A estrada do jornalismo

Uma matéria é como se fosse uma estrada, cheia de surpresas, curvas, imprevistos e buracos. Nem sempre tudo sai conforme o planejado, às vezes é necessário dar uma parada na beira da estrada e deitar-se um pouco para refletir sobre o que foi feito até ali; se não e necessário mudar o caminho e percorrer outro. Às vezes, no meio dela, é que vemos as coisas mais interessantes e diferentes, e então decidimos seguir ou nos distanciarmos daquele fato. É assim com a pauta. Algumas vezes ela está ali pronta, só esperando para ser explorada, às vezes some, às vezes se torna inviável por ausência de respostas. Todavia é importante o jornalista sabe a hora de mudar de rumo para não ficar “preso” num engarrafamento onde não há mais alternativas e sua viagem termine na metade do caminho por falta de “combustível”, por isso é importante se ter um plano B. Às vezes ocorre que um pneu fura ou o veículo incendeia principalmente quando o personagem não gosta da forma como foi retratado. Às vezes é a posição do espelho (angulação). Mas como no trânsito não é possível chegar ao destino sem ultrapassar alguns furos (principalmente nas respostas), muitas vezes é necessário interpretar a realidade em torno da cena. O jornalismo e uma estrada se casam muito bem, pois ambos são semelhantes e cheios de imprevistos, porem apaixonantes para quem gosta.

Comentários

Postagens mais visitadas