quinta-feira, 30 de abril de 2009

Palestra com Diogo Olivier na Unisc

Na próxima terça-feira, 5/5, às 9h30min, na sala 101, haverá uma palestra com o jornalista esportivo de Zero Hora Diogo Olivier. A palestra é promovida pela RBS, com apoio do curso de Comunicação Social - Jornalismo, e faz parte de um evento simultâneo que irá ocorrer em todas as universidades gaúchas neste dia, em comemoração aos 40 anos do jornal. A palestra é aberta e tem previsão de encerramento às 11h.

Diogo Olivier Mello é jornalista formado pela Ufrgs em 1991. Atua como repórtes especial e colunista online de Zero Hora, além de integrar o programa de debates esportivos Sala de Domingo, da Rádio Gaúcha, e o Bate-Bola, na Tv Com. Foi jornalista político, mas nos últimos anos trabalha na editoira de Esportes. Enre os prêmios conquistados, estão o da Associação Riograndense de Imprensa (1999, 2001, 2002, 2005, 2007) e Prêmio Esso-Regional Sul ( 2006, este com outros colegas). Publicou Diário de Viagem ao Brasil Esquecido (1994, vários) e 10 reportagens esportivas (no prelo).

terça-feira, 28 de abril de 2009

Nosso Salvador

Tensão no fechamento do UNICOM


Galera se virou para resolver a Capa do UNICOM!

E tem graça sem indiada?


Estava eu lá, no terceiro sono às 8 horas da manhã de hoje.. toda despreocupada em vir pra aula após uma noite mal dormida de febre, afinal, tinha feito a minha parte pro jornal. Mas heis que o telefone toca. "Menina, teu M** aqui, podes vir agora?"
OH MY GOD!
Fechamento de edição! Situação:
Jornal sem capa, sem fotos, sem.. condições de ir pra gráfica.
Chego na aula meio perdida, anestesiada de remédios e ainda meio dormindo pra me deparar com um tiroteio de idéias, frases "sei lá pra que" e a coisa fluindo. Fluindo pra onde eu não sabia, mas que estava fluindo estava. Corri o máximo que eu pude pra sentar na janela, mesmo tendo pego o bonde andando.
Demorou um pouco mas me situei.
Tarefa: Produzir a capa do jornal!
Heis que umas 5 colegas voam porta afora em busca da capa perdida. Óbvio que não vou entregar o que é né! Mas espero que seja mais fácil de achar que as caveiras de criscal.
Quase 9:30 da manhã: o momento é de espera. 
_Esperando que as gurias cheguem com a capa;
_Esperando que a diagramação de conta do trabalho;
_Esperando que de tudo certo!
Aff.. depois tem gente que diz que não gosta de indiadas. Gente, vamos combinar! Se não fosse por tanta indiada junto, depois de alguns anos ninguém se recordaria desse dia tão especial de fechamento do nosso querido UNICOM Indiadas ;)
Uma indiada é pouco, duas é bom, três é pra entrar pra história!


sexta-feira, 24 de abril de 2009

Diálogos da Comunicação realiza palestra

Repassando convite da coordenação do Departamento:

"O Departamento de Comunicação Social está retomando o projeto Diálogos da Comunicação. A primeira apresentação do semestre será a do professor Demétrio de Azeredo Soster, intitulada "O jornalismo em novos territórios conceituais: internet, midiatização e a reconfiguração dos sentidos midiáticos". Neste trabalho, Demétrio examina as transformações que estão ocorrendo no âmbito do jornalismo a partir de sua imbricação com outros sistemas.

A pesquisa, resultado de sua tese de doutorado, busca observar o que representam, ao jornalismo, estes novos territórios conceituais por meio de uma reflexão teórica do fenômeno da midiatização, bem como pelo estudo empírico de dois acontecimentos - o "Escândalo da Arbitragem" e o "Acidente da Gol". A questão está estruturada em três movimentos: o desenvolvimento do cenário em que a midiatização se estabelece, a complexificação deste cenário e, finalmente, a processualidade da midiatização.

Em sua pesquisa, Demétrio parte do pressuposto de que os dispositivos jornalístico-comunicacionais, - neste estudo entendidos como os jornais e as revistas impressos, o rádio e a televisão, e, mais recentemente, os webjornais e os blogs de natureza jornalística -, não são apenas vetores de midiatização. Ao possibilitar que se instaure, por meio de suas operações, que são de natureza tecnológica, mas também sócio-discursivas, uma nova ambientação na sociedade, e, nela, no jornalismo, acabam sendo afetados pela processualidade da midiatização, midiatizando-se. Complexificam-se, assim, formas e processos desenvolvidos ao longo de pelo menos 300 anos de evolução, o que requer novas gramáticas interpretativas.

O encontro ocorre dia 07 de maio, às 14h30min, na sala 1507. Contamos com a presença de todos e solicitamos que divulguem o evento para os seus alunos, monitores, bolsistas e demais interessados no tema".

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Em produção

Para matar um pouquinho da saudade, já que tivemos feriado nesta semana, seguem alguns dos flagras/poses da turma durante produção/edição da próxima edição do Unicom. Divirtam-se.



quarta-feira, 22 de abril de 2009

Dia Mundial da Terra


Para quem não sabe hoje é o dia da terra!!
O Dia da Terra foi criado em 1970 quando o Senador norte-americano Gaylord Nelson convocou o primeiro protesto nacionalcontra a poluição.
Antes desta data não havia nenhuma preocupação com questões ambientais!
A partir de 1990 vários paises começaram a celebrar a data!!
Acredito que é um dia de reflexão para todos, um dia para começar a fechar as torneiras durante a lavação de louça, tomar banhos mais rápidos, desligar todas as luzes de noite, parar de usar ar condicionado quando não há necessidade!!
É hora de parar de SÓ pensar e agir!!

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Sarau da Prenda Jovem da APAE

Não sei se todos sabem, mas sou 2ª Prenda da minha entidade, o DTG Associação Atlética Souza Cruz (é com D mesmo, D de Departamento) e realizei um grande trabalho, que poderia ter se tornado um grande indiada, se não fosse transformado em mágica, como foi.
Sábado passei o dia todo com 9 meninas da APAE de Santa Cruz do Sul. Era o dia delas, o dia do 1º Sarau da Prenda Jovem da APAE (um baile de debutantes tradicionalista), projeto que desenvolvi e realizei pro Concurso de Prendas da 5ª Região Tradicionalista. Quando encontrei essas meninas as 9 da manhã do sábado (muitas delas ainda nem tinham comido, muito menos tomado banho), eu pensei que seria um dia muito difícil, (já que elas eram muito tímidas, devido aos problemas que enfrentam diariamente) e pensei em desistir, em deixar elas lá, mas minha esperança de que não seria uma indiada falou muito mais alto.
Elas passaram o dia comigo e com todo o grupo que dança no DTG, desenvolvemos atividades durante todo o dia, fizemos a maquiagem delas, arrumamos os cabelos, ensinamos a dançar valsa, demos alimentação, disponibilizamos tudo pra higiene pessoal delas, ainda demos a pilcha completa para cada uma e a levamos pra noite mágica.
E põe mágica! Me deixou muito emocionada e muito satisfeita com tudo o que consegui. É extremamente complicado (praticamente impossível) descrever emoções e sentimentos que tive. Só quem esteve presente pra saber.
Dar um dia de sonho e uma noite mágica a meninas especiais que não tem condições, não tem preço nem explicação! Muito mais do que maravilhoso. Incluir não é trazer pra junto de si, mas fazer da rotina delas a tua rotina, e se orgulhar de fazer elas felizes, com pequenos gestos e pequenas atitudes, que pra muitos 'normais' não teriam valor!!
"Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida,aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.

domingo, 19 de abril de 2009

Breve reflexão

Santa Cruz chora. Hoje, depois de mais de duas semanas, finalmente encontraram o corpo de Margarete Lawisch, de 28 anos. Tristeza, indignação e mistério constituem a maioria das rodas de conversa. Nesse sentido, selecionei um trecho de uma música do rapper MV Bill que faz refletir sobre essa vida na qual perdemos as pessoas que amamos tão facilmente.

"Conheço essa mão alisando meu queixo
É da minha velha que não agüenta e me dá um beijo
Mexe a cabeça de forma negativa
Parece não acreditar que tiraram minha vida
Segura minha mão e olha pro alto
Enquanto o meu sangue se mistura com o asfalto"

Música: Soldado Morto - MV Bill

19 de abril: Dia do Índio


Durante a realização do 1º Congresso Indigenista Interamericano no México, em 1940, representantes de diversos países americanos decidiram convidar os índios – tema central do congresso. Entretanto, a comissão encarregada de fazer o convite encontrou resistência por parte dos índios que, habituados a perseguições e traições, mantinham-se afastados das reuniões, de nada valendo os esclarecimentos e tentativas dos congressistas. Dias depois, convencidos da importância do congresso na luta pela garantia de seus direitos, os índios resolveram comparecer. Essa data, por sua importância na história do indigenismo das Américas, foi dedicada aos índios. A partir de então, 19 de abril foi institucionalizado o Dia do Índio em todo o continente americano.

Registro aqui nossa singela homenagem aos índios das mais diversas etnias deste País.

Uma indiada no find

É, ainda não tinha postado nada, porque eu acabo de chegar em casa, depois de um find recheado de indiadas.

Eu e a Caká (uma colega do curso, que mora comigo e que por sinal adora uma indiada) resolvemos que não iríamos para Cachoeira do Sul neste fim de semana. Então, ficamos por Santa Cruz e sem ter o que fazer.

Isso durou pouco tempo. O tempo suficiente para que uns amigos nos convidassem para irmos no veloterra. Aceitamos o convite, mas recusamos a carona, afinal a pessoa que aqui escreve está praticamente motorizada: com uma BIZ.

O que acontece é que o veloterra aconteceria no autódromo da cidade. Já havíamos escutado que o tal lugar era longe. Só esqueceram de nos avisar que era muiiito longe (e que havia estrada de chão).

As bonitas se arrumaram e foram para o Google descobrir onde ficava o tal autódromo. Em uma folha de papel, Caká desenhou um mapa improvisado. E lá fomos nós! Meu Deus! Não chegava nuuunca! E eu, míope, na estrada, de lente de contato e não de óculos é um perigo constante. Fora que a BIZ com nós duas em cima não anda muito ligeiro não!

Mas o que importa é que chegamos lá... Tirando as derrapadas (e quase caídas), o pó, o calor e todo o resto, a tarde foi maravilhosa. Só que não podemos aproveitar muito, pois tínhamos que voltar antes de escurecer. Já que levamos uma hora para chegar, certo que levaríamos mais ou menos o mesmo tempo para voltar.

Nós, literalmente, comemos pó na tarde de sábado, mas nos divertimos. E valeu a pena!

Era isso por hoje pessoal... E eu ando bem louca atrás do resto das ilustrações do nosso jornal. Parece que o tempo não está cooperando comigo, mas vamos tentando que chegamos lá.

sábado, 18 de abril de 2009

O cantar da bananeira


Enquanto a Lua ganhava o dia, receosa das surpresas que poderia encontrar, sentei na pedra fria e passei a admirar os encantos daquele sábado ensolarado. Plantas brilhavam à luz do sol, pássaros cantavam sobre as árvores e pensamentos positivos pairavam sobre o ar.

Ao escorar as costas doídas, tensas pela semana pesada que haviam enfrentado, fechei os olhos e senti novas vibrações. Será que o livro que leio tem alguma influência nisso? As dúvidas eram grandes, mas não atormentavam mais como antes. Assim, permiti que os bons fluidos que vinham com uma borboleta amarela, encantadora sobre uma pequena folha verde, tomassem conta do meu ser.

Nesse instante, ouvi um som diferente. Incrivelmente, depois de passar seis anos pelo mesmo lugar, pela primeira vez ouvi o cantar da bananeira. Grande, esplêndida e vibrante cantava aos quatro ventos. As folhas enormes se entrelaçavam com o azul do céu. Quando percebi tamanho esplendor, meu coração se encheu de paz.

Então, ao som de seus braços verdes, permaneci quieta e pensativa, mas ao mesmo tempo feliz. A música era contagiante e a letra dizia coisas que eu ainda não havia escutado. O ritmo daquele momento norteou minhas ações e meus sorrisos pelo resto do dia. Quando decidi levantar, a bananeira ainda cantava. O som era de paz, de amor e de alegrias que já não se sentem mais. Conclui também que era o cantar da saudade e dos momentos que deixei, há muito tempo, para trás.

Uma vida e um banco

Após tanto tempo o banco ainda estava lá. A madeira um pouco mais velha. As lembranças cada vez mais vivas. No mesmo lugar, parecia esperar por aquele que lhe ocupara por quase toda a sua vida. Convidativo, aguardava, incansavelmente, que aquele homem calado, bondoso e infeliz bebesse, mais uma vez, o chimarrão naquele local.

Dessa vez, era eu que sentava sobre ele. No mesmo instante, a sensação de saudade interveio e me levou para pensamentos antes implícitos. Então, todos os segredos, as visões e as tristezas que estavam sobre aquele pequeno banco, contraíram meu coração. Pela primeira vez, eu vi aquele móvel como o refúgio que o velho homem adotara.

Em meio à calmaria daquele prédio, refleti sobre tudo o que não havia sido dito. Sobre os abraços não dados. As palavras perdidas, a alegria suprimida, a vergonha de não ter feito e a esperança de poder consertar tudo. O tempo e o banco. Apenas os dois verdadeiros confidentes que meu avô encontrara em sua vida conturbada, mesclada por altos e baixos. Sorrisos e tristezas.

Enquanto o quero-quero gritava pelo campo e meu coração se enchia de melancolia, a lua tomou o lugar do sol. Me levantei, olhei para os lados e uma sensação de cumplicidade fez uma lágrima brotar. Olhei para trás e lá estava ele, o pequeno banco de segredos, parado, no mesmo lugar. No ambiente preferido de um homem que se revelou somente na hora da morte. Segui o caminho até a casa, mas o banco ficou, sofrido e calado como o homem que lhe deixou.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Próximo Unicom

Oi colegas!!!
Nosso primeiro Unicom ta quase lá e então que tal aproveitarmos o final de semana e o feriado e pensarmos em pautas bem interessantes para o próximo jornal? O Demétrio já falou que provavelmente não será temático, então mãos a obra.
Bom final de semana a todos

Uma indiada pra chamar de minha

Oi gente, eu tinha que postar aqui ontem! Mas tava sem internet na minha casa! Então, resolvi dar as caras hoje e antes tarde do que nunca né?
Bom, o que eu quero contar pra vocês é uma indiada que aconteceu comigo.
No verão de 2006, eu e algumas amigas e amigos resolvemos acampar no interior de Candelária. O local escolhido foi o Balneário do Faber que fica a uns 8 km da cidade. O lugar é bem legal e ninguém paga nada pra ficar lá.
Como os homens da turma trabalhavam, tudo ficou por conta das mulheres. E qualquer pessoa em sã consciência não teria uma ideia dessas. Afinal, o que cerca de 5 mulheres que nunca tinham acampado podem entender do assunto? Nada... e por não entender nada a gente esqueceu de tudo o que realmente era necessário.
Todas nós levamos shampoo, condicionador, maquiagem... e por aí vai... Mas ninguém lembrou que tinhamos que levar facas, gamela, luz, espeto...
Quer saber qual foi a solução encontrada pra isso? Acompanhe o próximo post meu!
Bom final de semana à todos!

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Jornal Diz aí! já está nos murais do curso

Moçada, o Diz aí! - jornal-mural do Curso de Jornalismo da Unisc produzido para a Agência Experimental de Jornalismo é uma realidade desde ontem, quando finalmente ficou pronto. O mérito da iniciativa é das colegas Letícia Mendes, Daiane Balardin, Márcia Melz (edição de fotos) e Gelson Pereira (projeto gráfico/diagramação), por meio da disciplina de Estágio Supervisionado. Explico: a realização do Diz aí!, que inclui um blog (em fase de desenvolvimento), foi a tarefa que coube aos colegas durante seu estágio na Agência. Agora que temos um jornal feito pelo/para os alunos, que todos saibam ocupar seu espaço.

Um salve à Amanda!

Oi gente!!

Agora que minha matéria já foi editada, chegou a vez de ver a ilustração. Na última terça-feira em que tivemos aula, vi algumas ilustrações que tinham ficado prontas, inclusive a minha. Fiquei muito surpresa em ver a criatividade que a Amanda usou para fazê-las. Mesmo sem ler as matérias, ela conseguiu completar os textos com seus desenhos. Gostei muito meeeeesmo.

Por isso, PARABÉNS AMANDA!
E obrigada pela ajuda!

quarta-feira, 15 de abril de 2009

O quarto 38 II

O desespero por não conseguir respirar não durou muito tempo, pois logo em seguida apaguei. Acordei – consciente – só pelas 15 horas daquela quinta-feira, respirando um pouco melhor. Durante os dias em que permaneci no hospital, o sono foi meu grande companheiro. Ainda assim, a primeira noite não foi das melhores. Acompanhada de minha madrinha, o entra-e-sai das enfermeiras me fazia despertar. Até porque lá vinha mais uma picada. Tudo bem, tudo bem... Afinal, as picadas garantiam o meu sono por mais algum tempo – cerca de duas horas. O resultado: corpo inchado, barriga e braços levemente doloridos. O coquetel de medicação foi pesado!

Precisei passear pelos corredores para estimular o pulmão a voltar ao normal [estava murcho [?] por causa da operação]. Meu corpo portava um dreno [?] para extrair as impurezas e secreções ao redor do órgão e, claro, estava ligado ao tripé do soro. Imagine a cena: eu+dreno+soro pelos corredores gelados do hospital. Sobrevivi [quanta dramaticidade!] aos exames, testes e torturas psicológicas. Com o apoio da família, ganhei alta no sábado. Enfim, pude passar o Domingo de Páscoa em casa, perto dos que me querem bem. Não que o pessoal do hospital me quisesse de outra forma, mas estar em casa é outra história. Levei comigo o sono e a cara de doente.

Embora ainda estivesse em outra dimensão, num mundinho só meu, gostei de ver a união da família. Todos, juntos, confiantes e firmes, comemorando os momentos pascais que sugerem a reflexão sobre morte e ressurreição/renascimento. O 1º Programa de Índio_Francine 2009 certamente ficará na lembrança de muitos. Na minha, principalmente. O otimismo ainda impera sobre os laudos, que retardam no resultado... A vida continua ou recomeça? Fico com a segunda opção.

Até mais.

Profissão Repórter procura

Falando sério... O programa Profissão Repórter, comandado por Caco Barcellos, está de volta à grade de programação da Rede Globo. E com uma novidade para lá de bacana: a equipe vai selecionar um foca [formado entre 2007 e 2008] para trabalhar no programa. Não sei vocês, mas achei bacanérrimo. Pena que terei de esperar um bocado para participar. Agora, quem está formado e tem interesse deve se inscrever. O regulamento está no site do programa [profissaoreporter.com.br]. O prazo para as inscrições se encerra à meia-noite do dia 28 deste mês.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Jornal quente

Gente estou louca pra ter o jornal recem impresso na minha mão.
Ver nossos trabalhos feitos em páginas com ilustrações e fotos e depois ver na mão de várias pessoas me da um frio na barriga!!
Estou ansiosa para ler o nosso UNICOM!!
Tenho certeza que vamos dar algumas risadas das indiadas!!
Beijos

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Aula!!

Gentee!!

Todo mundo na aula de amanhã!!
Nosso unicom vai começar a ter 'corpo'!!

Abraçoo!!

Convite II

Gostei da idéia do Urgel e aproveito para convidar vocês para conhecer minha cidade, Agudo. Até sugiro a casa que minha família tem na beira do Rio Jacuí. Com certeza teriamos muitas indiadas para contar depois. Passamos o último feridão nesta casa e muitas histórias e indiadas surgiram, claro que lembrei do nosso jornal.

O quarto 38


Devidamente medicada e quase dormindo, cá estou, no sistema cata mio, para dar meu ar de graças (a Deus!). Pensei, pensei e pensei antes de tornar pública minha agonia nos últimos dias. Depois de tanto pensar, e ainda sem licença médica para exercer minhas atividades normais, concluí que a história (a seguir, em partes) não passa de uma grande indiada (leia-se programa de índio).

Pois bem, na quinta-feira pela manhã fui submetida à uma cirurgia no pulmão esquerdo. É..., verdade! Passei por todos os graus de euforia enquanto esperava ser chamada para o corredor branco e conduzida até a sala branca e verde com equipamentos estranhos e pessoas aparentemente normais. Aliás, o único ser estranho ali parecia ser a paciente. E de fato, era! Meio atônica com os últimos acontecimentos e com aqueles que viriam a seguir, logo recebi uma dose de calmante, na veia. Gente, já estava em outro estágio.

Mal consegui pedir para o doutor, pessoa boníssima, que cuidasse de mim, quando literalmente embarquei para outra dimensão. Antes, porém, lembro-me de que chamavam pelo "terceiro escalado para a cirurgia", um tal de Antônio. E o vídeo, uma das peças fundamentais naquele momento, estava em pane. Jesus! Passadas algumas horas, voltei a abrir os olhos, rapidamente, na porta do quarto 38 (onde ficaria hospedada por alguns dias). Até então, tudo bem, não fosse minha agonia pela falta de ar no momento em que entrei no quarto. Lembro-me de ter dito aos que me rodeavam: "Não consigo respirar!". Hehehe, acho que apavorei o povo.

Com todos os cuidados exigidos pelo procedimento e consciente de que minha Páscoa poderia se passar naquele local, contei com a ajuda do batalhão familiar. Todos que comigo estiveram, fisicamente ou em pensamento, alegraram minha vida e me fizeram ver o quão feliz sou; o quão reclamona sou sem ter, de fato, problemas. É complicado. Quando a saúde ameaça lhe puxar para baixo, é assim que você pensa.

Digamos que foi uma Páscoa inusitada, uma indiada, literalmente. Algo que não estava no script do feriadão a alguns dias atrás. Confesso que ainda estou assustada, mas aliviada pelo que já passou. Sei que os Momentos Pascais de Francine 2009 serão encarados como uma grande lição de vida. Ainda aguardo os resultados do procedimento que trarão mais vida para uma vida. Dependem, claro, do ponto de vista de cada um.

Ainda dá tempo de você se reciclar, de se renovar e viver de verdade!

O resto da história?! Confira nas próximas postagens, no sistema cata mio!

Um grande abraço, colegas!

A culpa e o dilema

É incrível a minha capacidade de não conseguir desligar das responsabilidades. Confesso que antes ainda era pior. Mas mesmo assim, a preocupação é (e acho que sempre será) minha companhia eterna. Bom ou ruim? Com o tempo, essas perguntas tornam-se cada vez mais freqüentes. Essa necessidade de manter as coisas sempre em ordem, entregues nas datas certas e seguir à risca o que foi imposto, tem o seu lado bom. Mas, obviamente, também tem o seu lado macabro, escuro. O pior (ou será o melhor?) é a cobrança sobre as decisões inesperadas. Nesse momento parece que o mundo está contra você. Enquanto que para os outros, que posseum esse estilo de vida, não há surpresas e/ou admiração. Simplesmente acontece e não há nada melhor a fazer sobre.

Bom, agora, lendo o que acabei de escrever aí em cima, percebo que dormir faz bem e que nem sempre é possível achar resposta para tudo, dizer coisa com coisa.

domingo, 12 de abril de 2009

Convite...

Nenhuma indiada é realmete uma indiada, se for previamente planejada. Mas eu gostaria de fazer um convite. Lendo o e-mail da Dani, lembrei de uma sugestão que havia feito no início do semestre: A gente poderia fazer uma festa em cada cidade (Encruzilhada, Carazinho, Sobradinho, etc). Podemos passar uma noite, uma tarde,um fim de semana ou o quanto acharem interessante. Aqui em Encruzilhada tem festa todo sábado no Cratera's Bar. Quanto à estadia... Bem, depois de narrar várias indiadas, a gente não tem problema com isso! Venham pela festa,que o resto éindiada... hehehe.

Falando sério... seria um prazer recebê-los aqui na minha cidade, que tem a hospitalidade como característica. Se a idéia agradar, é só entrar em contato!

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Aviso ao pessoal

Estou aqui só para tranqüilizar o pessoal e avisar que as nossas ilustrações estão quase todas prontas! Segunda-feira eu já vou estar com elas em mãos e na terça já poderemos escolher quais vão para o nosso Unicom.

Estamos chegando na reta final. E eu estou cada vez mais ansiosa. Até terça!

Blogs do curso

Galera. Mais uma vez passando pra deixar uma dica. Aliás, algumas dicas. Estou falando dos blogs dos nossos colegas do Curso de Comunicação Social, aqui da UNISC.
Os colegas da cadeira de Jornalismo Online, que acontece nas quintas à noite, fez um blog Papos de Quinta. Volta e meia eles estão aqui nos visitando e postando sobre a produção do UNICOM, então deixo aqui a dica para vocês também irem lá prestigiar o blog que está muito legal.
Já os colegas de Elementos da Linguagem Musical lançaram o Sons de Sexta, onde postam vídeos e analisam as músicas para a disciplina.
Além deles, claro, temos ainda nossos colegas encarregados de produzir a próxima edição da nossa boa e velha Exceção. O link está no banner aí ao lado. 

Então pessoal, aproveitem que estão navegando e dêem uma passadinha nos links para prestigiar o trabalho legal que os colegas de curso estão realizando.
Fui.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Seleção difícil!

Selecionar somente uma das milhares de indiadas do personagem Clauber Azamabuja "Bié" não foi tarefa simples. O cara tem o dom da indiada. Quer prova? É só ligar pra ele e convidá-lo pra qualquer aventura. Ele larga o que tiver fazendo! hhehe. Tinha vontade de contar todas: Viagens de bike, acamnpamento no colégio, envolvimento com teatro, música... E quase contei. Tive de rescrever a reportagem duas vezes. Minha escolha foi por uma em especial: um casamento de mentira pra alavancar a carreira política (vê se pode!). O pessoal da edição que já leu a matéria deve ter notado que eu não coloquei o nome completo da noiva. É que o Bié não me autorizou, porque hoje eles enfrentam batalhas jurídicas (Segundo Bié, a publicação do nome dela o prejudicaria). Como prometido no vídeo da Dani (making off), a indiada está recheada de boas gargalhadas - pelo menos eu me esforcei pra isso!.

Casamento como forma de marketing político! Tá bom! (vou morrer e não vou ver tudo!)... Será que essa tática deu certo? Confira no Unicom!!!!

terça-feira, 7 de abril de 2009

Indiada de jangada


E aí pessoal!

Estou dando um pulinho pra dar uma dica de livro pra vocês!

Quando fiz a entrevista com o Ortiz, ganhei dele um livro maravilhoso que gostaria de indicar. O nome é "A Expedição Kon-Tiki", e conta uma indiada do tamanho do oceano pacífico! LITERALMENTE. :)

O livro, escrito pelo norueguês Thor Heyerdahl, conta a história verídica de uma expedição feita por ele e mais cinco companheiros a bordo de uma jangada em 1947. Os caras cruzaram o Pacífico do Perú até a Polinésia (não esqueçam que eles estavam em uma mera jangada!) para provar a teoria de que os povos Incas poderiam sim ter sido os responsáveis pela migração para as ilhas do pacífico.

Além de uma história interessantíssima, o livro conta uma indiada atrás da outra. Tudo o que é possível, dá errado. Mas como toda boa indiada, apesar dos pesares, no fim tudo acaba bem.

Acho que não vou mais pegar avião pra ir para as ilhas Cook. Alguém aí interessado em contruir uma jangada? 

Quase....

Nem dá para acreditar que o primeiro Unicom tá quase pronto. Foram várias aulas de conversas e discusssões sobre as pautas, fotos e ilustrações. O jornal tem tudo para ser um sucesso, as matérias são divertidas e engraçadas, algumas quase dificeis de acreditar, mas por se tratar de indiada nada é impossivel.

Estamos chegando lá

A aula de hoje é para serem feitas as finalizações.

Depois das sessões de entrevistas, conversas e de escrever a matéria e reescrever várias vezes, eu a corto, afinal são 3500 caracteres e a minha passou longe.

Trago minha matéria pronta com o tamanho certo e o professor faz as devidas correções, agora aguardo o resto do pessoal fazer o mesmo. Minha função como repórter está concluída.

Mas ainda me resta a revisão e o final da produção. Estou esperando os ilustradores me mandarem os devidos desenhos das matérias, ainda temos prazo para isso, mas tempo sempre falta E com ele a angústia vai aumentando.

Agora, vamos aguardar o resultado do próximo Unicom.

O profe tá brabo...

Pois é colegas, minha matéria sobre a história de duas amigas minhas que foram viajar a Colorado ( interior de Carazinho ) para consolar uma amiga que tinha perdido a mãe se tornou numa tragédia, hehe. As duas sofreram um acidente na volta, capotaram a S10 mas nada de grave aconteceu, saíram sem nenhum arranhãozinho pra contar a história.
O trágico foi o pai de Laura que foi ao local ajudá-las e acabou caindo num buraco na estrada, rompeu os ligamentos da perna e ficou um mês com gesso.

Depois do Demétrio ler a matéria, e de umas editadas, enfim está pronta. Mas o profe nao curtiu nenhum pouco a minha matéria ter passado dos 3.500 caracteres!

Até mais pessoal.

O grande dia!

A manhã de hoje é uma das mais importantes no processo de criação do Unicom. Na verdade, todos os nossos encontros são. Mas nesse exato momento, o professor Demétrio revisa as matérias que foram produzidas ao longo das semanas anteriores. Um misto de apreensão e alívio toma conta da sala de aula. Ajustes são feitos, discussões são criadas e dúvidas surgem. O resultado disso tudo você confere em breve, na próxima edição do Unicom.

O dedo mágico do professor!

Depois de quase arrancar os cabelos, eu consegui terminar de escrever minha matéria. Mas, o resultado não foi o que eu esperava. Não gostei muito do que eu escrevi, e resolvi esperar a aula de hoje para que o professor me ajudasse.
E na verdade, ele fez mais que isso. Colocou o dedo mágico dele no teclado e trocou algumas palavras de lugar, cortou outras... Aquela coisa de quem entendedo assunto! E o resultado? Confira no Unicom.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Por dentro da redação

Pra quem está curioso sobre o que vai encontrar na próxima edição do UNICOM, aqui vai um vídeo bem divertido antecipando pra vocês algumas das indiadas que serão contadas por lá.
Divirtam-se e deixem seus comentários.

video

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Espaço para divulgação de trabalhos

Repasso, por relevante, e-mail recebido das colegas Daiana Balardin e Letícia Mendes Pacheco, que estão, neste momento, entre outros, envoltas com as tarefas do Estágio Supervisionado. O texto:
"Estamos realizando o Estágio Supervisionado na Agência de Jornalismo e, por isso, decidimos criar um espaço para a divulgação dos trabalhos e materiais produzidos pelos alunos e professores do Curso de Comunicação Social. Mas, para que este espaço funcione, precisamos que aqueles que tiverem interesse nos enviem, para este endereço de email, críticas de livros e filmes, textos opinativos sobre assuntos atuais ou dicas de outros materiais, em vídeo, áudio, texto ou fotografia, produzidos para as disciplinas, que gostariam que fosse divulgado. Quanto ao formato do espaço divulgaremos em breve. Importante: aceitamos todos os materiais independente de habilitação. Aqueles que optarem por escrever textos, por favor, entrem em contato conosco para acertarmos o tamanho. Contamos com a colaboração de todos. Muito obrigada!
Daiane Balardin
Letícia Mendes"

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Unicom terá edição-extra na Feira do Livro

Pessoal, para este ano, por ocasião da Feira do Livro de Santa Cruz do Sul, realizaremos uma edição extra do Unicom. Para tanto, e considerando que a turma está envolvida na produção de dois jornais, mobilizaremos uma "força-tarefa" para trabalhar a edição-extra. Este grupo, que começa a ser formado, será composto por alunos que trabalharam em edições anteriores do Unicom e da disciplina de Produção em Mídia Impressa. A diferença é que todos trabalharão como voluntários, sendo que receberão horas-complementares para tanto.
Especificamente sobre a Feira, será realizada de 30 de maio a 7 de junho, tendo como lema "Ler te faz diferente". O patrono será Charles Kiefer. Já o escritor homenageado será Sérgio Schaefer. A Agência Experimental de Jornalismo, como de hábito, irá cobrir a Feira do Livro por meio de site específico e outras entradas mais. A edição-extra do Unicom deverá estar pronta dia 13 de maio, por ocasião do lançamento oficial da feira.
Na semana que vem terei mais informações sobre este assundo.

Boas noticias!

Resolvi dar o ar da graça por aqui! Em primeiro lugar quero avisar que as palavras aqui escritas ficarao sem acentos! Meu teclado ta bem louco! E meu comoutador ta lento e por isso nao vou escrever no Word pra depois colar aqui! Voces compreenderao o meu problema, tenho certeza!
O que eu vim aqui lhes contar é (Crtl+C + Crtol+V)ja posso respirar aliviada, minha materia ta quase pronta! E queria saber pra quem eu mando primeiro. Para nosso querido professor??
Bom trabalho a todos!

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Um pouco de making of



No último encontro dos produtores do próximo Unicom, a colega Francine Rabuske aproveitou a dica do professor Demétrio e fez alguns cliques bem legais do pessoal que estava no laboratório de informática com a mão na massa. Hoje você confere apenas alguns, mas aguarde. Outros virão!