Pular para o conteúdo principal

Destaques

Lançamento do Unicom Conflitos reúne profissionais para debate com alunos

A nova edição do Jornal Unicom, produzida em cima do tema “Conflitos que transformam”, teve o lançamento oficial na noite dessa segunda-feira, 27, em um evento onde o assunto central da publicação foi debatido. Mediado pelo professor Demétrio de Azeredo Sóster, o debate iniciou após as 19h30, no auditório do Memorial da Unisc, e teve como convidados à mesa o jornalista Rodrigo Lopes, a psicóloga e socióloga Gabriela Maia e o sociólogo e professor Luiz Augusto Campis.
No primeiro momento, os três convidados tiveram a oportunidade de falar sobre conflitos que transformam – para o bem ou para o mal – a partir das perspectivas profissionais e pessoais de cada um. Quem deu início a essa fase foi Gabriela, que tratou majoritariamente sobre questões de gênero e a violência acerca disso. Dando sequência, com uma perspectiva mais sociológica, Campis falou sobre a Teoria do Conflito Social, de Karl Marx, relacionando-a com a realidade. Para finalizar, Lopes fez uma breve apresentação sobre a …

O jornalista e sua fonte

Estamos em rotina de produção. Cada repórter da nossa equipe já está construindo a sua matéria com base nas suas pesquisas e fontes; e é aí que entra a questão principal do jornalismo: a relação do jornalista com a fonte. Ela varia – e muito.

Charge: Google Imagens
Há casos em que a fonte não quer falar, mas o assunto pautado é de domínio público e, por conta disso, a fonte “se obriga” a prestar esclarecimentos perante a sociedade através de um veículo de informação. Quando o assunto é positivo; sem problemas. A fonte é muito compreensiva e, na maioria das vezes, dá tudo certo. Contudo, quando a questão a ser tratada com a fonte é, de certa forma, negativa e exige uma informação esclarecedora do entrevistado, podem surgir complicações, como a fonte tentar manipular o jornalista. O jornalismo de qualidade e a apuração bem-feita têm dessas coisas. Acaba ocorrendo que, indubitavelmente, a desconfiança se torna exigência para o desenvolver de qualquer matéria jornalística. Faz-se necessário desconfiar sempre de uma informação.

A informação que se obterá da fonte terá interferência direta no que o entrevistado imagina do jornalista. E isso dá caráter a uma série de implicações, dentre as quais a opinião do jornalista e, por isso, sempre se ouve falar em imparcialidade. O jornalista precisa ter opinião imparcial para conseguir exercer bem o seu trabalho. Mas este é assunto para uma outra conversa.

Até breve, pessoal!


Comentários

Postagens mais visitadas