Muitos medos ao longo de uma vida (longa)

A Romilda, esta jovem senhora de 92 anos que está na foto, é quem falou comigo sobre seus medos. A ideia inicial era abordar o medo em diferentes gerações. Falei com crianças, adolescentes, jovens adultos e idosos. Mas a história da Romilda foi a que mais chamou atenção. Por isso, ela poderá ser conferida no Unicom Medos. Pense bem: são 92 anos, muita coisa ela já passou nessa vida! Muitos dos seus medos têm fundamento, podem ter certeza.


Foto: Maria Helena Lersch

Os temores da Romilda poderão ser vistos no jornal, então vamos falar um pouquinho dos outros medos que me relataram durante as entrevistas. Percebi que em todas as gerações analisadas, pelo menos uma pessoa sentia medo da solidão. E por diferentes razões. Estranho, né? Um menininho de 5 anos me disse que tinha medo de ficar sozinho em casa por não se sentir protegido. No entanto, a maior parte dos medrosos da solidão associavam a palavra a não ter companhia, não ter com quem contar, dividir anseios e alegrias.

Ao longo das conversas surgiram também outros medos. Teve adolescente que me disse que tem medo de micro-ondas! Sim, até disso. Medo de elevador, de cobra, sapo, cachorro, temporais, bêbados... apareceu de tudo. Eu, particularmente, tenho dois medos. Mas eles também poderão ser vistos na edição impressa do Unicom.

Comentários

Postagens mais visitadas