Pular para o conteúdo principal

Destaques

Lançamento do Unicom Conflitos reúne profissionais para debate com alunos

A nova edição do Jornal Unicom, produzida em cima do tema “Conflitos que transformam”, teve o lançamento oficial na noite dessa segunda-feira, 27, em um evento onde o assunto central da publicação foi debatido. Mediado pelo professor Demétrio de Azeredo Sóster, o debate iniciou após as 19h30, no auditório do Memorial da Unisc, e teve como convidados à mesa o jornalista Rodrigo Lopes, a psicóloga e socióloga Gabriela Maia e o sociólogo e professor Luiz Augusto Campis.
No primeiro momento, os três convidados tiveram a oportunidade de falar sobre conflitos que transformam – para o bem ou para o mal – a partir das perspectivas profissionais e pessoais de cada um. Quem deu início a essa fase foi Gabriela, que tratou majoritariamente sobre questões de gênero e a violência acerca disso. Dando sequência, com uma perspectiva mais sociológica, Campis falou sobre a Teoria do Conflito Social, de Karl Marx, relacionando-a com a realidade. Para finalizar, Lopes fez uma breve apresentação sobre a …

Instagram tem venda de pornografia

Fotos de passeios, comidas, animais de estimação são normais no Instagram, rede social de fotos comprada há um ano pelo Facebook. Mas o aplicativo não é lá tão inocente assim. O lado obscuro é colocado em prática através da compra e venda de armas, pornografia, apologia a distúrbios alimentares, ciberbullying e spams. Mas como é possível se o serviço proíbe essas práticas?

Como ocorre: Embora o Instagram censure uma lista grande de hashtags que podem levar a conteúdo pornográfico, muitos usuários conseguem burlar a restrição. Isso porque alguns termos podem ter sentido ambíguo (e a rede acaba optando por mantê-los acessíveis), enquanto outros têm a grafia alterada, como no caso dos distúrbios alimentares.
Um dos exemplos é a palavra "sex" (sexo, em inglês). Ela continua bloqueada, mas termos compostos com ela (como "The Sex Pistols", banda britânica) voltaram a serem "buscáveis". Com isso, abre-se uma brecha para o conteúdo pornográfico na rede.


Foto: divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas