quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Fome de Groove é premiado pela RBS

Release importante: "O vídeo Fome de Groove, do estudante do Curso de Produção em Mídia Audiovisual da Unisc Gibran Sirena, foi eleito o Melhor Mini-Metragem 2008 pelo Júri Popular da RBS, promotora do projeto. O voto foi popular, via clickrsb.. A equipe do vídeo de um minuto composta ainda por Carine Immig, Daniel Sperling, Janaína Blanco, Juliana Roehrs e Simoni Helfer recebeu o troféu na premiação no Theatro São Pedro em Porto Alegre.
Para conquistar o prêmio, a equipe de Fome de groove criou um blog para divulgar e explicar o sistema de votação que resultou na eleição de Melhor Mini-Metragem para o curta. Para Gibran Sirena, diretor do vídeo, “O mérito é de todos aqueles que votaram no vídeo, fazendo dele o premiado e contribuindo para mais um pequeno passo a favor do audiovisual de Santa Cruz do Sul”.
O vídeo mostra cinco amigos que antes de jantar uma pizza resolvem fazer música de uma forma totalmente criativa, usando os objetos de cozinha como instrumentos musicais. O curta foi produzido pelos estudantes para a disciplina de Elementos da Linguagem Musical, ministrada pelo professor Gerson Rios Leme".

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

O último post


Quando soube que encerraríamos o blog por este ano e que, no seguinte um novo grupo cuidaria dele, fiquei triste. Porque dediquei tanto tempo deste meu ano para o blog, que o pensamento de deixá-lo me fez esmorecer. Eu sabia que essa hora chegaria, que eu teria de dizer tchau, mas enquanto ela não chegava, eu me iludia. Hoje, me sinto como um pai que se despede do filho à porta da casa, um filho que não é mais meu, mas sim do mundo.

Pensei muito nesses últimos dias quais deveriam ser as últimas palavras do meu último post. Simplesmente, não consegui encontrá-las, resolvi então escrever o que estava sentindo, talvez essas fossem as palavras certas, e se não fossem as certas, seriam no mínimo as necessárias.

Preciso agradecer, disso eu tenho certeza. Trabalhar nesse blog me fez crescer como gente e principalmente, profissionalmente. Hoje, posso com muito orgulho colocar este blog no meu currículo e sei o que isso significa. Quero agradecer a todos os meus colegas, que junto de mim fizeram esse blog. Quero agradecer ao Demétrio que deu o pontapé para que esse blog existisse, agradecer seus conselhos sempre sábios e úteis, agradecer a oportunidade. Quero ainda agradecer a todos àqueles que passaram por esse blog, leram, deixaram comentários, riram e se emocionaram com os textos publicados aqui.

Sei que fizemos um grande trabalho neste blog, que ficará marcado para todos nós. Agora é hora de renovação, e por isso desejo toda sorte do mundo para os futuros responsáveis por esse blog. Como um pai zeloso, vou continuar entrando aqui, visitando o meu rebento, postando comentários. Espero que os futuros tenham consciência da responsabilidade que terão e façam esse blog ficar cada vez melhor.

E eu? Pois bem, tenho um projeto experimental pela frente, um estágio e uma monografia, o que significa que estarei bastante ocupado. Mas depois de um ano inteirinho postando em blog, eu não podia mais ficar sem um. Por isso criei, o provisório Blog do Sancler, que por enquanto ainda não tem nada, nenhum texto, nem layout definido, talvez nem o nome seja esse. O endereço vai ser http://sanclerebert.blogspot.com/, quando quiser me encontrar, ler um texto, saber o que ando fazendo passa lá. Ah, o endereço talvez mude, mas daí eu lhe aviso...

Bem, é hora de colocar um ponto final aqui.

Adeus, ou até logo.

Sancler Ebert.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Vamos fechando o bolicho, moçada

Moçada, escrevo para dizer que, com este post, vamos fechando os trabalhos de 2008 quando o assunto é Unicom. Penso que, ao longo destes dias, todos os que se envolveram na feitura dos três jornais, - dois deles premiados e um por se premiar -, direta ou indiretamente, devem guardar consigo tudo o que viram/viveram ao longo deste processo. Lembrem, sobretudo, do que aprenderam; do diálogo com os colegas e das diversas linguagens exercitadas, inclusive por meio deste blog. Digo isso basicamente porque entendo que as diferenças no futuro, que, sabemos, está próximo, também se estabelecem por meio do que a gente lembra; do que a gente fez porque acreditou. Os romanos diriam: "Honra e glória". Honra por fazer bem feito. Glória por poder ser reconhecido - e bem - pelo que se fez. Que assim o seja, então; e que vosso exemplo sirva para iluminar os passos das turmas que estão por vir. Um beijo a todos e obrigado pela parceria.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Blog do Unicom é citado em livro

O nosso blog está importante! Sábado passado, dia 29, aconteceu na Livraria e Cafeteria Iluminura, o lançamento do livro "Edição de imagens em jornalismo", organizado pelos professores do Curso de Comunicação Social da Unisc, Angela Felippi, Demétrio Soster e Fabiana Piccinin.

O lançamento contou com a presença de várias pessoas que encheram a Iluminura, além de parte da mídia que foi cobrir o evento. Eu comprei meu livro e fui obviamente pedir meu autógrafo. Depois da primeira página estar devidamente preenchida com os autógrafos, comecei a folhear o livro.

Para minha surpresa e alegria, o que encontro num dos capítulos assinados pelo Demétrio? O Blog do Unicom. Explico: o capítulo tratava de teleweb, e como o blog teve um produzido no semestre passado, a referência contava a experiência e a relacionava com a teoria....

Isso só encher todos que fazem esse blog de orgulho e inspira a trabalhar mais e deixá-lo cada vez melhor...

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Notícias de terras distantes


Na foto, que acaba de chegar por e-mail, os quatro alunos da Unisc que estão desde o dia 17 em terras portuguesas, por motivos de intercâmbio. Os quatro são acadêmicos de jornalismo, publicidade e produção em mídia audiovisual e estão na Escola Superior de Tecnologia e Abrantes (Esta), que fica na cidade em Abrantes. Na foto, os alunos de publicidade Camilo Almeida Moraes e Vanessa Boettcher; de jornalismo Pedro Piccoli Garcia, e de produção em mídia audivisual Luiza Cobalchini Damásio. Em Portugal, eles participam das aulas teóricas e práticas e desenvolvem materiais da sua área de estudos. E sentem saudades, que ningupem é de ferro.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Edição de imagens será lançado em Santa Cruz do Sul dia 29

Alunos da Unisc viajam a Portugal

Um grupo de quatro alunos inicia na próxima segunda-feira, 17/11, um intercâmbio de três semanas em Portugal. São acadêmicos de Jornalismo, Publicidade e Produção em Mídia Audiovisual que irão para a Escola Superior de Tecnologia e Abrantes (Esta), que fica na cidade em Abrantes. Há vários anos o curso de Comunicação Social tem parceira com a (Esta), enviando recebendo alunos anualmente.
Nesta edição, participam os alunos de Jornalismo Pedro Piccoli Garcia; de Publicidade, Vanessa Boettcher e Camilo Almeida Moraes; e de Produção em Mídia Audivisual, Luiza Cobalchini Damásio. Em Portugal, eles participam das aulas teóricas e práticas e desenvolvem materiais da sua área de estudos.

Ostermann e Beto Souza em Santa Cruz

No dia 17 de novembro (segunda-feira), o Saideira – desenvolvido pelo curso de Comunicação Social da Unisc – terá uma edição especial em comemoração aos três anos de existência. O projeto se associa ao Encontros com o Professor e traz o jornalista Ruy Carlos Ostermann e o cineasta Beto Souza para um bate-papo no Espaço Camarim e lançamento de livro na Livraria e Cafeteria Iluminura, Centro da cidade, a partir das 19h30min. O Saideira/Encontros terá ainda uma canja musical, com o grupo Batuque de Cordas.
O evento acontece inicialmente no Espaço Camarim (19h30min), onde Ruy Carlos Ostermann entrevista o realizador audiovisual gaúcho Beto Souza. Logo mais (às 21h) Ostermann autografa o livro Encontros com o Professor: Cultura Brasileira em Entrevista volume III, recentemente lançado na feira do livro de Porto Alegre. Ambas atividades têm entrada franca e aberta aos interessados, basta chegar ao local dos eventos.
O Encontros com o Professor ocorre quinzenalmente em Porto Alegre, e tem como objetivo valorizar expoentes da cultura brasileira pela sua trajetória e não por estarem presentes na mídia. A proposta é aproximar o público de temas e pessoas que circulam normalmente em espaços restritos e elitizados, por isso é um evento com entrada franca. Santa Cruz será a sexta cidade visitada de uma série especial de Encontros com Professor pelo interior do Rio Grande do Sul.
Já o Saideira é desenvolvido desde novembro de 2005 em Santa Cruz a partir de uma iniciativa semelhante que ocorre em Porto Alegre há mais tempo. A propostas resgata uma antiga tradição entre os jornalistas de se encontrarem em bares e cafés após o expediente na redação para discutirem a profissão. Em Santa Cruz, o Saideira ocorre mensalmente na Iluminura, com debate a cerca de temáticas do jornalismo, publicidade, relações públicas e produção em mídia audiovisual.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Edição de imagens em jornalismo na Feira do Livro

O lançamento será amanhã,8, às 15h30, no Pavilhão de Autógrafos da Feira do Livro de Porto Alegre, moçada. Estão todos convidados.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Saideira comemora seu terceiro aniversário

Dia 17 de novembro, às 19h30min, o curso de Comunicação Social da Unisc vai fazer uma edição especial do projeto Saideira. A edição será comemorativa aos três anos do projeto e será em parceria com o Encontros com o Professor, projeto de entrevistas com auditório realizado pelo jornalista Ruy Carlos Ostermann em Porto Alegre.
Numa edição etinerante, o Encontros se une ao Saideira e traz, além de Ostermann, o convidado-entrevistado realizador audiovisual Beto Souza. Além disso, haverá uma palinha musical com o Batuque de Cordas, que tem um músico santa-cruzense, o Vinícios Correa.
O Encontros/Saideira será, como sempre, aberto, gratuito e, em função da especificidade desta edição, num primeiro momento no Espaço Camarim (19h30min), quando Ostermann entrevista Beto Souza, e, depois (às 21h), na Livraria e Cafeteria Iluminura, onde Ostermann lança o livro do projeto Encontros com o Professor - Cultura Brasileira em Entrevista - Volumes III.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Documentário do Hospital Santa Cruz será exibido na próxima terça

Cartaz do documentário. (Arte: Carine Immig)

O documentário "Hospital Santa Cruz: 100 anos de histórias" será exibido pela primeira vez na próxima terça-feira, dia 11, nas dependências do Hospital. A produção de 67 minutos foi realizada pelo Núcleo de Produção em Mídia Audiovisual da Agência Experimental A4 do Curso de Comunicação Social da Unisc.

Os acadêmicos que participaram da produção, o primeiro longa-metragem da Unisc, foram Carine Immig, Gabriel Tassinari, Gibran Sirena, Natália de Rissi, Sancler Ebert e Vagner Bozzeto, coordenados pelo professor Jair Giacomini. O documentário foi produzido durante sete meses e contém mais de 20 horas de gravações.

O documentário traz o depoimento de 16 personagens, que trazem histórias vividas por médicos, enfermeiros e pacientes. A exibição da terça-feira será realizada para a equipe do documentário, os personagens que deram os depoimentos e convidados.

Nos dias 12 e 14 de novembro, o documentário será exibido no Hospital Santa Cruz para os funcionários, em sessões nos três turnos, regadas à pipoca. O lançamento na Unisc ainda não tem data de exibição.

Assista ao trailer!



sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Novo Podcast do Unicom: Obituários


Nada como uma novidade para acabar a semana bem. Enfim, mais um Novo Podcast do Unicom! Nessa edição você vai saber tudo sobre obituários, graças a Ana Flávia Hantt e a Letícia Mendes, que se juntaram para entregar a você um podcast cheio de informação, diversão e muita música! Não perca tempo, baixe o seu agora!!! Tem enquete, matéria e muito som!!!

Para ouvir ou baixar o Novo Podcast do Unicom, basta clicar aqui!

Em breve, tem mais....

terça-feira, 28 de outubro de 2008

A morte, por Pedro Bial

Para não deixar o assunto morrer, hahah, que piada infame... Um vídeo com a crônica de Pedro Bial sobre a morte... ela que foi protagonista do último Unicom.

domingo, 26 de outubro de 2008

Sobre a exigência do diploma

Repasso e-mail que recebi de Carlos Franciscato, presidente da SBPJor, por relevante:
"A SBPJor, a Fenaj e o FNPJ tiveram, nesta quinta-feira, dia 23, uma audiência com o ministro de Educação, Fernando Haddad, em Brasília, para discutir a formação superior em jornalismo. Vou repassar um breve resumo das questões colocadas na reunião, particularmente as posições expressas pelo ministro acerca do tema:
1) O ministro informou que o MEC não está trabalhando com uma hipótese de formular uma proposta que substitua a formação graduada em jornalismo: “Queremos que os jornalistas continuem sendo formados em cursos de graduação, é uma área específica de conhecimento”;
2) Sua preocupação é com a qualidade do ensino em jornalismo, pois considera existirem deficiências na formação graduada. Para ele, o jornalismo é um dos quatro cursos fundamentais ao funcionamento do Estado democrático (os outros três são Medicina, Pedagogia e Direito) e, por isso, o MEC entende necessário estimular uma reavaliação das diretrizes curriculares de jornalismo;
3) O MEC avalia que esta discussão independe da votação, pelo STF, da exigência do diploma, e o Ministério não pretende se envolver nesta temática específica: “Nosso problema é de formação, não de exercício profissional”;
4) O Ministério está propondo a formação de uma comissão de especialistas para fazer uma revisão das diretrizes curriculares. Esta comissão seria formada por pessoas com duplo conhecimento sobre o jornalismo: acadêmico e profissional. SBPJor, Fenaj e FNPJ poderiam indicar nomes, a título de sugestão, para compor esta comissão, a qual elaboraria um documento a ser encaminhado ao Conselho Nacional de Educação, que deliberaria sobre as novas diretrizes. Com estas novas diretrizes, o MEC espera ter uma “métrica de qualidade” em jornalismo;
5) O MEC estuda também a possibilidade de adotar uma inovação para os cursos de graduação em geral, instituindo o que ele chamou de “dupla diplomação”: mecanismos para possibilitar que uma pessoa, ao adquirir formação em uma área de conhecimento, tivesse facilitadas as condições para obter uma segunda graduação. Para o ministro, esta fórmula poderia ser aplicada em algumas áreas da graduação, particularmente em jornalismo. A comissão poderia se debruçar também sobre esta temática;
6) Em uma rápida reunião após a audiência, as três entidades avaliaram que a audiência foi positiva e que seria adequado apresentarmos ao MEC a sugestão de uma lista conjunta para a composição desta comissão do Ministério, ressaltando que as indicações tenham um caráter de sapiência no campo acadêmico e profissional do jornalismo e sem um vínculo necessariamente institucional às entidades".

sábado, 25 de outubro de 2008

Vídeo de estudantes de Audiovisual da Unisc é exibido na RBS TV

O vídeo Fome de groove do estudante do Curso de Produção em Mídia Audiovisual Gibran Sirena Teixeira, foi selecionado no concurso Mini-Metragem 2008 da RBS TV. O vídeo de um minuto foi exibido hoje, dia 25 de outubro pela RBS TV (12h20min), para todo o Rio Grande do Sul, antes dos episódios de Histórias Curtas.

Fome de Groove foi selecionado junto com outros sete vídeos por um júri formado por profissionais da RBS TV que irá premiar o Melhor Vídeo de um minuto. Os oito vídeos selecionados ficarão disponíveis para exibição e votação no clicRBS, pela página www.rbstv.com.br/minimetragem até o dia 27 de novembro de 2008. O vídeo mais votado também receberá um prêmio por Júri Popular. Você pode participar da votação, acesse o blog do curta (http://www.fomedegroove.blogspot.com/) e descubra como votar. Os prêmios e troféus serão entregues na festa do Histórias Curtas, no dia 2 de dezembro no Theatro São Pedro.

O vídeo mostra cinco amigos que antes de jantar uma pizza resolvem fazer música de uma forma totalmente criativa, usando os objetos de cozinha como instrumentos musicais. O curta foi produzido pelos estudantes Carine Immig, Daniel Sperling, Gibran Sirena, Janaína Blanco, Juliana Roehrs e Simoni Helfer para a disciplina de Elementos da Linguagem Musical, ministrada pelo professor Gerson Rios Leme. O vídeo também foi selecionado para o 7º Santa Maria Vídeo e Cinema, para o Festival de Cinema CineEsquema Novo, de Porto Alegre e para a Mostra de Curta da PUC Rio (RJ).

Quem perdeu a exibição da RBS pode assistir o vídeo aqui mesmo no Blog. Após assistir não perca tempo e vote no vídeo clicando aqui.

Vídeo SEACOM 2008 - Os Comunicadores em Ritmo de Vida

Hoje postamos o último vídeo produzido para a XIII SEACOM - Semana Acadêmica do Curso de Comunicação Social da Unisc. A SEACOM deste ano teve como tema "Os 200 anos de imprensa no Brasil". No vídeo de hoje, os Comunicadores refletem sobre o ritmo de vida. Assista e comente!



Os vídeos foram produzidos pela Agência A4 - Núcleo de Produção em Mídia Audiovisual, coordenada pelo professor Jair Giacomini. Os acadêmicos envolvidos nos vídeos foram: Allan Monteiro, Carine Immig, Daniel Sperling, Gabriel Tassinari, Gibran Sirena, Natalia Rissi, Sancler Ebert e Vagner Bozzeto.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Em breve mais um Podcast do Unicom


A foto acima é um flagra da gravação de mais um Podcast do Unicom. As responsáveis por ele são essas moças aí de cima, as inteligentes, comprometidas e aplicadas Ana Flávia Hantt e Letícia Mendes (os adjetivos parecem exagerados, mas se fazem necessários e são verdadeiros).

O Podcast que elas vão apresentar é sobre Obituários, ou seja, vai ter muita informação e humor nesse próximo "Pod" do Unicom. Fiquem ligados!!!

Vídeo SEACOM 2008 - Os Comunicadores em Novas Tecnologias

Hoje, mais um vídeo produzido para a XIII SEACOM - Semana Acadêmica do Curso de Comunicação Social da Unisc. A SEACOM deste ano teve como tema "Os 200 anos de imprensa no Brasil". No vídeo de hoje, os Comunicadores refletem sobre como as novas tecnologias mudaram a forma de trabalho. Assista e comente!



Os vídeos foram produzidos pela Agência A4 - Núcleo de Produção em Mídia Audiovisual, coordenada pelo professor Jair Giacomini. Os acadêmicos envolvidos nos vídeos foram: Allan Monteiro, Carine Immig, Daniel Sperling, Gabriel Tassinari, Gibran Sirena, Natalia Rissi, Sancler Ebert e Vagner Bozzeto.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Um pé-de-moleque mais do que gostoso


Resolvi escrever este post para falar de um conteúdo muito específico do último Unicom, a crônica da colega Ana Flávia Hantt. Como em qualquer outro jornal, nem sempre você sabe o que o colega está fazendo ou se sabe, não teve como ler. Então é uma delícia descobrir os textos dos colegas, se surpreender positivamente com cada um. Aconteceu isso com a crônica da Ana.

Comecei a leitura do jornal pelo começo. Capa, página 2 e assim por diante. E já na segunda página, na parte de opinião, fiquei feliz. O texto era muito bem escrito e mais do que isso, era emocionante. Ana estava falando de morte, de pé-de-moleque, mas, sobretudo, da sua Tia Martina.

Um perfil maravilhoso, de uma pessoa inigualável, e olha que eu não conheci a tia da Ana, quer dizer, conheci perfeitamente por meio do texto. Foi uma leitura que me marcou, fiquei por muito tempo pensando na Tia Martina, seus doces e sua relação com a Morte.

Depois de ler um texto tão bom e que me deixou feliz, parti para o restante do jornal. No entanto, a leitura foi totalmente diferente do que seria se eu não tivesse lido a crônica da Ana. Porque eu li cada texto seguinte radiante e lambuzado de pé-de-moleque.

Se você, porventura qualquer, ainda não leu a crônica “A morte come pé-de-moleque”, não perca mais tempo. Tenho certeza que você também vai se deliciar com esse doce... texto.

Vídeo SEACOM 2008 - Os Comunicadores em Grandes Ideais

Hoje, mais um vídeo produzido para a XIII SEACOM - Semana Acadêmica do Curso de Comunicação Social da Unisc. A SEACOM deste ano teve como tema "Os 200 anos de imprensa no Brasil". No vídeo de hoje, os Comunicadores refletem sobre seus grandes ideais. Assista e comente!



Os vídeos foram produzidos pela Agência A4 - Núcleo de Produção em Mídia Audiovisual, coordenada pelo professor Jair Giacomini. Os acadêmicos envolvidos nos vídeos foram: Allan Monteiro, Carine Immig, Daniel Sperling, Gabriel Tassinari, Gibran Sirena, Natalia Rissi, Sancler Ebert e Vagner Bozzeto.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Unicom xerocado

Quando a nossa editora Letícia mandou um e-mail para todos, ainda durante o processo de construção das matérias do Unicom, sobre quem se habilitava a escrever um texto para a Opinião, logo me ofereci. Em parte, porque gosto muito de escrever literariamente, como gosto de dizer. Mas me ofereci para escrever principalmente porque queria homenagear uma pessoa muito especial.

A Tia Martina, a senhora que fazia pé-de-moleques para a Morte, era a irmã mais velha do meu avô. Morava em uma casa de pedras, que havia sido dos seus pais, no interior de Venâncio. Havia criado os quatro filhos sozinha, uma vez que o marido, alcoólatra a havia abandonado. Anos mais tarde, ajudou na criação dos netos, inclusive os postiços, como eu.

Sempre sorrindo, adorava receber visitas. Era brincando na sua casa que eu passava as minhas férias escolares, sempre rodeada de gatos, cães e muitas flores, que ela cuidadosamente mantinha no seu pátio.

Lembro como se fosse hoje do bolo de côco com leite condensado que ela sempre fazia para me esperar. Eu chegava lá e já havia uma forma enorme com um pão-de-ló quentinho, coberto com leite condensado escorrendo para dentro da massa, com côco porvilhado por cima para complementar.

Não havia no mundo alguém que não gostasse da Tia Martina. E foi por isso que a sua irmã, ao ler o Unicom, fez várias cópias do texto para distribuir para os parentes. Dizendo ela, ia levar para os filhos, netos, amigos e conhecidos da falecida senhora. Queria ela que todos tivessem guardado para si o retrato escrito da Tia Martina. Que como diz no texto, agora não precisa mais brincar de esconde-esconde com a Morte.

Que jornal bonito, hein?

Dona Marliese e sua sabedoria de avó

Foi essa frase que a minha vó disse quando lhe entreguei o Unicom. Eu sei que opinião de parente a gente sempre tem de desconfiar, mas a da minha vó eu confio. Não porque ela tem um senso estético apurado, mas porque ela sempre fala a verdade, ela sempre é correta. Ela não é de gastar palavras falando mentiras ou bobagens.

Ela folheou o jornal, olhou página por página e perguntou se podia ficar com aquele. Eu respondi que sim, tinha separado realmente aquele para ela. Ela disse que mais tarde lia e o guardou sobre a cômoda da cozinha. Noutro dia, perguntei se ela já tinha lido o jornal (minha preocupação é que ela achasse apenas o jornal bonito, que não desse bola para o conteúdo), e ela respondeu que tinha lido tudo, tintim por tintim. Falou do que tinha mais gostado, reconheceu algumas das lápides da página do ensaio da Majô, pois eram do cemitério onde estavam enterrados seus pais, meus bisavós.

Disse também que tinha achado bastante útil uma matéria sobre como se vestir em velórios e se queixou que não fizemos uma sobre como se portar em um, porque para ela, cada vez mais as pessoas não sabem como agir num e para que ele serve. "Ficam de fofoquinhas, acham que é reunião de cumadre, e é um momento de dor, de despedida", me explicou sabiamente ela.

Então respirei fundo e perguntei o que ela tinha achado da minha matéria e da Lê. Primeiro que ela me perguntou se era aquela moça bonita, de cabelo bem preto e que já tinha almoçado lá (na casa dela). Eu disse que sim, era essa Leticia. Depois ela perguntou como a Lê tava. Depois perguntou se eu tinha visitado a minha tia que mora em Venâncio (cidade que é cenário da matéria) e por fim deu seu veredicto. Com toda sua humildade, disse que não sabia de jornalismo, mas no que tocava ela como leitora ela tinha gostado, apesar de achar o tema espinhoso demais, porque ele de alguma forma mexia com ela (o porquê é um motivo pessoal que prefiro não detalhar).

Por fim, perguntei onde é que estava o exemplar dela. "Tua tia levou". Contou que minha tia tinha ficado interessada no jornal e havia carregado para o serviço. A vó então pediu que eu trouxesse pelo menos mais dois, para minha madrinha que é vizinha dela e queria ter um e para o meu tio, que não pôde terminar de ler. Eu tirei da minha pasta um exemplar que tinha e entreguei a ela. "Esse vou guardar junto dos outros".

Então ela se levantou, foi até o seu quarto e colocou o Unicom junto a uma pilha de outros jornais e páginas recortadas. "Teus trabalhos estão todos aqui, até aquele texto da depilação. A vó guarda, quando alguém vêm visitar, a vó mostra". Não tive outra reação a não ser abraçá-la, enquanto mirava a pilha, e pensei: "espero que um dia, a dona Marliese tenha de comprar um armário novo, para colocar o resto das pilhas que ainda se formarão."

Vídeo SEACOM 2008 - Os Comunicadores em Jornal vs. PP

Hoje, mais um vídeo produzido para a XIII SEACOM - Semana Acadêmica do Curso de Comunicação Social da Unisc. A SEACOM deste ano teve como tema "Os 200 anos de imprensa no Brasil". No vídeo de hoje, os Comunicadores discutem a rivalidade entre os jornalistas e publicitários. Assista e comente!



Os vídeos foram produzidos pela Agência A4 - Núcleo de Produção em Mídia Audiovisual, coordenada pelo professor Jair Giacomini. Os acadêmicos envolvidos nos vídeos foram: Allan Monteiro, Carine Immig, Daniel Sperling, Gabriel Tassinari, Gibran Sirena, Natalia Rissi, Sancler Ebert e Vagner Bozzeto.

Dia Internacional da Animação será na terça

Em Santa Cruz do Sul, a mostra do Dia Internacional da Animação acontece no dia 28 de outubro, próxima terça-feira, na Casa das Artes Regina Simonis. O evento se inicia às 19h30min, tem entrada franca e aberta, e conta com a exibição de duas horas de filmes, com curtas-metragens estrangeiros - coreanos, americanos, poloneses, portugueses, franceses e russos - e nacionais. O evento acontece em diversos países nesse mesmo dia e horário e há três anos, Santa Cruz também faz parte do circuito. Na cidade, quem organiza a mostra é o curso de Comunicação Social, a Associação dos Amigos do Cinema, a Pró-cultura e a Taos.

O evento tem como principal objetivo difundir o cinema de animação atraindo novos públicos, proporcionando aos seus expectadores o acesso à arte cinematográfica. A data foi escolhida porque foi nela que, em 1892, foi realizada a primeira pública de imagens animadas no mundo, a partir de Paris. Foi para comemorar esta data que a Associação Internacional do Filme de Animação (ASIFA) lançou o evento, contando com o apoio de diferentes grupos internacionais filiados. Em 2008, o Dia Internacional da Animação está sendo realizado em 51 paises que farão intercâmbio de suas mostras.

No Brasil, o Dia Internacional da Animação é organizado pela Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA). Este ano, o DIA – como é chamado - conta com mais de 150 cidades participantes em todos os Estados brasileiros e no Distrito Federal. A Mostra é o maior evento simultâneo do gênero no país. Este ano, na mostra nacional estão dois filmes gaúchos, X Coração, com direção Lisandro Santos, e Primogênito Complexo, de direção Tomás Creus e Lavinia Chianelo. Os filmes curtas-metragens brasileiros também serão enviado para os 51 países integrantes da ASIFA.

Informações exibição Sta Cruz: José Arlei Cardoso (9996-8298) e Curso de Comunicação Social (3717-7383).

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Baixe Unicom - As Faces da Morte

Você já pode baixar a versão em PDF do mais novo Unicom: As Faces da Morte. Basta clicar na imagem abaixo ou na imagem na coluna ao lado. Boa leitura! E não esqueça de comentar.

Vídeo SEACOM 2008 - Os Comunicadores em Preconceitos

A partir de hoje, todos os dias vamos postar um vídeo produzido para a XIII SEACOM - Semana Acadêmica do Curso de Comunicação Social da Unisc. A SEACOM deste ano teve como tema os 200 anos de imprensa no Brasil e os vídeos abordam questões atuais que envolvem a Comunicação. Misturando entrevistas com profissionais das quatro habiltações do curso e personagens ficcionais, os vídeos trazem humor e discutem o mercado de trabalho.

Como nem todos puderam assistir os cinco vídeos e quem não é do curso também não assistiu, esta é a chance. Para estrear, os Comunicadores discutem os preconceitos que cercam as 4 profissões. Assista e comente!



Os vídeos foram produzidos pela Agência A4 - Núcleo de Produção em Mídia Audiovisual, coordenada pelo professor Jair Giacomini. Os acadêmicos envolvidos nos vídeos foram: Allan Monteiro, Carine Immig, Daniel Sperling, Gabriel Tassinari, Gibran Sirena, Natalia Rissi, Sancler Ebert e Vagner Bozzeto.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Amanhã é dia de Unisc no Programa do Jô


A participação dos alunos de Comunicação Social da Unisc no Programa do Jô ira ao ar na próxima quarta-feira, 22/10. Um grupo de 32 alunos e dois professores estiveram em São Paulo no talk show do apresentador Jô Soares, da Rede Globo, em setembro, quando foram platéia de dois programas. O primeiro, foi ao ar ainda em setembro, no dia da gravação, e outro será exibido esta semana.

Os professores Veridiana Mello e Jair Giacomini organizaram a ida de alunos de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas e Produção em Mídia Audiovisual a capital paulista nos estúdios da Rede Globo. A visita de estudos teve o objetivo de acompanhar a produção de um grande programa de auditório da maior emissora de Tv do país. O grupo também visitou, em São Paulo, a emissora de rádio CBN, uma das maiores especializadas em notícias do Brasil.

No Programa do Jô da próxima quarta-feira, os convidados serão o locutor volante Adhemir Fogassa, que grava comerciais para caminhões e kombis que vendem produtos de casa em casa, e o ator e humorista Paulo Gustavo, que faz sucesso com a peça teatral Minha Mãe é uma Peça. Os dois contam suas histórias de uma forma muito engraçada para um Jô Soares que também saber fazer rir. A atração musical fica por conta do Grupo Vernon Neilly. O programa vai ao ar após o Jornal da Globo.

Viagens de estudo a meios de comunicação e eventos da área fazem parte da formação do acadêmico e são realizadas anualmente pelos acadêmicos da Comunicação. No ano passado, alunos participaram do programa Altas Horas, com o apresentador Serginho Groismann, da Rede Globo. Todo ano, os alunos também participam de um intercâmbio em uma universidade de Portugal, vão ao Festival de Cinema de Gramado e ao Gramimado (festival de cinema de animação).

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

E o Unicom circula...


Esse post é para complementar o do Pedro. Já que hoje pela manhã não conseguimos tirar um retratinho dos nossos colegas e professora (que como bem lembrou o Pedro, não é da comunicação) mui interessados na leitura do Unicom, posto agora a fotinho da minha colega Cíntia, captada ainda hoje à tarde, no momento em que lia (e elogiava) o nosso jornal.


Quero falar também que fiquei bem feliz em ter o Unicom nas mãos, porque o gostinho de ter feito parte de todo o processo é muito legal. É diferente de ser apenas leitor.


E para terminar, deixo escrito aqui o que respondi para o professor Demétrio quando me perguntou o que eu achei do nosso jornal: "eu só posso dizer que está lindo"!

Comentários

Mais legal do que ter o Unicom pronto é ver ele passando de mão em mão, recebendo a atenção dos olhos de amigos. Pelo menos foi assim na minha turma, hoje de manhã. Bastou avisar um pessoal que o jornal estava pronto e à disposição na coordenação, que em poucos minutos havia vários exemplares circulando pela sala, inclusive na mesa da professora, que nem é do nosso departamento mas fez questão de ficar com um (eu e a Ana Flávia tentamos registrar a cena, mas não conseguimos).

Já ouvi vários comentários - nenhum muito aprofundado, é claro, por uma questão de tempo. Elogios para a diagramação não faltam (e nem devem porque, cá entre nós, ficou show de bola mesmo). Mas, mais do que isso, as pessoas parecem estar adorando encontrar o Zé do Caixão entre as páginas. E já percebi que as matérias do "quanto custa morrer" e "a face fashion dos velórios" também estão chamando muito a atenção.

Agora há pouco uma colega me confidenciou: "Achei um dos melhores Unicons dos últimos tempos". Meus pais também adoraram, mas a professora Ângela me ensinou a não tomá-los como referência (porque eles sempre adoram).

Enfim, escrevo para dizer que acredito que mandamos bem, pessoas! Parabéns a todos!

Ah, também ouvi o seguinte comentário hoje pela manhã: "Que jornal lindo é esse nas tuas mãos?". Mas esse não vale porque saiu da boca do nosso irônico professor Demétrio...

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

O Unicom chegou...



Sim, é isso mesmo. Acabamos de receber as caixas com a mais nova edição do Unicom. Aí está ele nas mãos da nossa primeira leitora. Agora é, mais uma vez, esperar para ver os resultados. O jornal está disponível na Coordenação do Curso. Espero que gostem.

Pessoal

A escolha deste título não foi por acaso. Já perdi a conta de quantas vezes enviei emails que sempre iniciavam assim... "Pessoal, preciso das fotos"... "Pessoal, temos reunião amanhã"... Enfim, depois de tantos "pessoal", chegamos ao dia em que o Unicom deve sair do forno. Segundo o Gelson, ainda hoje a tarde o jornal deve estar nas nossas mãos. Isso aumenta a ansiedade.

Ontem à noite, pela primeira vez, perdi o sono ao pensar no Unicom. Saber que hoje veremos o resultado desse grande trabalho me deixou nervosa. Sei que, por certo, o jornal está muito bom, mas a insônia veio ao pensar que mais do que nunca ele tem que estar mais do que muito bom. Afinal, roubando as palavras do Demétrio, um prêmio é só o início e nos dá a obrigação de manter algo que já estava bom e, de sobra, evoluir. E com o sono perdido os pensamentos foram mais longe.

Lembrei também que esta deve ser a última edição do Unicom que passa pelas nossas mãos, afinal, eu e muitos outros que fazem parte desta equipe, estamos a espera da formatura, e isso, com certeza, dá um sabor especial a esta edição. Espero que os próximos responsáveis pelo Unicom percebam que este jornal recebeu prêmios sim, mas, mais do que isso, ele foi feito com muito empenho, dedicação e vontade de melhorar sempre! É isso, espero não ter sido melancólica demais, mas me dêem um desconto eu dormi poucas horas esta noite. Agora é esperar....

Ele está chegando...


Como em todas as outras vezes, o mesmo sentimento, o mesmo friozinho na barriga, o mesmo sentimento de ansiedade em ver o jornal impresso, de tê-lo na mão, ver os outros lendo e comentando. É nesse momento que nosso trabalho se completa, quando os outros lêem, quando o que escrevemos passa ou não a fazer sentido para alguém, que é elogiado ou criticado, porque, como dizia Nelson Rodrigues "toda unanimidade é burra!".

Agora é hora de aguardar a chegada dele, do nosso Unicom.

Porque como eu já disse: "A morte chega em outubro!". E a morte nunca esteve tão bela, diga-se de passagem.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Medo da morte..



Ok, ok.. já que estamos falando de morte.. vamos falar então do medo de morrer..

Muitas pessoas tem medo de morrer. Com medo de deixar suas vidas, as pessoas que amam e simplesmente, morrer. Este assunto sempre foi interessante para mim. Pois não tenho medo de morrer. Um dia eu disse isso para uma amiga, e ela me deu uma resposta que me fez pensar. “Você não tem medo de morrer, por que não tem filhos, se tivesse, teria medo de deixá-los, antes de vê-los crescer”. Neste momento, eu parei para pensar no assunto. Será que estou sendo egoísta? Quando simplesmente não tenho medo de “ir embora”? Não sei. Talvez eu tenha um dia. Mas agora, tenho mesmo é curiosidade de saber o vai acontecer, para onde vou, ou melhor se vou para algum lugar. O que sinto não é medo de morrer e sim que as pessoas que estão ao meu redor morram. Simplesmente a idéia de perder algumas pessoas me assusta. Neste sentido sim, eu tenho medo, quando percebo que posso perder pessoas queridas. Mas já conversei com amigos que entram em pânico, só de pensar na palavra morte, em “passar dessa para melhor”, “bater as botas”, “subir no telhado”, “ficar a sete palmos do chão” e por aí vai. (hehe)..

Para melhor compreensão, procurei no dicionário a palavra "Morrer", e o que pude perceber é existem vários significados: Perder a vida; exalar o último suspiro; falecer, finar-se, expirar, fazer ablativo de viagem, perecer. 2.Extinguir-se, acabar(-se), findar. 3. Afrouxar gradualmente; desaparecer 4. Perder (a planta) a cor e o vigor; estiolar-se. 5. Ficar suspenso; interromper-se. 6. Ficar no esquecimento; perder a eficácia. 7.Terminar, acabar, findar. 8. Perder o movimento. 9. Perder o brilho; tornar-se menos vivo.

Pode parecer meio “mórbido”, mas um assunto como este, que assusta muitas pessoas, me fascina. Pois na verdade o que dá mais medo, não é só o fato da morte , mas por ser algo desconhecido.

Além disso, muitos dos símbolos que rodeiam a morte também são muito interessantes. Velas, anjos, o caixão, a mortalha (roupa usada pelo morto), roupas pretas e crucifixos. Tudo isso faz parte dos rituais de morte. Talvez as pessoas não tenham parado para pensar nisso. E por muitos séculos a morte foi vista de formas diferentes. Em alguns lugares a morte era quase “banal”, já que doenças dizimaram milhões de pessoas (como no caso da peste negra na Idade Media).

A questão é que a morte sempre fará parte da vida. E o negócio é aproveitar os melhores momentos, e procurar aqueles que fazem a gente se sentir ainda mais vivos. Porque depois, amigo, já era...

sábado, 11 de outubro de 2008

O Unicom vai matar a pau

Brava gente brasileira: o trabalho de parto se iniciou e, pelo que me adiantou o Gelson, na quarta a cria deve estar entre nós. Considerem a capa um aperitivo. No geral, ficou bem bom o Unicom, com um grande - e maduro - trabalho gráfico imagético, o que custou alguns fios de cabelo do Gelson na última semana: capa e contra dialogando entre si e com o conjunto. Uma vez mais o Lázaro está de parabéns. Quanto ao conteúdo, penso que conseguimos falar de algo pesado (a morte) de forma tranqüila, sem maiores estresses. Gratulações a todos, portanto.
Bueno, chega de trololó. Assim que o jornal estiver circulando a gente se reúne para avaliar a edição.
Os merecidos créditos:
Editora: Letícia Mendes; Produção: Daiane Balardin, Marisa Lorenzoni, Utaipã Rodrigues, Vanessa Britto e Viviane Moura; Reportagem: Ana Flávia Hantt, Daiane Balardin, Guilherme Mazui, Heloísa Letícia Pool, Josiléri Linke Cidade, Letícia Mendes, Majô Schwingel, Pedro Garcia, Rozana Ellwanger, Raisa Machado, Sancler Ebert, Vanessa Kannenberg: Revisão: Josiléri Linke Cidade, Marisa Lorenzoni, Rodrigo Nascimento; Diagramação: Débora Vogt, Gelson Pereira, Vanessa Kannenberg; Direção de arte: Gelson Pereira, Lázaro Fanfa; Ilustrações: Amanda Mendonça; Fotos: Márcia Melz, Marisa Lorenzoni e Raisa Machado; Logotipo: Samuel Heidemann.
Abraço a todos, bom descanso e bom final de semana.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Podcast do Unicom: Como você quer morrer?


Enfim a estréia do primeiro Novo Podcast do Unicom!! Coube a senhorita Heloísa Poll a função de produzir e viabilizar o podcast. Com o tema "Como você quer morrer?", o novo podcast traz informação, diversão e música para você... Tem enquete, matéria e um clima super bacana (apesar do tema...) Então chega de falação, baixe agora e ouça o PODCAST DO UNICOM!!

Para baixar o PODCAST, clique aqui.

Em breve tem mais... Aguarde!!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Que passem os dias...


O Pedro e a Vanessa já disseram que estão contando os dias para ter o Unicom nas mãos. Bom, eu também conto os dias, mas não é só pelo Unicom. Tenho uma viagem marcada para o mês que vem, falta pouco para as aulas acabarem, terei férias em janeiro e, principalmente, vem o Natal e o Ano Novo, que são datas que eu amo!


Nos últimos tempos, tenho repetido um mantra que é mais ou menos assim: na quarta eu digo que é só passar hoje que já vem a quinta, e quando passar a quinta já é sexta. Nos dias seguintes, apenas vou trocando os dias. Outra coisa que repito freqüentemente pra mim é que quarta-feira que vem já será metade do mês, e que daí só falta mais a metade para chegar novembro...


E assim eu vou indo, ansiosa, esperando, esperando, riscando as datas no calendário...


Só que eu me pergunto: por que tanta pressa? Os anos vão passando, daqui a pouco eu tenho 30, tenho 40, tenho 50 e aí? A vida já passou... só o que vai restar é... a morte! (Porque afinal de contas é a única certeza...)


Mas mesmo sabendo de tudo isso, não posso deixar de riscar os numerozinhos do meu calendário...


P.S.: Não é por menos que tenho três na minha mesa...

As piores morte no cinema

Encontrei no You tube um ranking com as 25 piores mortes no cinema, acredito que existam outras para colocar nessa lista, ainda piores. Mas vamos dar uma conferida nessa, enquanto não faço a minha... Ah, um aviso: prepare seu estômago...

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Não vejo a hora

Não sei quanto ao resto da turma - imagino que o pessoal que participou da produção de edições anteriores do Unicom já tenha superado isso - mas eu estou muito, muito ansioso para ter o nosso jornal em mãos. É até estranho, pois mesmo sendo estreante no grupo, não sou exatamente um marinheiro de primeira viagem. Já tive oportunidade de publicar material de minha autoria em outros espaços. Esse Unicom, porém...não vejo a hora!

Talvez seja simplesmente por ter sido chamado para participar, o que me deixou entusiasmado e orgulhoso. Talvez seja por ter adorado a temática escolhida e as pautas sugeridas logo na primeira reunião. Talvez seja em função da batalha minha e da Vanessa para manter viva a nossa pauta inicial - vocês conhecem a história - que acabamos não vencendo, pelo menos para essa vez. Talvez seja por termos conseguido sacar nosso plano B. Talvez seja por termos atingido as minhas expectativas em relação ao texto que, na minha opinião, ficou bem bacana. Talvez seja por ter ficado encantado com a diagramação, quando a vi na semana passada.

Talvez seja por tudo isso, mas a verdade é que eu não vejo a hora.

E os que querem ajudar a aliviar minha ansiedade, me respondam...já temos previsão de quando será a hora?

Isis está de volta e com provas!


Isis enviou um novo email dizendo estar com várias provas em mãos. E mais, disse que vai nos entregar em mãos essas provas, para tanto marcou um encontro amanhã. Irei para ver o que ela quer, quero descobrir quem é ela e ver de uma vez por todas as provas que ela diz possuir.

Replico abaixo o email:

Estou viva, muito viva aliás. E melhor ainda: com provas. Isso mesmo no plural. Elas quase custaram a minha vida, mas agora tenho em mãos provas de que estão armando contra vocês. Mas quero entregá-las em mãos. Sugiro que um de vocês me encontre no local citado abaixo, para que eu faça a entrega das provas. Não tenham medo.

Aguardo vocês, amanhã, quinta-feira, as 11 da manhã no cemitério municipal, aquele próximo da Unisc. Vocês vão me recocnhecer quando chegarem lá.

De volta a ativa!

Isis.

Amanhã é o grande dia... Aguardem...

sábado, 4 de outubro de 2008

A Morte vem para o jantar

No filme "O Sentido da Vida" do grupo de humor Monty Python a Morte em pessoa bate na porta de uma casa na hora do jantar. O resutado você confere no vídeo abaixo. Infelizmente o vídeo não é legendado... mas vale a pena de qualquer forma...

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Burocracia!! Burocracia!!!


A matéria que escrevi junto da Letícia com o tema suicídios rendeu alguns textos aqui no Blog. Já escrevi sobre o momento certo de publicar a matéria, sobre escrever a quatro mãos, sobre a importância do tom e sobre como é bom aprender fazendo. Dessa vez resolvi falar de mais uma faceta da produção dessa matéria: a burocracia.

Todo mundo se arrepia só de ouvir a palavra, que segundo o Wikipédia, não é nada mais que "um conceito administrativo amplamente usado, caracterizado principalmente por um sistema hierárquico, com alta divisão de responsabilidade, onde seus membros executam invariavelmente regras e procedimentos padrões, como engrenagens de uma máquina. É também usado com sentido pejorativo, significando uma administração com muitas divisões, regras e procedimentos redundantes, desnecessárias ao funcionamento do sistema".

Você deve estar se perguntando por que precisamos enfrentar a tal burocracia? Simples: para conseguir as estatísticas dos suicídios, nomes, detalhes foi preciso muita papelada. Era fazer ofício, passar fax, enviar cópia da identidade, tinha de falar com o Fulano e com o Beltrano.

Passado mais esse obstáculo, escrevemos nossa matéria. Tempos depois, foi necessário atualizar alguns dados e adivinhe? Mais burocracia!! Mais fax, mais ofício, mais cópia de identidade... Mas, foi bom para aprender, porque durante toda nossa carreira jornalística vamos ter de correr atrás de informações que vão nos forçar a seguir uma burocracia. Mas que é chato, ah, isso é...

Podia ser comigo


Sabe quando os fatos do dia te fazem pensar? Pois é... ontem tive uma destas experiências e, como a temática combina, quero dividir com vocês.

Acordei lépida e faceira (ou nem tanto...) para um novo dia e, ao chegar na cozinha para tomar café, meu pai me avisou que havia sido noticiado no rádio que um grave acidente havia contecido nas RSC 287, em Vera Cruz, onde trabalho.
Bem, agora vem uma parte vergonhosa, certo? Mas não me julguem mal por isso...
Depois da notícia, a primeira coisa que eu disse foi: "Bá, que bom... a gente estava se quebrando atrás de uma pauta que faltava".
Nem preciso dizer que precisei ouvir um longo sermão, no qual, entre tantas frases, esta se destacou: "E se fosse o pai do jornalista que está lá agora, preso nas ferragens?".
De qualquer forma, liguei para a minha colega que cobre polícia (bela maneira de acordar, não é mesmo?), e ela foi bem rapidinho conferir o que tinha acontecido.
Mas não foi só isso... à tardinha, quando voltava para Venâncio, percebi que o trânsito estava lento, mas, como uma carreta se agigantava na frente da minha potente Biz, eu não conseguia vislumbrar o que estava acontecendo. Ao andar mais um trecho, percebi que o trânsito estava parcialmente interrompido porque a equipe da Sul Rodovias estava limpando os restos de um acidente.
Ali sim, o fato mexeu comigo. Porque já era a segunda vez no dia que eu passava naquele trecho. E não foi a primeira. E também não seria a última. Podia ser comigo. Podia ser eu a estar naquela situação.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Vem aí o novo PODCAST DO UNICOM!


Muito em breve vai chegar até você através do blog mais um Podcast do Unicom. Mas dessa vez não vai só um não, e mais: a dinâmica para preparação dele foi diferente dessa vez, porque cada podcast foi feito por um dupla, formado por alguém está a mais tempo no curso e um novato....

Tudo isso para que todos os membros da equipe possam se conhecer melhor e trocar idéias, além de os integrantes da dupla aprenderem um com o outro... Mais a novidade não pára por aí: a estrutura do NOVO Podcast do Unicom é totalmente diferente, vai ser mais informação e diversão para você.

E como atualmente a gente só sabe falar de morte, os Podcast vão trazer mais informações sobre o assunto, com pautas que você não vai encontrar no jornal, exclusivas para você ouvir. Então fique ligado, porque a qualquer momento o NOVO PODCAST DO UNICOM vai entrar no ar!!!

Quer ouvir o antigo, clica aqui!

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Será??


Lendo o post anterior do Sancler, me ocorreu uma coisa. Tenho grandes suspeitas de que sei quem é a Isis. Sério. Ainda não tinha me dado conta, mas algumas coincidências me levam a acreditar nisso.

Há umas duas semanas, estava sentada nas mesinhas do bloco 12 conversando com alguns amigos, alguns, inclusive, integrantes do Unicom. Durante o tempo que ficamos por ali, percebi que havia uma garota loira, de olhos castanhos, que olhava a curtos intervalos em nossa direção. Ela estava sozinha e, junto a ela, apenas uma bolsa de câmera fotográfica!!! Em um dado momento, nossos olhos chegaram a se cruzar e, juro por Deus!, ouve uma espécie de entendimento entre nós.

No entanto, passado aquele instante, voltei a conversar com meus colegas e acabei por esquecer o assunto.

Ontem, outro fato curioso: eu caminhava em direção ao laboratório de foto quando, devido ao vento que soprava junto com a chuva, várias folhas que eu carregava se espalharam pelo chão. Algumas delas, inclusive com anotações dos meus entrevistados para a matéria do Unicom.

Irritada, juntei rapidamente o meu material espalhado, e, quando levantei, percebi que aquela mesma garota loira, de olhos castanhos, estava sentada em um dos bancos localizados junto ao bloco 15. Sem lhe dar importância, segui meu caminho.

Hoje, organizando meu material, percebi que faltava uma das folhas... justo a que continha o original da matéria, na íntegra...

Agora, resta saber: aquela será mesmo a Isis?

Aprender fazendo


Como você já deve ter lido aqui, aqui e aqui (pelo menos é o que espero) nesse próximo Unicom eu e a Leticia vamos falar sobre suicídio, um assunto, digamos, espinhoso. Você já imaginou como é parar uma pessoa para falar sobre suicídio, saber se ela tem um parente que já cometeu um... perguntinhas básicas, não é? Não foi nada fácil, foi preciso muito tato, muito feeling diriam alguns.

Foi preciso descobrir como fazer isso, assim como tivemos de aprender na hora de abordar as prostitutas e travestis dessa outra matéria aqui. Por isso é importante buscar sempre fazer coisas diferentes, porque cada nova matéria nos ensina alguma coisa. Em cada uma aprendemos como apurar as informações.

Nas primeiras entrevistas que fazíamos não tínhamos certeza de como abordar as pessoas, como formular as perguntas, tudo parecia impossível e complicado demais. Mas passadas as primeiras, a gente foi vendo o que dava certo, percebendo a melhor maneira de abordar as pessoas, a melhor forma de perguntar...

Depois de uma tarde percorrendo ruas e abordando pessoas, tínhamos nossa matéria praticamente pronta, o que precisávamos de mais importante estava ali conosco. E foi importante aprender fazendo... Em breve você confere o resultado no Unicom!

Aniversário de Isis e silêncio total


Sábado, a misteriosa Isis fez aniversário, de acordo com a data que ela colocou no Orkut. Mas escrevo para dizer que desde o último vídeo dela, nada mais veio. Nenhum email, nenhuma mensagem, nem vídeo, nem foto: nada!

O que terá acontecido com ela? Será que pegaram ela quando tentava a tal prova que nos faria acreditar cegamente nela? Será que ela era apenas uma louca brincando com a gente? Parece que nunca saberemos essas respostas... Nem ao menos sabemos a sua verdadeira identidade...

Por enquanto o mistério continua... e cada vez mais aumenta....

De qualquer forma: Parabéns Isis!!! Ou seja lá qual for o seu nome!!!

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Unisc conquista três prêmios no SET Universitário

Melhor Projeto Gráfico - Jornal

Melhor publicação impressa - Jornal

Os alunos do curso de Jornalismo da Unisc fizeram bonito na 21ª edição do SET Universitário da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, que se encerrou na quarta-feira à noite, com a divulgação dos vencedores da Mostra Competitiva.

O Unicom, jornal-laboratório do curso de Jornalismo da Unisc, recebeu dois prêmios: a edição de maio de 2008 foi escolhida como o melhor Projeto Gráfico – Jornal, enquanto que a edição de julho de 2008, como a melhor Publicação Impressa – Jornal. As duas edições foram desenvolvidas na disciplina de Produção em Mídia Impressa, ministrada pelo professor Demétrio de Azeredo Soster.

O Jornalismo da Unisc também foi o vencedor da categoria Rádio Web, por meio do projeto Caixa Preta, desenvolvido pelas alunas Josileri Link Cidade e Daniela Azeredo, da disciplina de Estágio Supervisionado, ministrada pela professora Fabiana Piccinin.

No ano passado, a Unisc já havia conquistado o prêmio Reportagem de Rádio, com o trabalho Fantasma na Prefeitura, da aluna Silvana Daniela Sehnem, na disciplina de Técnicas de Reportagem, ministrada pelo professor Demétrio de Azeredo Soster.

O SET Universitário da PUC é um evento que estimula a troca de experiências entre alunos, professores e profissionais das áreas de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas, Produção Audiovisual, Cinema e Vídeo. Realizado desde 1988 pela Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da Pucrs, nessas duas décadas tornou-se uma referência para estudantes e profissionais. Participam trabalhos dos três estados do Sul do Brasil.
Mais informações podem ser obtidas por meio do site oficial do evento: http://www.pucrs.br/famecos/set/



quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Velório para chorar de rir


Quando comecei a trabalhar minha pauta para este Unicom confesso que fiquei com um pouco de medo. “Morte” parecia ser uma palavra tão assustadora. Eu temia a reação das pessoas diante do assunto. Será que elas não iriam se fechar quando meus questionamentos iniciassem? Mesmo assim, cheia de receios, segui em frente.

Com o tempo, percebi que a morte foi um tema que me proporcionou momentos muito divertidos - claro, dentro dos limites. A cada entrevistado eu arrecadava mais uma piada sobre o mundo dos mortos, sem falar que desenterrava inúmeras risadas. E ainda pude ouvir a memorável frase do dono de uma empresa funerária, Edson Halmenschlager enquanto mostrava o interior de um caixão: “Viu? Dá até vontade de morrer”.

Foi nesse espírito de descontração que lembrei, num dia desses, de uma cena que aconteceu anos atrás em um velório. Sabem aquelas histórias ou fatos que fazem você rir bem na hora que todos estão cantando emocionados com o padre ou pastor? Pois é, foi isso que aconteceu comigo. Não lembro muito dos detalhes, mas foi num dos inúmeros velórios de parentes que eu nunca vi na vida.

Eu, meu irmão e minha tia estávamos ouvindo, muito sérios, o pronunciamento do representante da Igreja. As pessoas mais próximas do falecido estavam aos prantos. Nisso, uma mulher resolveu depositar, com todo carinho, um vaso de flor aos pés do caixão. Como sempre observo os gestos alheios, vi que a saia que ela usava se alargou. Com isso, tudo o que estava por baixo dos panos – principalmente a calcinha vermelha que tentava, desesperadamente, tapar o enorme traseiro – pôde ser conferido. Lembro que olhei para os lados e, para minha infelicidade, meus companheiros também viram.

Segurar o riso não foi fácil. Eu não via a hora de sair daquela sala. Por que a mulher não escolheu outra roupa para ir aos atos de encomendação? Por que eu precisava estar ali bem naquele momento? O defunto que me desculpe, mas aquele enterro foi inesquecível. Até hoje tenho que rir quando me lembro da situação. Pelos menos aprendi uma coisa. Quando estiver num encontro fúnebre, fique o mais longe possível das pessoas que te entendem até pelo olhar. Jamais olhe para os lados e leve um lenço, para tapar o riso, caso ele comece a ressuscitar.

O premiado UNICOM...



Pessoal, nosso mega UNICOM ganhou dois prêmios no SET Universitário desse ano.

Um na categoria Projeto Gráfico de Jornal Impresso e outro como Jornal Impresso.
Parabéns para nós todos, especialmente ao Gelson querido que fez de um tudo para que o UNICOM ficasse "mara".

Para quem não acredita nesse que esse "furo" de reportagem é verdade, pode acessar mo link abaixo e ver com seus próprios olhos, "que a terra um dia há de comer..."

http://www.pucrs.br/famecos/set/vencedores_2008.htm

Um abraço a todos, saudades do tempo de aluno...

Primeiro encontro

No processo de produção de um veículo impresso o pessoal da diagramação sempre é o último a pegar na bola, ainda que esse processo esteja cada vez menos linear. Pois bem, na tarde dessa segunda-feira a bola chegou em nossos pés.

Falo “nossos” por que esse humilde diagramador aqui trocou a solidão de um quarto escuro nas madrugadas de sábado, ao som de sambas de Cartola, pela companhia de duas jovens (não me entendam mal, a solidão aqui se restringe a termos estritamente profissionais, até porque essas duas jovens são comprometidas e até dizem que uma delas está grávida).

Num encontro na biblioteca da Unisc, demos início ao trabalho de montagem das páginas. Esse é um modo de trabalho novo para mim. Já trabalhei em dupla na diagramação, mas em trio é a primeira vez.

Temia pelo que poderia acontecer, já que tenho obsessão pela organização na produção das páginas, e um arquivo passando por três pessoas, cada um com seu modo de trabalho, pode ser complicado. Ainda bem que o medo passou rápido, foi só iniciar a conversa e deu para perceber que elas também primam pela organização. O trio começou afinado e espero que assim continue, já que temos outro grande projeto pela frente, a revista Exceção.

O primeiro gol está prestes a sair e espero que seja um golaço.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Novidades do Unicom

O Unicom tá na capa da gaita. Os textos já foram revisados e já passaram para a diagramação. O jornal da morte está para sair do forno, ou melhor, ir para a gráfica. Na última segunda-feira, eu e a Débora tivemos aula com Gelson Pereira (vale como horas complementares?) na biblioteca da Unisc. Gelson demonstrou-se um professor de mão-cheia. Mais do que um expert em diagramação, o cara ensina como ninguém.
Faltam algumas páginas a serem diagramadas e, principalmente, a revisão final, tanto da diagramação quanto do texto. No mais, o que posso adiantar é que o jornal está ficando lindo, em todos os sentidos. AGUARDEM!

URGENTE: Formandos Comunicação 2009/1


A Comissão convida os interessados em se formar em agosto/setembro de 2009 a entrar em contato pelo email comunicacao2009.1@gmail.com, uma vez que, até 02 de outubro é o prazo para inserção de novos membros na lista de formandos.

Por enquanto a lista é formada por 19 acadêmicos, e se assim continuar, a colação será feita junto de outro curso da Universidade, uma vez que, são necessários 25 alunos para que um curso faça sua colação sozinho. Após o prazo, será sorteado a data da formatura e mesmo que sejam inseridos novos membros, a formatura será conjunta com outro curso, por isso é importante que os interessados entrem em contato o mais rápido possível.

Qualquer dúvida procurar os acadêmicos: Daiane Balardin, Roseane Ferreira, Sara Reginatto, Aline Motta e Lucas Machado.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Assista hoje ao Programa do Jô!!


Hoje a noite, já vai ao ar o primeiro programa com a participação dos acadêmicos da Unisc. A gravação de dois programas aconteceu hoje a tarde e agora à noite, um deles já vai ser exibido.


Relembrando a informação: Um grupo de 31 alunos e dois professores do curso de Comunicação Social da Unisc foram para São Paulo para participar das gravações do programa do Jô, da Rede Globo. O grupo participa de dois programas do apresentador Jô Soares. Além disso, em São Paulo, eles visitam a rádio CBN, especializada em jornalismo. Acompanham os alunos os professores Veridiana Mello e Jair Giacomini.

Fiquem espertos

De 13 a 17 de outubro de 2008, no câmpus universitário da Universidade Federal de Santa Maria, ocorrerá a 33ª Semana de Comunicação da UFSM, e o 1º Prêmio Anual de Comunicação (PANC). A 33ª edição da Semana de Comunicação dos Cursos de Comunicação Social da UFSM traz como tema “Comunicação, Mercado e Políticas Públicas”, Esse enfoque, por meio do olhar comunicacional, contempla, por um lado, a vontade dos acadêmicos de pensar o(s) mercado(s) que o(s) espera(m) após a graduação e, por outro, a sintonia com diversos acontecimentos nas esferas pública e política próprias de nosso período.
Ao efetuar sua inscrição no evento, o aluno participará da Conferência de Abertura, dos dois Painéis sobre o tema central da Secom, de atividades específicas em cada área da Comunicação Social (Jornalismo; Publicidade e Propaganda; e Relações Públicas), de diversas oficinas, de Comunicações Orais (como ouvinte ou apresentador) e da Cerimônia, Coquetel e Festa de Encerramento.
Prêmio Anual de Comunicação
Quem se inscrever também poderá participar do 1º PANC (Prêmio Anual de Comunicação), composto de 28 subcategorias, e aproveitar as atividades culturais, o CurtaFacos (audiovisual) e também as festas. As inscrições para o evento podem ser feitas pelo site da Semana (www.ufsm.br/secom2008) por meio do preenchimento da ficha de inscrição e pagamento no valor de 40 reais, que já inclui a inscrição no PANC e a festa de encerramento. Quem necessitar, pode também solicitar alojamento gratuito pelo site. Mais informações pelo site (www.ufsm.br/secom2008), e pelo e-mail dacom2008@gmail.com.

sábado, 20 de setembro de 2008

Mexe com quem tá quieto?


Todo mundo adorou a escolha do nosso tema: morte. O que nós não sabíamos é que mexer com ela poderia ser perigoso. Quer saber o porquê? Veja a lista de "incidentes" abaixo:

1º - Nossa colega Marisa Lorenzoni sofre um acidente e seu carro vai parar embaixo de um caminhão.

2º Do nada, eu fico gripado e de cama.

3º Uma tal de Isis surge e diz que estamos sendo seguidos e corremos perigo.

4º Pedro é quase atropelado por uma caminhote suspeita

5º Eu e Vanessa Britto não conseguimos nenhuma fonte para nossa matéria porque a maioria está doente ou morrendo...

6º E a mais recente: nossa fotógrafa Márcia Melz é mordida por um ROTWEILLER (correção do Demétrio) e corre o risco de perder a perna....

É, como diz aquele ditado "Mexe com quem tá quieto", nesse caso, morto??

Vamos lá pessoal, listem o que aconteceu de ruim com vocês depois de mexer com "ela"...

Momento de desfofoquear

Desculpem-me a invenção do novo verbo que acabei de criar, mas vim aqui desfofocar. Gente, eu não estou grávida. Optei por iniciar o post com essa frase para deixar isso muito claro. Para os que não estão entendendo porque eu vim até aqui para dizer isso, vou explicar-me. No dia 17 de setembro, voltei a freqëntar às aulas, depois de quase uma semana de "férias". nesse dia, como de costume, fui de carona para a Unisc com nossa querida fotógrafa do Unicom, Marisa Lorenzoni. E não é que, para minha surpresa, ela me conta que há pessoas pensando que fui a São Paulo por estar grávida???? Fofocas, fofocas. Não fiquei brava nem nada. Dei é risada.

Não é muito comum quando se tratam de fofocas, mas eu descobri como e a partir de quem surgiu essa história. Prof. Demétrio de Azeredo Soster. Sim, ele é o grande culpado. Na verdade, ele dividi a função de "grande culpado"com a minha querida dupla Pedro Garcia.

A novela é o seguinte: estava eu doente e não faltei algumas aulas e também uma reunião do Unicom. Prof. Demétrio pergutou o motivo da minha ausência e o Predo falou que eu estava adoentada. Eis então, que o prof. concluiu que eu estava grávida. Logo depois, vieram as minhas mini-férias e fui viajar. O destino era Campinas e o objetivo era visitar meu namorado, que mora lá. Apenas isso, nada mais. No entanto, faltei mais alguns dias acadêmicos e, penso eu, que estranharam a minha falta. Sancler Ebert, o onipresente, perguntou ao Predo por onde eu andava. Meu adorável colega respondeu que eu estava viajando. Até ai tudo bem. O problema é que ele foi mais longe. Disse que eu havia ido porque estava grávida, que ia morar em São Paulo e etc. E foi isso.


Espero que tenha ficado claro o real acontecido. Gostaria de pedir aos meus colegas jornalistas, Demétrio e Predo, que venham até aqui e expliquem-se. Peço desculpa por desapontá-los e desmentir a fofoca. Não tirarei licença maternidade e participando do Unicom e da Exceção. Sinto muito, mas vocês não vão se livrar tão fácil de mim : )

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Um blog que é uma EXCEÇÃO


O Blog do Unicom acaba de ganhar um irmão. Isso mesmo que você leu. Nasceu no dia 28 de agosto, o blog da REVISTA EXCEÇÃO. Mas só agora ele está sendo "batizado" ou melhor, apresentado a você. O professor Demétrio que é o orientador de ambos projetos (Unicom e Exceção) é quem abriu os trabalhos lá no blog e explica bem o espírito da Exceção, como uma revista "movida fundamentalmente pelo que é novo, diferente; e que foge, portanto, como o diabo da cruz, do que é igual, do que é modelo pronto, regrinha pronta".

Pronto para acompanhar mais um projeto bacana? Então entre no blog e coloque no seus Favoritos, só não vale deixar o Unicom de lado!


A morte da vaquinha


Já que estamos falando em morte, um caso pra lá de inusitado tem sido o comentário geral na pacata Sinimbu. A morte de uma vaca anda agitando as conversas das titias, dos homens nos botecos e até nos enterros (um grande evento social em um município com pouco mais de 10 mil habitantes).


A história teria tudo para ser bonita se não fosse o fim trágico. Duplamente trágico. Na quinta-feira passada, um bezerro recém-nascido, ao tentar beber água, na beira do rio foi levado pelas águas. As fortes chuvas da semana contribuíram para que a correnteza fosse ainda mais violenta. A mãe, ou seja, a vaca (deve ter sido por um ato maternal) entrou no rio tentando salvar o filhote. Tragicamente, os dois não conseguiram vencer a fúria da água e foram arrastadas pela correnteza, morrendo afogados.


Na sexta-feira, moradores próximos a escola Carlos Hoppe em Rio Pequeno acionaram a Secretaria de Obras para solicitar a retirada da vaca que estava presa em um banco de cascalho no meio do rio (por este motivo não fui a aula de Fundamentos de Jornalismo Impresso, desculpa Demétrio). Um servidor público foi destinado a fazer o trabalho do funeral da vaquinha.


Ai vem a segunda tragédia. Não é que o cara enterrou a vaca no leito rio. O operário relata que não conseguiria sair do rio por causa do nível da água (bom, mas sem a vaca ele conseguiu sair, estranho não?). Ai começou o bafafá!


Moradores da cidade ficaram sabendo da história do enterro da vaquinha do rio (até escutei duas senhoras de idade conversando enquanto tomam uma pepsi que não iam beber mais água). Como o rio Pequeno desemboca no Pardinho que abastece as redes de Sinimbu e Santa Cruz do Sul já viu né?! Os moradores denunciaram o caso ao Ministério Público, a Brigada Militar, a 13° Coordenadoria Regional de Saúde e a Vigilância Sanitária do município.


Ai desenterraram a vaquinha. E ela foi sepultada, de novo. Agora em uma propriedade vizinha a menos de 15 metros da margem numa profundidade inferior a um metro.


Como estamos em ano eleitoral, a morte da vaquinha virou caso de troca de farpas entre candidatos. E o jornal bombou com ligações. De um lado a oposição pedindo a publicação. De outro prefeito e vice fazendo ameaças pela não veiculação. Opa! Não tentando violar a liberdade de imprensa (falaram até em AI-5, os caras gostam dos milicos por aqui).


Bom, mas a matéria saiu. A população teve garantido o acesso a informação. Ah, furei a Gazeta. A matéria foi capa do jornal Tribuna Popular de hoje (19.09.2008). Acabei de desligar o telefone. Enquanto escrevia este testemonial anexava as fotos para enviar ao Dejair, da Gazeta. A matéria deve ser veiculada amanhã.



Uhuhuhuhu!!!! Viva o estresse da morte da vaquinha...

Um viva e um sábio


Só para contrariar o professor Demétrio, que disse que eu ficaria exibida depois do comentário do Sancler, cá estou eu novamente para postar!


E não é para falar de apenas um assunto e, sim, dois!


O primeiro deles, é que o legal do Unicom, além de ser uma experiência a mais no currículo e também algumas horinhas complementares (que eu espero receber por participar do projeto... hehe), também é uma ótima oportunidade de fazer amigos. A grande maioria das pessoas que fazem parte do grupo, eu não conhecia e, se conhecia, era de vista. Agora, tenho pelo menos umas dez pessoas a mais para cumprimentar nos corredores da Unisc e mandar e-mail. Jóia!


E, obviamente, sem querer parecer interesseira, são pelo menos dez pessoas a mais para ter como contato futuro. O que pode render bons projetos, parcerias e quem sabe uma ajudinha em um momento de aperto.


Então, vai mais um viva para a coleção:


Viva as novas amizades!!!! Viva!!!!!!!


* * *


O segundo assunto é sobre uma experiência pela qual eu passei hoje pela manhã. Não tem quase nada a ver com o Unicom, mas tem com o jornalismo e, por isso, creio que seja válido.


Estava eu, bem bela, com chapinha, rímel e terninho esperando uma entrevistada vir gravar um quadro para a disciplina de Telejornalismo. (Aliás, ainda não me acustumei muito com a idéia de ter que fazer chapinha para entrevistar alguém... mas, se os entendidos dizem que tem que ser... tem que ser, né?).


Pois bem, a entrevista estava marcada para às 11 horas. No entanto, eram 11h20min e nada da pessoa aparecer. Saquei o super telefone celular e a simpática criatura me avisou que não poderia vir até o estúdio. Saco. Perdi tempo, energia elétrica (porque afinal de contas, fazer chapinha gasta luz!) e, de quebra, ainda fiquei frustada em uma linda sexta-feira ensolarada.


Nada mais a fazer, guardei minhas coisas, marquei um novo horário no estúdio e fui-me embora. Contudo, não antes de ouvir o Valmor dizer: "Essa é a vida de jornalista"...


Um sábio, esse Valmor...


quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Galera da Unisc irá ao Programa do Jô


Um grupo de 31 alunos e dois professores do curso de Comunicação Social da Unisc estão indo a São Paulo no próximo domingo para participar das gravações do programa do Jô, da Rede Globo. O grupo participa de três programas do apresentador Jô Soares, que serão gravados na próxima segunda-feira, 22, e ainda não têm previsão de data de exibição. Além disso, em São Paulo, eles visitam a rádio CBN, especializada em jornalismo. Acompanham os alunos os professores Veridiana Mello e Jair Giacomini.

Tentar vale a pena


Resolvi escrever sobre a odisséia pela qual eu e Vanessa Britto (minha dupla, como eu a chamava) tivemos de passar para fazer uma matéria, ou melhor, tentar fazer várias matérias. Começou com uma pauta, eu ainda estava sozinho na empreitada, e a reportagem não andava. Numa reunião, Vanessa propôs outra pauta e lá fomos nós correr juntos atrás dela. Tenho que reconhecer que os primeiros contatos foram feitos todos pela Vanessa, que mostrou uma grande vontade de trabalhar e aprender.


Fomos atrás dos contatos dessa pauta. Muito sol, muita gente mal humorada e esquisita e nada. A primeira pessoa indicada não quis participar, para não perdemos a viagem, fomos atacar a vizinhança. Fingindo fazer uma espécie de Censo fomos perguntando para todas as pessoas perguntas normais como: “Você lê obituário? Escuta na rádio? Costuma ir a velórios?”. Atacamos meio mundo (ok, eu sei que é exagero, mas eu amo uma hipérbole) e nada. Cheguei a comentar para a Vanessa: “Imagina se eles acham que a gente é de funerária e tá aqui para ver o perfil dos próximos clientes???”


Nessa manhã de muito sol e gripe (para ajudar eu estava gripado e com as narinas congestionadas, praticamente um fanho) resolvemos tentar outras pautas. Uma. Duas. Três. A criatividade de criar pautas estava a toda, mas as fontes, nada. Fomos para o centro dar uma circulada pelas funerárias, para tentar com eles as fontes para as novas pautas... E aí que rolou mais uma coisa muito divertida: numa das funerárias, resolvi me passar como cliente para descobrirmos uma informação que, pelo telefone, a empresa não quis falar. Com os olhos marejados, e com uma história na cabeça (qualquer coisa, meu pai estava na UTI, nas últimas e eu como filho único e sem mãe, tinha de resolver tudo) entrei na funerária. Logo o funcionário me levou para a sala dos caixões, começou a me oferecer os serviços e perguntar informações do morto. Saí de lá com um bom valor para os serviços fúnebres e com a confirmação da nossa informação.


Para resolver a questão das fontes, resolvi ir para a minha terrinha, Vera Cruz, e fazer uma procura de fontes para todas as nossas pautas. Fui até a funerária conversar com a minha amiga, colocamos parte das fofocas em dia e eu saí com certeza do que daria certo e alguns nomes. Noutro dia, Vanessa (preciso ainda dizer que é a Britto?) desceu em Vera City. Mais um dia ensolarado para correr atrás de gente... E adivinhem: a pessoa que foi indicada para gente como fonte, estava numa UTI. No primeiro momento, o susto (Ah, Meus Deus, basta a gente ir atrás da pessoa que ela...), no segundo momento, resolvemos ir atrás de uma pessoa indicada em Santa Cruz. Pra já pegamos o ônibus e fomos para a rua do Moinho.


Chegando lá, a outra pessoa indicada não podia nos atender porque estava acamada, adoentada. Pronto, logo pensamos: alguma coisa deve estar acontecendo, para tudo dar errado. Foi nesse mesmo dia que tiraram minha foto, aquelas que a Isis mandou por email... Depois de muito lutar, desistimos. Mas valeu muito tentar. Valeu para aprender que mesmo que você queira, ás vezes, as coisas não dão certo. Valeu para aprender mais sobre jornalismo. E sobretudo, valeu por conhecer mais a Vanessa Britto, por poder trabalhar com ela... Nos divertimos muito, trabalhamos muito e acredito eu, aprendemos muito um com o outro.