quinta-feira, 15 de julho de 2010

Hora de recompor as forças

Com este post, e em as duas edições do Unicom tendo sido realizadas, encerramos o semestre 2010-1 da disciplina de Produção em Mídia Impressa.

Em grande estilo, diria.

Deixo aqui meu reconhecimento a todos os que acreditaram na proposta; que fizeram com que ela se tornasse tão boa quanto possível.

Semestre que vem tem mais moçada.

Boas férias a todos.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Unicom virtual

Eis, finalmente, a versão virtual da segunda edição do Unicom de 2010. A impressa já está à disposição na coordenação do Curso de Comunicação. Não pegou a sua? Passa lá! De qualquer forma, agora dá pra ver ele aqui no blog e baixar para guardar (basta clicar na imagem da capa abaixo). Com toda a minha simplicidade, digo: vale à pena!


Um jornal basicamente lindo

Como ficou o segundo Unicom de 2010-1?

Basicamente muito lindo.

A capa dá uma idéia do que vem pela frente.

Assim que o PDF estiver disponível eu aviso.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Bye Bye Baby (Teleweb Ed. Final)

Passou. Bem mais depressa do que esperávamos. Começou em março, com um grupo de tamanho inversamente proporcional ao de suas pretensões. Em minha primeira postagem aqui, eu disse que as nossas missões neste semestre seriam:

...honrar o passado de grandes edições, exercitar a tradicional linha editorial do jornal, repaginá-lo do ponto de vista estético, explorar novos recursos disponíveis. Enfim, continuar o que está bom, corrijir o que não está, inovar, criar. Produzir excelentes exemplares e fazer deste primeiro semestre acadêmico do curso de comunicação da Unisc, um grande momento do jornalismo.

Abril, maio, junho...Meses de muito movimento. Agora, calcula-se o saldo final. Resultado? Duas grandes edições, uma pela forma, outra pelo conteúdo; um blog amadurecido, com novas e mais desenvolvidas ferramentas; um evento escandaloso e inesquecível; um curso de Comunicação Social mais unido; um público mais ansioso e fiel.

Ou seja: missão cumprida. Não fomos perfeitos, e tampouco conseguimos a proeza de não errar. Mas o que me deixa muito, muito feliz é que hoje eu posso responder a mim mesmo com muita tranquilidade. Foi um grande momento? Foi. Ah, se foi.

E abaixo, a equipe se despede em vídeo de uma forma (bem) descontraída.

Até breve!

OBS. A música que toca no vídeo é Bye Bye Baby, dos Bay City Rollers, e o crédito das imagens é do Elio Brixius. A edição ficou por minha conta.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Em clima de despedida...

...com gostinho de quero mais. É tão bom fechar uma disciplina que povoou os meus sonhos e pesadelos durante um semestre, e ainda com este sentimento. Ter a certeza do dever cumprido e mesmo assim não estar querendo ver pelas costas todo o trabalho. Afinal em alguns casos é isso que acontece, faço pela obrigação e depois não quero nem ver. Com o Unicom é diferente, não por ser um trabalho concreto, que estará no meu currículo. Por isso também, mas mais por tudo que eu vou levar comigo para vida profissional e pessoal.

Ontem de manhã, na nossa última aula comentei o que a disciplina tinha acrescentado, e o que destaquei e destaco aqui foi o trabalho em grupo. Sempre fui de abraçar tudo e fazer sozinha, não por mal, mas era o meu jeito. Sim, era! Após essa disciplina eu descobri que é possível trabalhar em grupo e fazer acontecer dessa forma. A prova maior são os resultados das edições, da primeira os elogios, o feedback de inúmeras pessoas. Da segunda, que ainda não vimos impressa, a curiosidade de pessoas diferentes perguntando “Quando o Unicom fica pronto?”. Indescritível sensação, que só confirma que o trabalho em grupo é possível e que o resultado foi positivo.


Para fechar o semestre a turma, quase completa, veio para a minha cidade, a grande Rio Pardo, degustar o melhor peixe, e sobremesa feita pela minha Mãe.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Até breve!

O semestre vai chegando ao final e a sensação de que estamos encerrando um ciclo fica mais próxima. O Unicom, em suas duas edições, teve uma pequena turma de apenas sete componentes, mas que conseguiu dar conta da missão apesar dos deslizes que são naturais de um processo. O projeto gráfico mudou, o conteúdo das publicações tinham qualidade e o blog foi uma ferramenta a mais para desenvolver o trabalho jornalístico neste estágio de aprendizado, o que possibilitou o exercício de funções multimídia (áudios, vídeos, telewebs).
Além disso, todo o curso de Comunicação Social esteve mobilizado. Outras disciplinas puderam participar do processo e a expectativa entre os alunos para ver o resultado também foi grande. Devo saudar os colegas que estiveram junto nesta empreitada: Pedro Garcia, Luana Backes, Marília Nascimento, Vanessa Kannenberg, Rosibel Fagundes e Patrícia Parreira. Fora isso, o Profº Demétrio foi o professor que sempre analisou as possibilidades e através de sua experiência e conhecimento, pode indicar certos caminhos para avançar em direção ao objetivo maior.
Não podemos esquecer dos agradecimentos aos leitores deste blog e também do jornal impresso. Nada seria constituído se não houvesse alguém para receber. Foram muitos aprendizados e a carga de conhecimentos ampliada. Saudade? Sim, vai ficar este sentimento. Mas na sequência, outras atividades serão realizadas e avançaremos dentro do curso. O Unicom terá novos integrantes, que virão com vontade e terão a oportunidade de desenvolver um trabalho como o que fizemos agora. Boa sorte a eles! Da minha parte, até breve. Hoje, para marcar a despedida, tivemos a honra de provar um saboroso peixe da legendária Rio Pardo. Realmente, muito bom!

Último post

Chegou ao fim nosso semestre. Hora de fazer o discurso de despedida, de elogiar a todos, de dizer que fizemos um ótimo trabalho. Pode parecer discurso pronto, mas não é.
O semestre que passou me trouxe um imenso aprendizado. Trabalhamos em equipe, ouvimos e respeitamos as opiniões dos colegas, nos comprometemos com algo que, depois de pronto, nos trouxe muito reconhecimento. Reconhecimento entre nós mesmos, dos colegas de curso, dos familiares, do professor.

Preciso fazer alguns agradecimentos. Primeiro à nossa querida editora Marília. Mesmo não aguentando mais receber seus e-mails, sentíamos sempre que ela estava do nosso lado. Respeitava nosso trabalho e puxava (de leve) nossa orelha quando necessário.

Pedro, nosso editor multimídia. Sempre tão cuidadoso com o blog. E se o blog ficou tão bom, o mérito é seu.
A Vanessa (cuidou da diagramação), fez um trabalho brilhante. O nosso jornal ficou muito lindo!

Ao João, Patrícia e Rosi, agradeço por ter tido a oportunidade de ler textos tão bons.

O que dizer do Professor Demétrio? Nos guiou tão bem. Se fiz um trabalho do qual tenho orgulho, foi por causa do nosso editor-chefe. Suas orientações foram precisas, e seu apoio nos dava coragem e vontade de fazer o melhor.

Agradeço a todos que, de alguma maneira, colaboraram para o sucesso do Unicom.
Tenho a plena certeza de que aprendi muito. Além disso tive a oportunidade de ter meu trabalho divulgado. Como é bom ver meu texto e minhas fotos em um jornal tão bom e ser reconhecida por isto.

Pessoal, foi muito bom trabalhar com vocês! E que os próximos jornais sejam melhores ainda.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Quem é esse tal revisor

Três coisas estão por vir nos próximos dias, e cada uma é causa e consequência das outras. Um novo jornal será lançado, o semestre acadêmico chegará ao fim e a atual equipe se despedirá do Unicom.

Falaremos mais sobre esse grand finale na sequência, porque hoje quero discutir outra coisa. Furungando as postagens de março para cá, percebi que muito foi dito sobre ser repórter, diagramador, editor, fotógrafo e tal e coisa. Mas sequer uma linha foi dedicada à figura fundamental no processo produtivo jornalístico que é...o revisor.

Esse cara é o ator que surge discretamente no finalzinho do espetáculo, quando a plateia já está louca para aplaudir e o elenco está louco para ser aplaudido - afinal de contas, já esgotaram suas performances. Mas nada disso acontece antes que o tal ator cumpra o seu papel.

E que papel é esse? Bem, nada mais é do que analisar cuidadosamente tudo o que os outros atores fizeram e corrigir aqueles pequenos deslizes que sobraram. Na prática: ler cinco, oito, dez vezes cada linha do jornal à procura de qualquer vírgula enxerida, acento metido a besta ou consoante meio perdida.

Não é fácil. Nada fácil. Porque, como já foi dito, o revisor entra aos 40 do segundo tempo, depois do texto ter passado no mínimo pelas mãos do repórter, do editor e do corretor do Word. Ou seja, se aquele maldito hífen resistiu a tudo isso e chegou ao revisor, é porque é muito dissimulado. E só um olho clínico é capaz de identificá-lo.

Às vezes é mais forte do que nós. Lemos e relemos trocentas vezes sem reparar que aquele S não deveria estar ali. É como se ele resolvesse aparecer só na vigésima vez que passamos os olhos.

Talvez seja sinal dos tempos. Hoje, o pouco que lemos, o fazemos mais rápido do que deveríamos. Perdemos parte de nossa capacidade de mergulhar em leituras. E quem não sabe mergulhar, não revisa. Por isso que é tão difícil.

Fui revisor duas vezes este semestre. E recomendo, pois é um ótimo aprendizado. Aprende-se as regrinhas de gramática que esquecemos no caderno da oitava série. E também a se concentrar.

A propósito, enxerida é com X mesmo?