superior, tenente Woods, imaginou ser um contra-ataque alemão, até ver York saudando-o: "Cabo York se apresenta com os prisioneiros, Senhor."

1 - Audie Murphy

Audie Murphy alistou-se na Marinha aos 16 anos, com 1,65 de altura e 49 quilos. Franzino, tentou entrar para as Forças Aéreas. Todos riram de sua cara, nas duas situações. Até que o exército o aceitou. Além da baixa estatura, descobriram que Murphy também era ruim nos treinamentos e pensaram em transferi-lo para ser cozinheiro. Mas ele insistiu que queria lutar. Mandaram ele pra guerra. Durante a invasão da Itália, foi promovido a sargento por ser um atirador dos bons. Nessa época pegou malária, e sofreu com a doença durante grande parte da guerra. Em 1944 foi enviado para a França. Junto a seu pelotão, encontrou uma base alemã que fingia entregar-se para depois matar os inimigos. Um dos mortos foi o melhor amigo de Murphy. Sim, isso despertou a ira do rapaz. Sozinho, partiu para cima do batalhão alemão, matando a todos. Após, roubou as armas do pelotão que acabara de dizimar e foi atrás de todos os alemães escondidos num raio de 100 metros - incluindo dois bunkers e vários snipers. Novamente matou todos. O exército americano, impressionado com o feito, elevou sua patente para Comandante. Seis meses depois foi enviado para defender uma região em estado crítico na França. Seu batalhão contava apenas com 19 soldados e alguns tanques M-10. Sem reforços, enfrentaram as tropas alemãs, infinitamente superiores numericamente. Ainda abatido pela malária, Murphy correu dentro de um M-10, foi para a parte traseira do tanque onde havia uma metralhadora e ficou lá por uma hora atirando em qualquer coisa que se movia. Detalhe: o tanque estava pegando fogo e havia combustível por toda a parte. Quando a munição acabou, saiu do tanque e juntou-se ao pelotão. No melhor estilo hollywoodiano, o tanque explodiu logo após sua saída. Recebeu todas as medalhas existentes no exército, incluindo algumas medalhas repetidas. Após a guerra, voltou com o chamado "Stress pós-guerra". Tomou alguns antidepressivos, mas ficou viciado na droga. Para controlar o vício, trancou-se durante uma semana num quarto de motel onde teve a ideia de escrever sua autobiografia intitulada "To Hell and Back" ou "Para o inverno e de volta". Depois disso virou ator.


domingo, 24 de abril de 2011

Você sabia?

Para a bíblia todos os pecados levam a morte. Porém, o pecado considerado mais traiçoeiro é o da preguiça. Evagrius Ponticus foi quem montou a lista das tentações que pensou serem as mais perigosas a alma humana. Para ele havia 8 terríveis tentações.

A preguiça não estava listada como tentação mortal, mas estava listada como duas tentações. Uma foi chamada de acídia, melhor traduzida como apatia e a outra era tristicia, traduzida como tristeza. Para ele tanto a tristeza como a apatia levariam ao inexorável abismo do inferno.

No ano 590. o papa Gregório reexaminou a lista de Evagrius. Ele a encolheu para sete, combinando a acídia e a trisiticia para o único pecado da preguiça.

Às vezes a preguiça parece um pecado improvável, mas para os antigos a preguiça era o pecado mais ardiloso e mortal de todos, porque nele havia um sentido de autopiedade, um sentido de pesar, de atitude letárgica porque a pessoa se achava infeliz.

Mas o principal motivo pelo qual a preguiça seria o mais perigoso dos pecados é porque ele supostamente poderia levar ao suicídio - considerado pelos cristãos o maior pecado de todos.

sábado, 23 de abril de 2011

Os 5 maiores pegadores da história

Para quem ainda não sabe, meu tema no Unicom, assim como da Blau, é sobre Luxúria. Da minha parte será um Ensaio. Durante a pesquisa tenho encontrado coisas muito interessantes e vou dividir com vocês – seria egoísmo e burrice da minha parte guardar só para mim.

Você se considera um pegador ou conhece pessoas pegadoras? Provavelmente sim. O que você não faz ideia, é que “galinhar” não é algo apenas do nosso tempo. Tem muita gente que viveu a muitooos anos e deixa qualquer amigo seu no chinelo no quesito “pegar”.  Entre os 10 maiores pegadores da história, mentes luxuriosas de reis, atores, prostituta, jogador de basquete e filhas de imperador. Para entrar nesse ranking o número mínimo de amantes ficou em 7 mil (assustador, não?)

Os números foram baseados em estimativas e relatos históricos ou em depoimentos pessoais. Até que ponto os dados são verídicos não se sabe, mas é interessante conferir. O conteúdo foi retirado da Revista Mundo Estranho, edição 53 de julho de 2006. Como o post se estenderia muito, adaptei o original e deixei em apenas cinco – os cinco mais fogosos da história.

Vamos ao ranking
Legendas: *lugar **Quando viveu ***Número estimado de amantes.

5 - JOHN CURTIS HOLMES *Inglaterra **1944-1988 ***14000
John Holmes teve um "grande trunfo" para se lançar na carreira de ator pornô: um bilau de 33 centímetros! Ele ganhou fama fora do mundo erótico ao afirmar numa entrevista que já havia dormido com mais de 14 mil mulheres. Muitos duvidam desse número, que daria uma média de 1,9 mulher por dia durante um período de 20 anos. O que é certo é que ele pagou um alto preço pela promiscuidade: morreu de aids aos 44 anos. Holmes perdeu a virgindade aos 12 anos e, além de ser ator pornô, ainda se prostituía para ganhar mais dinheiro e manter o vício em cocaína.

4 - MADEMOISELLE DUBOIS *França **Meados do séc. 18 ***16527
Jovem atriz francesa do século 18, mademoiselle Dubois ou "senhorita" Dubois, em português era menos reconhecida por seu talento do que por sua beleza e pelo uso que fazia dela. Ela se tornou uma das mais famosas cortesãs de sua época, uma espécie de prostituta de luxo. Dubois mantinha um caderno, onde catalogava todos os seus amantes. De acordo com esse arquivo, a mademoiselle teve exatos 16 527 amantes ao longo de 20 anos. O escritor francês Marquês de Sade se inspirou na enigmática figura de Dubois para criar a personagem Madame De Saint-Ange em seu livro A Filosofia na Alcova.

3 - REI IBN-SAUD *Arábia Saudita **1880-1953 ***20 mil
Ditador supremo da península Árabe, o rei Ibn-Saud só casava para satisfazer seus desejos sexuais. Quando enjoava da esposa, pedia o divórcio e arrumava outras. Diz a lenda que, dos 11 aos 72 anos, ele manteve relações sexuais com três mulheres diferentes todas as noites! Bem, exceto durante os períodos de batalhas... O monarca saudita também ganhou muito poder político se casando com mulheres de diversas tribos. Para Ibn-Saud, as mulheres eram apenas um objeto para diversão e reprodução. Por isso, ele mantinha suas amantes fechadas em um porão sem janelas.

2 - WILT CHAMBERLAIN *Estados Unidos **1936-2000 ***20 mil
Wilt Chamberlain foi um dos maiores astros da história da NBA, a superliga de basquete americana. Sua potência, porém, ultrapassava as quadras... Numa autobiografia lançada em 1991, Chamberlain afirmou que, entre 1951 e 1991, teve 20 mil mulheres, uma média de 1,3 por dia! É difícil de acreditar, ainda mais porque ele nunca enfrentou um processo de paternidade... Chamberlain afirmava que nunca tentou dormir com uma mulher casada. Então, tá...

1 - JULIA DE ELDER *Roma **39 A.C. - 14 D.C. ***80 mil
Quem diria, o maior "pegador" da história foi uma mulher! Filha do imperador romano Augustus, Julia era bonita e inteligente. Na juventude, encantava os homens ao exibir seu corpo publicamente, preferindo usar roupas translúcidas, que deixavam os romanos babando. Ela tinha tudo o que uma mulher poderia querer, exceto satisfação sexual. E, em busca disso, acabou ultrapassando todos os limites. Seus amantes logo chegaram a uma dúzia, depois a centenas, até abranger, segundo a lenda, mais da metade dos jovens de Roma! Não satisfeita, Julia começou a se oferecer para todos os estrangeiros que passavam pela cidade e também resolveu vagar pelas ruas com um bando de prostitutas, abordando passantes e arrastando-os para os becos escuros, onde fazia sexo com eles. Por causa do seu comportamento, Julia de Elder foi condenada por seu pai, o imperador Augustus, a viver sozinha numa ilha chamada Pandateria.

*Não achei disponivel no site da Revista o conteúdo na Íntegra.

Agora vai correndo contar para aquela sua amiga que se acha a “gostosa” e o amigo que se acha o “garanhão” que eles não são tudo isso não (heheh) .

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Será que chove?

Era sexta-feira, Santa ainda por cima. O céu estava lindo: azul, sem nuvens e um sol maravilhoso. Em menos que cinco minutos todo o céu limpinho e o dia belíssimo se transformaram em um típico de tédio. Chuva, chuva e mais chuva.

Sentei no sofá e fiquei pensando que eu não ia deixar meu feriado estragar por uma simples chuva e um tempo nada agradável. Então comecei a reescrever minha matéria e não tava sentindo uma paixão por ela. Sentia que faltava algo, alguma coisa que me motivasse.

Então resolvi visitar mais uma vez minhas fontes. Nada mais apropriado para um dia de chuva, do que sentar e conversar. Peguei a câmera fotográfica, meu bloquinho rabiscado e minha caneta Bic sem tampa, e me mandei para a casa delas.

Voltei para casa e sentei na frente do computador e a criatividade sentou do meu lado e mandou o tédio embora. Agora sim, minha matéria tem paixão, tem emoção e to curtindo ela. Sem contar que minhas entrevistadas são lindas, cheirosas e fofas demais. Muito fofas por sinal.

Nada melhor do que um feriado bem aproveitado e sentir o cheiro de terra molhada e inspiração.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Curiosidades sobre a inveja

A inveja é originária desde os tempos antigos, e foi acentuada no capitalismo e no darwinismo social, na auto-preservação e auto-afirmação, a inveja seria, popularmente falando, a arma dos "incompetentes". A inveja é um dos sete pecados capitais na tradição Católica, e é considerada pecado porque uma pessoa invejosa ignora suas próprias bênçãos e prioriza o status de outra pessoa no lugar do próprio crescimento espiritual.

A inveja além de ser um pecado, manifestada na forma de ciúme, também é proibida nos Dez Mandamentos da Bíblia. Inveja é a última palavra do livro Os Lusíadas de Camões.

Ela é comumente associada à cor verde, como na expressão "verde de inveja". A frase "monstro de olhos esverdeados" (green-eyed monster, em inglês) se refere a um indivíduo que é motivado pela inveja. A expressão é retirada de uma frase de Otelo de Shakespeare. Napoleão Bonaparte tinha relação especial com a inveja, pois costumava afirmar que "a inveja é um atestado de inferioridade".

A inveja também é um personagem do anime/mangá Fullmetal Alchemist, que possui cabelos verdes/negros, e o poder de transformar-se em qualquer objeto.



Envy - INVEJA, personagem do anime/mangá Fullmetal Alchemist

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Mural da vida privada - Luxúria


O último dos pecados do "Mural da vida privada" é a Luxúria.

O caminho das matérias

Por mais que seja segunda-feira de manhã e que o dia esteja cinzento, a produção do Unicom não para. Agora ele começa a tomar forma e para que isso aconteça as matérias passam por muitas etapas e pessoas.

Primeiro, o repórter produz a matéria e a encaminha para a nossa chefe de redação (produção). Se tudo estiver de acordo, o texto é passado para a subeditora, que encaminha para a diagramação e para a revisão. Revisado, o texto vai para a editora que confere se está tudo de acordo com o que foi combinado. Se estiver, o texto está liberado para ser diagramado. Claro, anteriormente o repórter já discutiu com a editora de fotografia quais as imagens que serão usadas.

E durante todo esse percurso, tudo é contado aqui no blog, sob o comando do nosso editor multimídia.

domingo, 17 de abril de 2011

Mural da vida privada - Ira

O 6º pecado do "Mural da vida privada" é o mais violento, agressivo e estressado de todos: a Ira. E não, não estou falando da banda.


Mural da vida privada - Preguiça


O 5º "Mural da vida privada" é o da preguiça. Não foi postado ontem porque, bem, vocês sabem, sábado é dia sagrado de descanso. Bons sonhos.



sexta-feira, 15 de abril de 2011

Mural da vida privada - Inveja

O 4º pecado do "Mural da vida privada" é a Inveja. E vê se não põe olho gordo.


Bastidores do concurso: "Um pecado de capa"

O Concurso promovido por nós, a turma responsável pelo Unicom temático 2011/01, intitulado "Um pecado de capa", está agitando a galera da Universidade. Principalmente, o pessoal que está cursando a disciplina Oficina de Criatividade.

Eu, o nossso Editor Multimídia, o Renan Silva, e mais duas colegas da disciplina de Produção em Jornalismo Online, Raisa Machado e Luana Backes, produzimos um vídeo sobre os bastidores do concurso, com o intuito de cumprir um trabalho proposto pela disciplina.

No entanto, acho que o vídeo ficou bacana e merece ser compartilhado com todos aqui pelo nosso blog!

Confira:

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Sobre a avareza...

Avareza é um assunto que vem sendo tratado desde a antiguidade. Muitos pensadores já estudaram o assunto por diversas razões, como por exemplo, o economista do século XVIII Adam Smith que sustenta a teoria de que o próprio capitalismo baseia-se no pecado da avareza. Algo para se pensar.

A palavra avareza vem do latim "avidus aeris" que significa ávido por cobre; no grego, "filarguria", e significa amor à prata.

Seguem algumas frases sobre a avareza para reflexão:

"A avareza é um nó corredio que aperta cada dia mais o coração e acaba por sufocar a razão." (Honoré de Balzac)

"A avareza perde tudo ao pretender ganhar tudo." (Jean de La Fontaine)


"A avareza tira aos outros o que recusa a si própria." (Sêneca)


"O avarento vive sempre na pobreza." (Horácio)


"O mestre disse: O pródigo é arrogante e o avaro é mesquinho. É preferível a mesquinhez à arrogância." (Confúcio)

"O avarento gasta mais no dia da sua morte do que gastou em dez anos de vida, e o seu herdeiro mais em dez meses do que ele na vida inteira." (Jean de La Bruyère)

Mural da vida privada - Avareza

Em mais um post da série "Mural da vida privada", o Unicom 7 Pecados apresenta a Avareza. E relaxa, a leitura é gratuita.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

terça-feira, 12 de abril de 2011

Passeio por uma sex shop

Pois é, buscando informações para a minha matéria, levei a nossa sub-editora Carolina Biscaglia (vulgo Caká) comigo para um pesseio em uma sex shop no centro de Santa Cruz do Sul. Ouvimos, constrangidíssimas, as explicações da atendente e depois gravamos um vídeo com alguns dos produtos mais 'tranquilos' que podem ser encontrados por lá.
Desculpem a falta de uma edição bonitinha, mas assistam mesmo assim. Nós nos divertimos muito, acho que vocês também vão, ao menos, dar umas boas risadas.



Ah! A Caká já ganhou os esmaltes, então falta só o coelhinho. Aproveitem que a páscoa está chegando...

Mural da vida privada - Vaidade

Quando começamos a pensar nas estratégias de divulgação do Unicom, uma das ideias que surgiu na discussão foi a criação de um jornal-mural. Mas não termina por aí. A mente mirabolante da nossa editora @blauschuh não podia contentar-se apenas com isso. Então ela resolveu que esse mural deveria ser colado nas portas dos banheiros! Afinal, quem nunca ficou sem ter mais o que fazer durante seu momento, digamos, mais "íntimo"?

Para entretê-lo nesses momentos, amigo leitor, criamos o "Mural da vida privada" (tenho certeza que o nome faz bem mais sentido agora). No total, são 7 edições espalhadas pelos banheiros da Unisc. Infelizmente você não encontrará hoje, dia 12 de abril, nenhuma dessas edições por aí. Digamos apenas que as faxineiras não tenham captado muito bem nossa proposta e resolver arrancar nossas obras de arte.

Mas, para não deixá-lo esperando até que coloquemos todos os murais novamente, publicaremos diariamente uma das edições aqui no blog. O primeiro mural (agora sem a privada) será o da Vaidade.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Vida de professor é fácil?

Vida de professor, cês sabem, é dura; de professor da disciplina de Produção em Mídia Impressa da Unisc, então, bem complicada.

É que ser professor, particularmente nessa disciplina, exige, digamos assim, algum desprendimento, poros abertos, como gostamos de dizer em sala de aula, e isso fica mais visível quando na hora das fotografias.


Por esse viés, o tadinho do "Tata" (nesse caso, eu) já teve de "tirar" fotos de pijama e posar para retratos; vestido de mafioso; com chapéu feminino na cabeça e aparelho de chapinha na mão perante olhos tão cruéis quanto inquisidores das alunas.

E, a julgar pelas evidências, nesse semestre não será diferente, ainda que nem tenhamos chegado a discutir o expediente do Unicom (em alguns momentos, temo pelo que está por vir...). Ou vocês acham mesmo que eu costumo ser fotografado perante a turma sem sapatos?

O fato é que a dureza a qual me referia no início desse post tem uma compensação que não troco por nada desse mundo: sou dos poucos a ter o privilégio de acompanhar, a cada semestre, as turmas se sucedendo umas às outras e dando forma, com muita competência e criatividade, a edições cada vez mais bacanas de nosso jornal-laboratório, que tantas alegrias e aprendizados tem nos possibilitado ao longo desse tempo todo.

Por isso que afirmo, com muita tranqüilidade, que é bom demais ser professor dessa disciplina.

E conhecer, por meio dela, tantos e tão bons talentos, caso da moçada que já fez as apresentações nesse espaço.

Grande abraço a todos!

domingo, 10 de abril de 2011

Curiosidades luxuriosas

Informações bizarras sobre sexo existem aos montes pela internet. Andei fazendo uma pesquisa e trouxe algumas da mais curiosas para vocês conhecerem. Considerando-se que o final de semana ainda não acabou, talvez alguma das curiosidades a seguir sirva de inspiração para alguém...

*120 milhões de relações sexuais acontecem diariamente no mundo.
*75% dos homens têm o orgasmo 2 minutos após a penetração. As mulheres demoram pouco menos de 4 minutos a atingir o orgasmo durante a masturbação e entre 10 e 20 minutos durante a penetração.
*As mulheres ficam 30% mais ativas sexualmente durante a lua cheia.
*Durante as preliminares, o seio da mulher pode aumentar cerca de 25% de tamanho.
*Na Indonésia, masturbação é crime. A pena é a decapitação.
*Usar salto alto é, além de sofisticado e sexy, benéfico para a vida sexual feminina. Um levantamento feito na Universidade de Verona mostrou que andar com um sapato moderadamente alto condiciona os músculos – inclusive os da região pélvica, que ajudam a sentir prazer.
*Aproximadamente uma em cada dez pessoas já participaram de “ménage à trois”
*Sexo emagrece. Um sexo vigoroso por meia hora queima 150 calorias
*Sexo cura dores de cabeça. o ato sexual pode ajudar a curar a dor. Sexo faz com que o corpo libere endorfinas, que são analgésicos naturais.

Semana que vem a lua estará cheia...

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Vaidade é...

A vaidade nada mais é do que a tentativa de atrair para si o olhar e a admiração do próximo. Pode-se dizer que o único objetivo daquele que é vaidoso, é criar uma imagem pessoal que serve apenas para ser admirada, e que muitas vezes não condiz com a realidade.

Diretamente ligada à estética, a vaidade pode chegar ao ponto de modificar os ideias de pessoas mais vulneráveis, pelo simples motivo de querer obter algo mais valioso, de certo modo 'intocável', que provoque no próximo o sentimento (pecado) da inveja. O que para uns é visto como simples glamour, fantasia e o sertir-se bem, para outros pode ser (ou parecer) vaidade. Tudo depende da sua forma e intensidade.

Como curiosidade, segue abaixo alguns breves relatos de algumas pessoas conhecidas e que lidam com o assunto vaidade:

"Sou a pessoa menos vaidosa que conheço, mas pintei o cabelo ontem... O vaidoso está muito ligado ao que menos importa, porque é aquilo que vai passar". Márcia Tiburi (artista plástica, professora de Filosofia e escritora brasileira)

"Quando você busca se aprimorar, encontra a sua melhor versão. As mulheres passam anos falando que têm que emagrecer ao invés de ir em busca desse aprimoramento". Fernando Torquatto (Maquiador, fotógrafo e consultor de estilo)

"Podem me chamar de vaidosa, mas é autopreservação. Tenho filhos e netos, preciso ter saúde e para isso uso os meus segredinhos que já viraram conceitos para a vida". Lucilia Diniz (empresária, apresentadora e socialite brasileira)

"Vaidade é uma qualidade para enfrentar o mundo, o problema é quando vira uma obsessão e cai no narcisismo. Estamos vivendo um tempo em que a imagem tem um peso muito grande, e nesse tempo o narcisista anda nadando de braçada". Gloria Kalil (jornalista, empresária e consultora de moda brasileira)

"Falar de vaidade é se olhar no espelho". Mário Queiroz (estilista)


E para você, caro leitor, o que significa a vaidade? Deixe um comentário com a sua opinião!

terça-feira, 5 de abril de 2011

A Dentinho de Leite

Meu nome é Carolina Lopes, moro em Rio Pardo, curso jornalismo e neste semestre a discilina de Produção em mídia impressa. Desde que entrei no curso sou motivo de certa dúvida em relação a minha idade. Eu tenho 20 anos! Sim, eu juro, e tenho como provar que na madrugada de 24 de setembro de 1990, a dona Marta teve a felicidade (modesta, né?) de conhecer esta pessoa que vos fala. Por causa desta dúvida ganhei inúmeros apelidos, o mais carinhoso deles intitula este texto e foi dado pelo nosso querido Valmor da Unisc TV quando fiz a cadeira de Telejornalismo. E não parou por aí. Ainda temos "menininha," "menininha de 12 anos "e incontáveis outros. Até mesmo durante a última semana acadêmica, o palestrante de uma das noites, Márcio Motakane, disse durante a palestra: “Tu tem 12 anos, o que está fazendo aqui?”. E ao saber da minha idade real: “Nossa, mas tu tá conservada no formol”. Com tudo isso, às vezes até eu confundo a minha idade,.Mas o que é mais comum é ter vontade de ter 12 anos de novo e não ter nem metade das preocupações que eu tenho hoje!

Superada a história da idade, vamos ao que interessa: eu sou libriana, indecisa, torço pelo time que é campeão de tudo, o Inter. Adoro estar com meus amigos e curtir meu namorado. Sou sensível, idealista demais e adoro uma boa conversa. Acho que foi gostar tanto de ouvir e contar histórias que me levou até o jornalismo. Também sou detalhista ao extremo quando preciso contar qualquer coisa para alguém, e no fim acabo sempre me enrolando e por vezes nem lembro onde comecei – quem convive comigo sabe bem disso.

No semestre passado fui voluntária da agência A4, e foi uma experiência muito interessante. Mostrou-me o quanto é importante estar em contato com o curso não só durante as aulas. Depois disso acabei me arrependendo de não ter participado antes das atividades extracurriculares que o curso proporciona. Agora sou bolsista da pesquisa coordenada pela professora Ângela Felippi, que busca entender como o Jornal Nacional representa o Rio Grande do Sul. Sou completamente leiga em termos de pesquisa, mas estou gostando bastante e acredito que vai me acrescentar muito enquanto jornalista em formação.

Nesse semestre, eu e a galerinha que se apresentou aí embaixo, temos uma missão um tanto ingrata, que é tentar fazer um trabalho tão bom quanto o que os outros colegas já fizeram no Unicom. Pelo que a turma está demonstrando vem coisa boa por aí. Vamos mostrar da forma mais descontraída possível que de pecador todo mundo tem um pouco. E dos sete pecados, coube a mim um dos que eu mais cometo: a preguiça. Depois da preguiça, ou até junto com a preguiça, vem a gula (mal posso esperar pela janta da turma :9 ). Às vezes a ira toma conta de mim e saio destilando mau-humor por todos os lados. A vaidade também tem seu espaço na minha lista de pecados, porém no dia a dia, a preguiça atrapalha e faz com que eu não tenha tanto zelo pela minha aparência. E quanto à luxúria? Menininhas de 12 anos não sabem o que é isso. Estou esperando a matéria da tia Blau para entender! ;D

Brincadeiras à parte, espero que façamos um bom trabalho que agrade vocês, nossos leitores. Enquanto o resultado final não aparece continuem nos acompanhando por aqui e e pelo nosso twitter.
Até mais!

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Yaundé. Como?!

É sempre assim. Digo o meu nome, e as pessoas perguntam: "Como?!". Não raro, fazem uma tradicional piadinha: "Ir aonde?". Mas a verdade é que eu não ligo, já estou acostumada e compreendo a reação.

Mas voltando ao que interessa, para começar a falar de mim, vou usar um trecho do meu mapa astral:
"Seu Sol está no último signo (Peixes), e o ascendente no primeiro (Áries). Talvez por isso tudo lhe pareça tão conhecido, e você tenha esta compreensão natural de como funciona a vida, de modo que nada lhe parece muito bizarro ou estranho. A compreensão pisciana se mescla ao estilo "viva e deixe viver" de Áries ascendente, e como resultado temos uma pessoa que respeita profundamente as diferenças alheias.

Uma contradição, entretanto, é marcante nesta combinação, Yaundé: se por um lado Peixes é um signo amoroso e gentil, seu ascendente em Áries é irado e dado a rompantes de raiva. Ternura e explosões se mesclam neste tipo socialmente contraditório, mas sempre colorido e fascinante."

Sou extremamente sensível, sonhadora, avoada, romântica, compreensiva e idealista. Tenho aversão à injustiças, mentiras, corrupção e demais coisas que denotam falta de caráter. Antes de tudo, para eu gostar de alguém, me relacionar, ser amigo, preciso admirar essa pessoa, e isso só é possível, se essa pessoa possuir um caráter admirável. Sou ao mesmo tempo teimosa, super ansiosa, controladora e perfeccionista. Mas também penso que devemos levar a vida numa boa, sem nos estressarmos por bobagens. Sou responsável e disciplinada. Disciplina essa que aperfeiçoei quando comecei a dançar. Sou essencialmente duas coisas: jornalista em formação e bailarina, principalmente, de dança de rua.

Às vezes penso que vejo as coisas de forma diferente da maioria das pessoas. Isso porque, tenho uma intuição muito forte, na qual eu confio desconfiando (embora ela praticamente sempre se mostre certa), e assim interpreto muito as pessoas. Leio as entrelinhas de suas falas e ações, e tento compreender comportamentos, atitudes e intenções por trás do que elas tentam mostrar. Sou inocente para muitas coisas, mas não sou ingênua.

Sou apaixonada pelas coisas que faço, pelos meus amigos e pela minha família. Já sofri tristezas profundas e já superei coisas insuperáveis. E percebo que me torno mais forte e mais madura (ainda bem né, o problema seria se fosse do contrário) ao passar dos anos.

Um marco na minha vida talvez tenha sido a Universidade. Aproveito como posso da melhor forma possível o que esse espaço tem para me oferecer, e com ele eu cresço como futura profissional e como pessoa, a cada dia. Existe uma Yaundé antes da Unisc, e outra depois, que é essa que vos fala e vos abre seu livro da vida!

Pecador

Olá, leitores e leitoras. Meu nome é Augusto Hoffmann, nascido em 22/08/1983. Como podem perceber, tive o prazer de nascer no ano em que o Grêmio conquistava, pela a primeira vez, a América e o Mundo. Ensinado pelo pai, me tornei um tricolor imortal e também um torcedor do F.C. Santa Cruz. Mas não vivo só de futebol. Música, rádio ou qualquer coisa que envolva áudio também me apetece muito. Poderia ainda elencar várias outras coisas que eu gosto, como a natureza, o sossego do campo entre outros, mas chega de expor estes detalhes.

Atualmente trabalho e estudo na UNISC. Como devem ter percebido, ou não, estou cursando Comunicação Social/Jornalismo. Este semestre, matriculado na disciplina de Produção em Mídia Impressa, eu e a turma temos a missão de produzir o Unicom. E que missão! Por enquanto estou meio perdido na minha pauta, a avareza. Todo mundo tem um exemplo de pessoas que são "mão de vaca" ou "pão duro". Agora, o negócio é arregaçar as mangas e ir atrás destes exemplos de avareza.

Quanto aos pecados, já citados neste blog, sou adepto à maioria. Antes do Unicom, nem tinha parado para pensar neles. Agora vejo que sou um pecador de primeira.

Em tempo: o Unicom é uma oportunidade de utilizarmos todo o conhecimento adquirido ao longo do curso e, casando com nossa criatividade, tentar apresentar um belo trabalho. Espero que isto se concretize da melhor maneira possível.

Miei peccati favoriti

Não acho fácil falar de si mesmo, e me parece ainda mais difícil quando se trata de expor o que a gente tanto tenta esconder, os pecados. Confesso que já comecei, parei e retomei esse texto muitas vezes tentando encontrar a melhor forma para me descrever. Vamos começar logo e pelo mais óbvio. Meu nome é Marluci Fontana Drum, tenho 22 anos, sou natural de Caxias do Sul e há pouco mais de um ano adotei Santa Cruz do Sul. Sou escorpiana, com todas as qualidades e defeitos dignos do signo.

Admito que tenho e cometo alguns pecados (ai de mim que a minha nona saiba, italiana e religiosa como só ela, me daria o terço de presente para me redimir destes maledetto peccati), porém tem um período que eles se agravam, e se multiplicam.

Esse período, não muito (e nem pouco) adorado pelas mulheres e incompreendido pela maioria (pra não dizer todos) dos homens, sim caros leitores, esse período também atende por TPM. Pois então, é nessa época que eu mais sofro com os pecados. A GULA, por exemplo, deixa de ser apenas diante de massas e pizzas e passa a ser constante e por doces - todos os tipos de doces.

Outro pecado que costuma me acompanhar especialmente nessa semaninha é (infelizmente) a IRA. Meu santinho! Tudo e qualquer coisa, por menor que seja, me deixa completamente irritada, irada e furiosa (medo). Mas acalmem-se. Isso é apenas umas vez por mês. Ah, e não é todo mês também, tem as vezes em que a ira não aparece e manda um chororô no seu lugar... e aí (as mulheres sabem do que estou falando) qualquer propaganda de margarina me deixa emocionada.

Mas, ok. O que interessa é que normalmente meus pecados se resumem a VAIDADE. Ah! Nada como se sentir linda, com o cabelo liso e m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o, uma maquiagem legal e com uma roupa bacana! Gostar de se arrumar, de se sentir bem consigo mesma e ver isso se refletir em admiração das pessoas que te cercam é bacana, não é?! Quem não gosta de receber elogios?! Eu confesso que adoro estar bem arrumada, mas percebo (e quem me conhece também percebe) que, às vezes, culpa da correria e falta de tempo, cometo outro pecado: o da PREGUIÇA.

Ao invés de acordar quando o relógio desperta pra ter tempo de me arrumar com calma, escolher uma roupa que fique legal, eu simplesmente aproveito os quinze minutinhos pra dormir um pouco mais e depois pego a primeira roupa que vejo e pronto. Na hora, nem lembro da vaidade. Depois, é claro, eu penso que deveria ter aproveitado os minutinhos para me arrumar melhor, mas aí já é tarde demais, a preguiça já havia tomado conta de mim e feito o seu estrago.

Bom, pra quem não sabia como se descrever, acho que já falei até mais do que deveria. Nos vemos então nos pecados do Unicom. Aposto que você vai se descobrir em alguma história e ver que todos nós temos pecados e que nem é tão ruim assim (às vezes) ser pecador(a).

Arrivederci!

sexta-feira, 1 de abril de 2011

A outra Ana*

Nutrição, pedagogia, fisioterapia. Quando pequena, eram essas as profissões que eu, Ana Luiza Rabuske,'queria ser quando crescer'. Como fui parar no Jornalismo? Simples, a paixão pelas palavras. Escrever, contar histórias. É esse universo que mistura verdade e literatura, fatos e situações inimagináveis que me atrai. Aqui, temos a oportunidade de conhecer pessoas de todos os estilos, raças e religiões. É onde trocamos experiências e aprendemos muito, sem dúvida.

Entrei na Unisc em 2008 e ao longo destes 7 semestres participei de algumas atividades proporcionadas pelo Curso: por duas vezes fui uma Foca do Q?, participei do Na Pilha!, durante meio ano atuei no projeto Armazém de Ideias (coordenado pela Prof. Mirela juntamente com a Escola Educar-se), em dezembro de 2009 fiz parte do grupo que foi ao Programa Altas Horas, e produzi também, em parceria com outra colega de Produção em Mídia Audiovisual, um Vídeo Institucional contanto a trajetória da Iniciação Científica na Unisc.

Nasci no ano de 1990 em Santa Cruz do Sul, mas morei a vida toda em Vera Cruz. Geminiana e colorada fanática, sou de descendência alemã, mas não falo uma palavra sequer na língua. Ana, Analu, ou se preferirem, Rainha (como me chama carinhosamente o nosso querido Editor Multimídia). Explico: em abril do ano passado, mais precisamente no dia 10, fui eleita soberena de Vera Cruz. Título no qual ostento por mais esse ano ainda.

Vida de soberana, coroa, salão, maquiagens. Tudo isso é a cara da vaidade, não é? Bingo! Chegamos à minha pauta. Ah, a vaidade. Duvido que exista alguma mulher que não se considere vaidosa. No fundo, bem no fundo, todas somos. Seja pelo salto alto, seja pelas unhas sempre bem feitas. Aliás, vaidade não pertence somente ao grupo feminino. Os homens hoje também se cuidam, usam perfume e são vaidosos quando querem. Portanto, falar sobre a vaidade é o meu desafio nessa edição.

Eis que chega então, ápice do curso. Temos em mãos nada mais nada menos do que o poderoso Jornal Unicom. Produzi-lo sob a perspectiva do pecado é um desafio, que não deixa de ser prazeroso. Nós, integrantes da equipe, esperamos que vocês gostem e talvez se identifiquem com as histórias que estamos preparando!

Mas, enquanto o resultado não aparece, não deixe de acompanhar a nossa trajetória aqui no blog e também pelo twitter @JornalUnicom.
Até mais!

*Lembrando que a 'outra' é pelo simples fato de já termos uma Ana na turma, a Blau.