Pular para o conteúdo principal

Destaques

Lançamento do Unicom Conflitos reúne profissionais para debate com alunos

A nova edição do Jornal Unicom, produzida em cima do tema “Conflitos que transformam”, teve o lançamento oficial na noite dessa segunda-feira, 27, em um evento onde o assunto central da publicação foi debatido. Mediado pelo professor Demétrio de Azeredo Sóster, o debate iniciou após as 19h30, no auditório do Memorial da Unisc, e teve como convidados à mesa o jornalista Rodrigo Lopes, a psicóloga e socióloga Gabriela Maia e o sociólogo e professor Luiz Augusto Campis.
No primeiro momento, os três convidados tiveram a oportunidade de falar sobre conflitos que transformam – para o bem ou para o mal – a partir das perspectivas profissionais e pessoais de cada um. Quem deu início a essa fase foi Gabriela, que tratou majoritariamente sobre questões de gênero e a violência acerca disso. Dando sequência, com uma perspectiva mais sociológica, Campis falou sobre a Teoria do Conflito Social, de Karl Marx, relacionando-a com a realidade. Para finalizar, Lopes fez uma breve apresentação sobre a …

Sem medo de fazer elogios

No final do semestre passado, ao fazer minha rematrícula e escolher a disciplina de Produção em Mídia Impressa, meus sentimentos intuitivos diziam que seria uma "indiada" daquelas. Então, pensei: pra fazer um Unicom daqueles, vou precisar de uma turma maneira: daquelas que somam as ideias e dividem os esforços. Para o meu alívio e felicidade, fui atendida! (Obrigada, Senhor)

Com o início do período atual, revi alguns colegas que encontro todos os semestres, mas também encontrei alguns pela primeira vez. Na primeira aula, já pude sentir que esse jornal ia ser diferente e até comentei com a Lu (colega antiga): "Que bom que vai ser essa turma que vai fazer o Unicom comigo. A maioria já se conhece, vai ser legal".

Qual não foi o meu engano, e, também, tão gratificante surpresa. Nós não nos conhecíamos! Nos descobrimos ali, entre os erros e os acertos! Porém, tenho um objetivo nessa postagem: render honras a um talento que eu desconhecia. Por ser editora, tenho a missão (que, na maioria das vezes, é um privilégio) de ler os textos antes de todo mundo.








Em uma dessas, me deparei com dois textos desta moça - que já era do time dos antigos pra mim. Sabia da capacidade dela, mas, dessa feita, ela me mostrou o seu lado jornalista que sabe emocionar. Ela, acredito eu, mais do que qualquer um de nós, se jogou de corpo e alma e coração na produção da pauta, tanto que até rendeu um texto de opinião a respeito da matéria.

Por isso, senti a vontade de parabenizar a Betina aqui no blog, para que todos os nossos leitores saibam o quanto tu me encantou com as tuas palavras. Além disso, para que aguardem ansiosos o que a turma produziu e preparem os corações para o que aquela repórter loira e linda (por fora e por dentro) colocou no papel.

Comentários

Postagens mais visitadas